Algumas notas sobre segurança pública e municípios: uma análise do caso de Minas Gerais

Ludmila Ribeiro, Luiza Meira Bastos

Resumo


Na última década, muito se discutiu a respeito de qual seria o papel do município na segurança pública. Especialistas entendem que, tal como o arranjo constitucional organiza esse tema, a responsabilidade pela gestão dos problemas relacionados à criminalidade seria se não apenas, pelo menos em grande medida, do estado membro. Contudo, como esse fenômeno afeta a qualidade de vida no âmbito local, várias são as pressões colocadas sobre as prefeituras no sentido de atenuar os efeitos deletérios dele decorrente. Nesse sentido, cumpre indagar como o poder local tem gerido essa questão, em termos de quantidade de investimento destinado à segurança pública, considerando (1) as taxas de homicídio doloso e de crimes contra o patrimônio, (2) os recursos institucionais que se fazem presentes na cidade (quantidade de habitantes por policiais) e (3) o tamanho da população do município, já que localidades maiores tendem a ter não apenas uma arrecadação maior, mas também problemas mais complexos. Esse estudo avança nesta discussão problematizando os determinantes do gasto público municipal na seara da segurança pública a partir dos dados do Índice Mineiro de Responsabilidade Social (IMRS), que procura avaliar o desempenho dos municípios de Minas Gerais em distintas searas nos últimos três anos (2009-2011), incluindo-se a segurança pública.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


_______________________________________________________________________________________________________________________________________

Universidade Federal de Campina Grande - Centro de Humanidades - Unidade Acadêmica de Ciências Sociais - Rua: Aprígio Veloso, 882 – Bodocongó - 58.429-900– Campina Grande – PB – 55-83-2101-1211.

E-mail: repol@ufcg.edu.br

ISSN 2316-4743