PONTOS DE VISTA DE FORMADORES SOBRE O ENSINO DE TEXTOS ORAIS: POR QUÊ? O QUÊ? COMO?

Ewerton Ávila dos Anjos Luna

Resumo


Considerando a relevância da formação inicial do professor de português para o processo de construção de saberes docentes sobre o ensino da oralidade, este estudo objetivou investigar o que pensam professores universitários sobre o porquê de contemplar textos orais na escola, quais gêneros textuais devem ser selecionados e como viabilizar estratégias didáticas nas práticas de ensino. Para isso foram entrevistados cinco formadores que atuam em um curso de Licenciatura em Letra-Português. Os dados apontaram que, mesmo com algumas inquietações, a fala dos docentes está em conformidade com o que preconizam documentos oficiais e com o que tem sido evidenciado por estudos recentes.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, D. L. de; RAFAEL, E. L.; AMORIM, K. V. Estudos Linguísticos e oralidade: uma visão do objeto de estudo e de ensino em cursos de Letras da Paraíba. In: ARAÚJO, D. L. de; SILVA, W. M. da. (Org.). Oralidade em foco: conceitos, descrição e experiências de ensino. Campina Grande: Bagagem, 2013, p. 55-76.

ÁVILA, E.; NASCIMENTO, G.; GOIS, S. Ensinando a oralidade: revisitando documentos oficiais e conversando com professores. In: LEAL, T. F.; GOIS, S. (Org.). A oralidade na escola: a investigação do trabalho docente como foco de reflexão. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

BAZERMAN, C. Gêneros Textuais, tipificação e interação. São Paulo: Cortez, 2011.

BOTLER, L. M. A. R. Gêneros orais e ensino de língua portuguesa: concepções e práticas. Recife, 2013. 210f. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal de Pernambuco.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 1998.

______. Guia de livros didáticos: PNLD 2015: língua portuguesa: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2014.

COSTA-MACIEL, D. A. G. da. Oralidade e ensino: saberes necessários à prática docente. Recife: Ed. Universidade de Pernambuco, 2013.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [1996] 2010.

MAGALHÃES, T. G. Concepções de oralidade: a teoria nos PCN e PNLD e a prática nos livros didáticos. Rio de Janeiro, 2007. 211f. Tese (Doutorado em Letras). Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal Fluminense.

MAURER, B. Une didactique de l’oral : du primaire au lycée. Paris: Bertrand-Lacoste, 2001.

MENDONÇA, M. Um gênero quadro a quadro: a história em quadrinhos. In: DIONÍSIO, A.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Org.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002, p. 194-207.

PERNAMBUCO. Parâmetros para a Educação Básica do Estado de Pernambuco – Parâmetros Curriculares de Língua Portuguesa para o Ensino Fundamental e Médio. Recife: SEDUC-PE, 2012.

RODRIGUES, S. G. C.; LUNA, E. A. dos A. O ensino da oralidade no contexto do Ensino Fundamental. In: RODRIGUES, S. G. C.; LUNA, E. A. dos A.; COSTA-MACIEL, D. A. G. da. (Org.). Oralidade & Leitura: olhares plurais sobre Linguagem e Educação. Recife: Editora UFPE, 2016.

SCHNEUWLY, B. Palavra e ficcionalização: um caminho para o ensino da linguagem oral. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. et al. Gêneros orais e escritos na escola. São Paulo: Mercado das Letras, 2004, p. 109-124.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v17i1.847

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

 

 

                                               

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _<

 

Siga Rev Leia Escola nas redes sociais

   Instagram