ENSINO DE SINTAXE EM VIDEOAULAS PARA EXAMES DE LARGA ESCALA

João Vitor Bezerra Laurentino, Williany Miranda Silva

Resumo


O presente artigo tem por objetivo refletir sobre a abordagem teórico-metodológica de conteúdos de sintaxe veiculados em videoaulas destinadas a exames de larga escala. Para tanto, considerou dois objetivos específicos: identificar os conteúdos de sintaxe presentes em videoaulas de sites para exames de larga escala e analisar o tratamento teórico-metodológico concedido a esses conteúdos na videoaula. Metodologicamente, utilizamos a netnografia e a análise documental. O corpus é constituído por videoaulas de três sites: Canal do Ensino (https://canaldoensino.com.br); Ensino Médio Digital (https://ensinomediodigital.fgv.br) e Me Salva (https://www.mesalva.com). Sobre os conteúdos de sintaxe, percebemos que parte das videoaulas apresentou traços mais conservadores, predominando uma abordagem centrada na gramática normativa. Outra parcela unia a perspectiva normativa à linguística moderna. As videoaulas conservadoras sinalizaram indícios do paradigma tradicional e as conciliadoras revelam oscilação paradigmática.

Palavras-chave


Videoaulas; Sintaxe; Paradigmas de ensino;

Texto completo:

PDF

Referências


AZEREDO, J. C. Sintaxe Normativa Tradicional. In: OTHERO, G. A.; KENEDY, E. (Org.). Sintaxe, Sintaxes. São Paulo: Contexto, 2015. p. 197-216.

AZEREDO, J. C. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Publifolha, 2008.

AZEREDO, J. C. Iniciação à sintaxe do português. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

BAGNO, M. Português ou brasileiro: um convite à pesquisa. São Paulo: Parábola, 2001.

BARRÉRE, E. Videoaulas: aspectos técnicos, pedagógicos, aplicações e bricolagem. In: JORNADA DE ATUALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 3. 2014, Dourados, Anais. Dourados: UFGD, 2014, p.70-105. Disponível em: https://www.br-ie.org/pub/index.php/pie/article/view/3154. Acesso em: 27 nov. 2018.

BEZERRA, M. A.; REINALDO, M. Análise linguística: afinal, a que se refere? São Paulo: Cortez, 2013.

CÂMARA JR., J. M. Estrutura da Língua Portuguesa. Petrópolis: Vozes, 1986.

CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da Língua Portuguesa. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008.

CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. São Paulo: Lexicon, 2016.

DUARTE, M. E. Termos da oração. In: VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. F. (Org.). Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2019. p. 185-203.

FLORÊNCIO, J. H. N. A indeterminação do sujeito em editoriais jornalísticos do Recife. Recife. 2015. 143f. Dissertação (Mestrado em Linguística), UFPE. 2015. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/15373. Acesso em: 11 fev. 2021.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Os atos de linguagem no discurso. Tradução de Fernando Afonso de Almeida e Irene Ernest Dias. Niterói: EdUFF, 2005.

LAURENTINO, J. V. B.; SILVA, W. M. Videoaulas e divulgação de conteúdos gramaticais para exames como o ENEM. Revista Polyphonía, Goiânia, v. 2, n. 30, p. 76-95, mar. 2020. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/sv/article/view/65104. Acesso em 15 mar. 2021.

LE GOFF, J. Documento-monumento. In: Enciclopédia Einaudi v.1. memória-história. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1997. p. 95-106.

MENDONÇA, M. Análise linguística no ensino médio: um novo olhar, um outro objeto. In: BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola, 2006. p. 199-226.

MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus, 2012.

PERINI, M. A. Gramática descritiva do português. São Paulo: Ática, 2006.

POSSENTI, S. Gramática e política. In: GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2001. p. 47-56.

REINALDO, M. A. G. M. O conceito de análise linguística como eixo de ensino de Língua Portuguesa no Brasil. Estudos Linguísticos/Linguistic Studies, 8, Edições Colibri/CLUNL, Lisboa, 2012, p. 229-241. Disponível em: http://clunl.fcsh.unl.pt/wp-content/uploads/sites/12/2018/02/229_242.pdf. Acesso em 13 mai. 2018.

ROCHA LIMA, C. H. Gramática normativa da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1980.

ROCHA, P. J.; MONTARDO, S. P. Netnografia: incursões metodológicas na cibercultura. E-compós, Brasília, p. 1-22, dezembro de 2005. Disponível em: http://www.compos.org.br/seer/index.php/e-compos/article/download/55/55. Acesso em: 15 ago. 2018

SPERANÇA-CRISCUOLO, A. C. É possível ensinar sintaxe a partir do texto? O estudo do período composto. In: ABREU, A. S.; SPERANÇA-CRISCUOLO, A. C. (Org.). Ensino de português e linguística: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2016. p. 73-95.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta de para o ensino de gramática. São Paulo: Cortez, 2006.

VIEIRA, F. E. Gramática tradicional: história crítica. São Paulo, Parábola, 2018.

VIEIRA, S. R. Concordância verbal. In: VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. F. (Org.). Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2019. p. 85-102.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v21i2.2151

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

 

 

                                               

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _<

 

Siga Rev Leia Escola nas redes sociais

   Instagram