ÁRIDA: O DESPERTAR DO SERTÃO E A EXPRESSÃO DA CULTURA NORDESTINA ATRAVÉS DOS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DE UM JOGO DIGITAL

Bruna Maele Girão Nobre Pinheiro, Regina Cláudia Pinheiro, Júlio Araújo

Resumo


Analisamos aqui como os elementos do jogo digital Árida: o despertar do Sertão ajudam a construir uma representação da cultura popular nordestina e a expressar a identidade cultural desse povo, compreendendo o jogo como uma atividade que precede e reflete a cultura humana (HUIZINGA, 2018). À luz da concepção de cultura popular de Bakhtin (2008, 2010) e Arantes (1990), dos elementos dos jogos digitais propostos por Fardo (2013) e da pedagogia dos multiletramentos (COPE; KALANTZIS, 2000; ROJO, 2012), compreendemos que, no jogo, as manifestações culturais nordestinas aparecem e uma história do Nordeste é contada com objetos do imaginário popular, referenciando as atividades econômicas, a culinária local e o fenômeno da seca. Mais do que mostrar esses objetos e utilizá-los no jogo, observamos que eles ajudam a contar a história do Nordeste, com seus desafios e problemáticas, e a apontar possibilidades de ressignificação dessa cultura.

 


Palavras-chave


Cultura popular. Jogo digital. Identidade cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JR., D. M. A invenção do Nordeste e outras artes. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ARANTES, A. A. O que é cultura popular. São Paulo: Brasiliense, 1990.

ARAÚJO, N. M. S.; RIBEIRO, F. R.; SANTOS, S. F. Jogos pedagógicos e responsividade: ludicidade, compreensão leitora e aprendizagem. Revista Bakhtiniana. São Paulo, v. 7, n. 1, jan./jun. 2012, p. 4-23.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec; Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Brasília: MEC, 2000.

COPE, B.; KALANTZIS, M. (eds.). Multiliteracies – Literacy Learning and the design of social futures. New York: Routledge, 2000.

COUTINHO, I. J.; ALVES, L. R. G. Avaliação de jogos digitais com finalidade educativa: contribuição aos professores. HIPERTEXTUS, Revista Digital. Recife. v. 15.p. 1-22. out. 2016. Disponível em: http://www.hipertextus.net/volume15/vol15artigo11.pdf. Acesso em: 30 nov. 2019.

CUNHA, E. Os sertões. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

FARDO, M. A gamificação como método: estudo de elementos dos games aplicados em processos de ensino e aprendizagem. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Caxias do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2013. Disponível em: https://repositorio.ucs.br/handle/11338/457. Acesso em: 5 dez. 2019.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HUIZINGA, J. Homo ludens. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2018.

MORIGI, V. J. Mídia, identidade cultural nordestina: festa junina como expressão. Intexto, n. 12, p. 76-89. Porto Alegre: UFRGS, 2005. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/intexto/article/view/4192. Acesso em: 5 dez. 2019.

PINHEIRO, R. C.; LIMA, F. A.; ARAÚJO, J. Jogos digitais como motivação para o desenvolvimento da leitura. Diacrítica, v. 34, n. 1, p. 173-198, 2020. Disponível em: http://diacritica.ilch.uminho.pt/index.php/dia/article/view/349. Acesso em: 12 maio 2020.

PETRY, L. C. O conceito ontológico de jogo. In: ALVES, L.; COUTINHO, I. J. Jogos digitais e aprendizagem: fundamentos para uma prática baseada em evidências. Campinas: Papirus, 2016.

RAMOS, G. Vidas Secas. São Paulo: Record Editora, 1983.

ROJO, R.; MOURA, E. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v20i1.1891

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e repositórios

                                     

 

                

           

       

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________