ANÁLISE LINGUÍSTICA MEDIADA POR JOGOS

Kiahra Antonella Coelho Pereira, Wagner Rodrigues Silva, Jose Robson Mariano Alves

Resumo


Este artigo apresenta uma experiência pedagógica sobre uma prática escolar de análise linguística mediada por jogos analógicos e digitais, produzidos para aulas de Português como língua materna, por uma professora de um curso de formação de técnicos de informática. A experiência foi desenvolvida para minimizar alguns problemas linguísticos identificados na escrita discente e para desenvolver o conhecimento gramatical explícito dos alunos. A estratégia pedagógica diferenciada despertou o interesse dos alunos para o estudo da língua materna e, conforme entendimento da professora, o conhecimento explícito de aspectos sintáticos e semânticos da língua materna pode contribuir para o desenvolvimento do raciocínio abstrato discente, o que é demandado em outros componentes curriculares, quando os alunos estudam algumas linguagens de programação de sistemas para computadores.


Texto completo:

PDF

Referências


ALCÂNTARA, E.F.S.(Org) Inovação e renovação acadêmica: guia prático de metodologias ativas. Volta Redonda, FERP,2020, p. 99-101.

BACICH,L.;NETO TANZI, A; TREVISANI, F.M.(Org.). Ensino Híbrido: personalização e Tecnologia na educação.In: BACICH, L; NETO TANZI, A.; TREVISANI, F. M. (Org.). Ensino Híbrido: personalização e Tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p. 47-65.

BAGNO, M. Os objetos do ensino de língua na escola: uma mudança de foco. In: COELHO, L. M. (Org.). Língua materna nas séries iniciais do Ensino Fundamental: de concepções e de suas práticas. Petrópolis: Vozes, 2009. p. 157-171.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1999.

FRANCHI, C. Criatividade e Gramática. In: POSSENTI,S. (Org.). Mas o que é mesmo “gramática?”. São Paulo: Parábola Editorial,2006.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 11 ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1977.

LIMA, L. H. F.; MORA, F. R. O professor no ensino híbrido. In: BACICH,L; NETO TANZI, A.; TREVISANI, F. M. (Org.).Ensino Híbrido: personalização e Tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p. 89-102.

MORAN,J. metodologia ativas para uma aprendizagem mais profundas. In: BACICH, L.; MORAN,J.(Org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática.Porto Alegre: Penso, 2018, p. 1-25.

MORAN,J. Educação Híbrida: um conceito-chave para a educação, hoje. In: BACICH,L.; NETO TANZI, A.; TREVISANI, F.M.(Org.).Ensino Híbrido: personalização e Tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso,2015, p. 28-45.

MARTIN,J.R; ROTHERY, J.The Ontogenesis of Written Genre.In: ZHENHUA, W. (Ed.). Language in Education: Collected Works of J.R. Martin, Volume 7. Shanghai: Shanghai Jiao Tong University Press, 2012. p. 08-59.

SILVA, W. R. Considerações sobre contexto de cultura na Linguística Sistêmico-Funcional. In: XVII Congresso Internacional da Associação de Linguística e Filologia da América Latina – ALFAL. João Pessoa: Idéia, 2014. p. 1991-2003.

_____. Educação científica como abordagem pedagógica e investigativa de resistência. Palmas: Universidade Federal do Tocantins, 2020.

_____. Educação científica como estratégia pedagógica para formação de professoras. Veredas - Revista de Estudos Linguísticos. Juiz de Fora: UFJF, v.23, n. 2, p. 144-161, 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v20i1.1850

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

                                                   

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________