TRABALHO DIDÁTICO COM TEXTO LITERÁRIO E VISIBILIDADE AFRO-LATINA NAS AULAS DE E/LE: REFLEXÕES SOBRE NOSSA EXPERIÊNCIA NO IFRJ

Paula Fernanda Vicente Rosa

Resumo


Resumo: O ensino de Espanhol como Língua Estrangeira (E/LE) ministrado na esfera da Educação Profissional e Tecnológica (EPT) é particularmente atravessado por visões restritas acerca de suas finalidades. Somado a isso, temos uma educação fortemente marcada pelo racismo epistêmico e pela naturalização das vozes dominantes. No presente artigo, tomaremos como base uma atividade desenvolvida com turmas de 1º ano do Ensino Médio Integrado, do IFRJ, para pensaremos os desafios enfrentados na busca por uma formação humana integral, comprometida com a visibilidade de identidades historicamente secundarizadas. Esta atividade tem como cerne o texto literário e a predominância de mulheres afro-latinas, o que nos levará a questionar sobretudo dois [não] lugares: o [não] lugar da literatura nas aulas de língua espanhola e o [não] lugar das produções de autoria negra. Justificando nossas escolhas para a tarefa, refletiremos sobre descolonização da educação e sobre como a disciplina de E/LE pode contribuir para tal. 


Palavras-chave


Ensino-aprendizagem de Espanhol; Educação Profissional e Tecnológica; Literatura; Autoria Feminina Afro-latina

Texto completo:

PDF

Referências


ALEIXO, I. O que a autobiografia de Angela Davis nos ensina sobre racismo epistêmico no Brasil? Portal Geledés, 2019. Disponível em: https://www.geledes.org.br/ Acesso em: 29 mar. 2020

ARROYO, M. G. Operários e educadores se identificam: que rumos tomará a educação brasileira? Educação e Sociedade, Campinas, v.2, n. 5, p. 5-23, jan. 1980.

BARRÓN, J. Victoria Santa Cruz: con este meneo no hay quien me queme. Cosas Disponível em https://cosas.pe/ Acesso em: 19 mai. 2020.

BRASIL. Diretrizes Curriculares nacionais para Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e de Cultura Afro-brasileira e Africana. Brasília: MEC, 2004.

___________. Lei 10.639 de 9 de janeiro de 2003. D.O.U. de 10 de janeiro de 2003.

___________. Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasil: MEC, 2006.

___________. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental. Língua Estrangeira. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL, M. Superar as diferenças para encontrar-se no outro. Anuario brasileño de estudios hispánicos. Madrid: Embajada de España en Brasil, n. 1 p. 19-24 abr. 2007.

CRUZ, Victoria Santa. Me gritaron negra. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=cHr8DTNRZdg Acesso em: 30 mar. 2020

___________. “Black and Woman”: entrevista com Victoria Santa Cruz realizada pela Odin Teatre. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2020.

ESTEBAN, Maria Teresa. Educação popular: desafios à democratização da escola pública. Caderno Cedes, Campinas, vol. 27, n 71, p.9-17, jan./abr. 2007. Disponível em https://www.cedes.unicamp.br Acesso em: 29 abr. 2020

FERRREIRA, R. A. A importância de Victoria Santa Cruz na construção da identidade da mulher negra. Jornal da USP/ Rádio USP, 2016. Disponível em: https://jornal.usp.br/ Acesso em: 10 de abr. 2020.

FRIGOTTO, G; CIAVATTA, M. Educar o trabalhador cidadão produtivo ou o ser humano emancipado? In: FRIGOTTO, G; CIAVATTA, M. (orgs.). A formação do cidadão produtivo: a cultura de mercado no Ensino Médio Técnico. Brasília: INEP. 2006, p. 45-60. Disponível em: https://www.scielo.br/ Acesso em: 29 de abr. 2020.

FUNDAÇÃO PALMARES. Diáspora africana, você sabe o que é? Disponível em: http://www.palmares.gov.br/?p=53464 Acesso em: 30 mar. 2020.

GOMES, M. V. “Desaparecimento artificial”: entrevista com Miriam Victoria Gomes. In: MORAES, M. Estrangeiros no próprio país: a história dos afro-argentinos. Portal Geledés. 2015. Disponível em: https://www.geledes.org.br/ Acesso em: 29 mar. 2020.

GOMES, N. L. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. 1ª ed. Petrópolis: Vozes, 2017.

hooks, bell. Olhares Negros: raça e representação. Trad. Stephanie Borges. 1ª ed. São Paulo: Elefantes, 2019.

JOZEF, B. Brasil e América Latina: práticas culturais e considerações sobre o ensino de espanhol. Anuario brasileño de estudios hispánicos. Madrid: Embajada de España en Brasil, n. 1 p. 11-18 abr. 2007.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. 1ª ed. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LANDES, Ruth. Epígrafe. In: JOZEF, B. Brasil e América Latina: práticas culturais e considerações sobre o ensino de espanhol. Anuario brasileño de estudios hispánicos. Madrid: Embajada de España en Brasil, n. 1 p. 23 abr. 2007.

MORAES, M. Estrangeiros no próprio país: a história dos afro-argentinos. Portal Geledés. 2015. Disponível em: https://www.geledes.org.br/ Acesso em: 29 mar. 2020

MARTINS, Vinícius. Gritaram-me negra: a vida e a arte de Victoria Santa Cruz. Jornal Alma Preta Online, 2017. Disponível em: https://www.almapreta.com/ Acesso em 29 abr. 2020.

PACHECO, E. M.; PEREIRA L. A. C.; SOBRINHO, M. D. Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: limites e possibilidades. Linhas Críticas, Brasília, DF, vol. 16, n. 30, p. 71-88, jan./jun. 2010.

PARAQUETT, M. Prefácio. In: ZOLIN-VESZ, Fernando (org.). A (In)visibilidade da América Latina na formação do professor de espanhol. Campinas: Pontes Editores, 2013, p. 9-12.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? 1ª ed. Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

SANTOS, A. C. El texto literario y sus funciones en la clase de E/LE: de la teoría a la práctica. Anuario brasileño de estudios hispánicos. Madrid: Embajada de España en Brasil, n. 1 p. 33-46 abr. 2007.

SANTOS, M. C. Políticas do corpo na prosa de Cristiane Sobral. In: ___________. Intelectuais Negras: prosa negro-brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Malê, 2018, p. 159-225.

___________ . A Literatura enquanto espaço de luta. In: SANTOS, M. C. Intelectuais Negras: prosa negro-brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Malê, 2018, p. 227-234.

SHIROMA, E.; LIMA FILHO, D. L. Trabalho docente na Educação Profissional e Tecnológica e no Proeja. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 32, n. 116, p. 725-743, jul-set. 2011.

SOBRAL, Cristiane. “Quem não se afirma não existe”: entrevista com Cristiane Sobral. In: FREDERICO, Graziele; MOLLO, Lúcia Tormin; DUTRA, Paula Queiroz. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Brasília, n. 51, maio/ago. 2017, p. 254-258.

ZOLIN-VESZ, F. Apresentação. In: ZOLIN-VESZ, F. (org.). A (In)visibilidade da América Latina na formação do professor de espanhol. Campinas: Pontes Editores, 2013, p. 13-16.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v20i2.1837

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

 

 

                                               

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________