O PROJETO DE CURSO EM DEBATE A PARTIR DE FALAS DE PROFESSORES DA LICENCIATURA EM ESPANHOL DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA

Antonio Ferreira da Silva Júnior, Gretel Eres Fernández

Resumo


Neste artigo refletimos sobre os cursos de Licenciatura em Letras/Espanhol nos Institutos Federais como uma política de expansão do ensino superior brasileiro (OTRANTO, 2013; SILVA JÚNIOR, 2016). Para isso, empregamos o grupo de discussão como estratégia metodológica para pensar o projeto de curso do Instituto Federal de Brasília (IFB), tomado como recorte. Demos voz aos sujeitos e analisamos suas falas para levantar imagens de docência predominantes em suas concepções de trabalho. Definimos o grupo de discussão (ARANTES; DEUSDARÁ, 2017; GATTI, 2012) como importante procedimento e instrumento de geração de dados sobre formação de professores, tornando os participantes peças fundamentais do processo histórico de implantação e continuidade do curso em pauta. Os dados gerados revelam sentidos construídos para a inserção dessa Licenciatura no IFB, a contratação de professores formadores, a pouca experiência dos docentes no ensino superior e concepções de trabalho com a língua no projeto de curso.


Palavras-chave


Licenciatura. Grupo de discussão. Falas. Formação de professores. Língua espanhola.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, P.; DEUSDARÁ, B. Grupo focal e prática de pesquisa em Análise do Discurso: metodologia em perspectiva dialógica. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v.25, n.2, p. 791-814, 2017.

BONFIM, M. I. (coord.). A formação docente nos centros federais de educação tecnológica: diagnóstico sobre a oferta das licenciaturas nos CEFETS. Brasília: MEC/SETEC, 2004.

BRASIL. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. 2002a. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. CNE. Resolução CNE/CP 1/2002. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de abril de 2002. Seção 1, p. 31. Republicada por ter saído com incorreção do original no D.O.U. de 4 de março de 2002. Seção 1, p. 8. Disponível em: . Acesso em 25 fev. 2020.

______. Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002. 2002b. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, deformação de professores da Educação Básica em nível superior. CNE. Resolução CNE/CP2/2002. Diário Oficial da União, Brasília, 4 de março de 2002. Seção 1, p. 9. Disponível em: . Acesso em 25 fev. 2020.

______. Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino da língua espanhola. Disponível em: . Acesso em 27 fev. 2020.

______. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional Científica e Tecnológica e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo. Brasília, DF, 30 dez. 2008, Seção 1, p. 1. Disponível em: . Acesso em 25 fev. 2020.

______. Resolução CNE/CP 2/2015, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: . Acesso em 25 fev. 2020.

______. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho de 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1 de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União. Brasília, 17 de fevereiro de 2017. Seção 1, p. 1. Disponível em: . Acesso em 27 fev. 2020.

DOURADO, L. F. Formação de profissionais do magistério da educação básica: novas diretrizes e perspectivas. Comunicação & Educação, v. I, p. 27-39, 2016.

FRANCO, M. S. D. P.; MOROSINI, M. C. Marcos Regulatórios e arquiteturas acadêmicas na expansão da educação superior brasileira: movimentos indutores. Revista Educação em Questão. UFRN, Programa de Pós-Graduação em Educação, Natal, RN: EDUFRN, v. 42, n. 28, p. 175-198, jan./abr, 2012.

GATTI, B. Grupo focal na pesquisa em Ciências sociais e humanas. Brasília: Liber Livro Editora, 2012.

IF BRASÍLIA. Projeto Pedagógico do curso de Licenciatura em Letras Espanhol. 2016. Disponível em: < https://www.ifb.edu.br/attachments/article/10765/PPC%20LICENCIATURA%20EM%20LETRAS%20ESPANHOL%20vers%C3%A3o%203200hs%20(1).pdf>. Acesso em: 28 fev. 2020.

MACEDO, J. M. A mundialização do capital e seus reflexos nas políticas de formação de professores no período 1990-2010. 2011. 494p. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ.

MARIANI, B.; MEDEIROS, V. Disciplinarização dos estudos em Análise do Discurso. Gragoatá, Niterói, n. 34, p. 15-25, jan.-jun, 2013.

OTRANTO, C. R. Criação e implantação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia – IFETs. Revista Retta, v. 1, n. 1, Seropédica, RJ, p. 89-108, jan/jun, 2010.

______. A reforma da educação profissional e seus reflexos na educação superior. Revista Temas em Educação, v. 22, n. 2, João Pessoa, p. 122-135, jul-dez, 2013.

OTRANTO, C. R.; PAIVA, L.D.C. Contextos identitários dos Institutos Federais no Brasil: implicações da expansão da educação superior. Educação e Fronteiras On-Line, Dourados/MS, v. 6 n.16, p.07-20, jan./abr, 2016.

PACHECO, E. M. Os Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Natal: IFRN, 2010.

PEREIRA, L. A. C. A formação de professores e a capacitação de trabalhadores da Educação Profissional e Tecnológica. In: INEP/MEC. Arquivos. Brasília, 2004. Disponível em: . Acesso em 16 jan. 2020.

SILVA JÚNIOR, A.F. Cursos Superiores da área de Linguagens no cenário dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Anais Colóquio Internacional Educação, Cidadania e Exclusão: didática e avaliação. Campina Grande: Realize, v. 1. p. 1-12, 2015.

______. Cursos de Licenciatura em Letras/Espanhol nos Institutos Federais: percurso histórico e narrativas de professores formadores. In: SILVA JÚNIOR, A.F.; SANTOS, R.C. (Orgs.). Retratos de cursos de Licenciatura em Letras/ Português-Espanhol. Curitiba: Editora Appris, 2016, p. 39-149.

SIQUEIRA, A. C. Organismos internacionais, gastos sociais e reforma universitária do Governo Lula. In: NEVES, L.M.W. (Org.). Reforma universitária do Governo Lula: reflexões para o debate. São Paulo, SP: Xamã, 2004, p. 47-72.

TELLES, J. A. A trajetória narrativa: histórias sobre a prática pedagógica e a formação do professor de línguas. In: GIMENEZ, T. (org.) Trajetórias na formação de professores de línguas. Londrina: Editora UEL, 2002, p. 15-38.

VEIGA, I.P.A. Projeto político pedagógico da escola: Uma construção coletiva. In: ___. (Org.) Projeto político-pedagógico da escola: Uma construção possível. 13ª ed. Campinas: Papirus, 2001, p. 11-35.

VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Teoria e prática na formação pré-serviço do professor de língua estrangeira. In: GIMENEZ, Telma (org.). Trajetórias na formação de professores de línguas. Londrina: Ed. UEL, 2002, p. 59-78.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v20i2.1829

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

 

 

                                               

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________