REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE ALUNOS ACERCA DA REDAÇÃO DO ENEM: PRÁTICAS DE ENSINO DE ESCRITA DE UM INSTITUTO FEDERAL

Cláudia Cândido da Silva, Carmen Teresinha Baumgärtner

Resumo


A redação do ENEM é um desafio a ser enfrentado pelos alunos concluintes do Ensino Médio que almejam ingressar em cursos superiores. E na rede federal de ensino, preocupa-se com a formação de cidadãos críticos e reflexivos, munindo os discentes de todas as ferramentas possíveis para que eles ingressem no ensino superior.  Assim sendo, este artigo analisamos as representações sociais que alunos do 3º ano do Curso de Informática Integrado ao Ensino Médio de um campus do Instituto Federal do Paraná (IFPR) produzem acerca da redação do ENEM e também descrevemos algumas práticas de ensino de escrita adotadas nessa instituição de ensino. A fundamentação teórica está pautada na Teoria Dialógica do Discurso e na Teoria das Representações Sociais. Metodologicamente, trata-se de um estudo qualitativo, inserido no campo da Linguística Aplicada. Os resultados parciais apontam que, para os alunos, há fórmulas mágicas que asseguram o êxito na escrita da redação do ENEM.

Palavras-chave


Redação do ENEM; Representações Sociais; Ensino; Instituto Federal.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, I. Avaliação da produção textual no ensino médio. In: BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. (Orgs.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006, p. 163-179.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 6.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011[1952-1953].

BAUMGÄRTNER. C. T. Aspectos constitutivos da história do ensino de língua portuguesa no oeste do Paraná (1960-1979). Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem), Universidade Estadual de Londrina, Londrina - PR, 2009.

BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

BRAIT, B. Alguns pilares da arquitetura bakhtiniana. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. 5.ed. São Paulo: Contexto, 2017, p. 7-10.

CHIAPPINI, L. Aprender e ensinar com textos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

COSTA -HÜBES, T. C. A pesquisa em ciências humanas sob um viés bakhtiniano. Revista Pesquisa Qualitativa. São Paulo (SP), v. 5, n. 9, p. 552-568, dez. 2017.

FARACO, C. A. Linguagem & Diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GERALDI, J. W. (org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Anglo, 2012 [1984].

GUARESCHI, P. A. Apresentação à edição brasileira. In: MOSCOVICI, S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Tradução de Sonia Fuhrmann. Petrópolis: Vozes, 2012[1961], p. 7-8.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, De. As representações sociais. Tradução de Lilian Ulup. Rio de Janeiro: Eduerj, 2001[1989], p. 17-44.

KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. 5° ed. – São Paulo: Cortez, 2006.

MESERANI. S. O intertexto escolar: sobre leitura, aula e redação. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MOITA LOPES, L. P. da. Oficina de lingüística aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado de Letras, 1996.

MOITA LOPES L. P. (Org). Por uma Lingüística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

MOSCOVICI, S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Tradução de Sonia Fuhrmann. Petrópolis: Vozes, 2012[1961].

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2015[2003].

NOGUEIRA, S. dos S. Representações de alunos do Ensino Médio sobre o processo de ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

OLIVEIRA, F. C. C. de. Um estudo sobre a caracterização do gênero redação do ENEM. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Fortaleza - CE, 2016.

PAULINELLI, M. de P. T.; FORTUNATO, G. C. A redação do Enem à luz dos gêneros discursivos e textuais. RevLet – Revista Virtual de Letras, v. 08, n. 1, p. 282-299, jan/jul. 2016.

RODRIGUES, P. C. A produção textual no ensino médio: os documentos oficiais de ensino, o livro didático e a prova de redação do Enem. Tese (Doutorado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

ROJO, R.; CORDEIRO, G. S. Apresentação: gêneros orais e escritos como objetos de ensino – modo de pensar, modo de fazer. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 7-18.

SANTOS, V. M. A. O Enem e(m) representações sociais de alunos da 3ª série do Ensino Médio de uma cultura escolar local. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Estadual do Oeste da Bahia, Vitória da Conquista, Bahia, 2017.

SOARES, M.B. A redação do vestibular. Cadernos de Pesquisa, n. 24. Fundação Carlos Chagas, 1978. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1703. Acesso em: 30 jan. 2020.

VOLÓCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução de Sheila Grilo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2017[1929].




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v20i2.1818

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

 

 

                                               

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________