PRÁTICAS DE LEITURA E DE ESCRITA NO IFG: DA PONTA DO LÁPIS AOS MULTILETRAMENTOS

Dalva Ramos de Resende Matos, Pauliana Duarte Oliveira, Selma Zago da Silva Borges

Resumo


Além da missão de qualificar profissionais para os diversos setores da economia, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia também primam pela formação de sujeitos críticos e reflexivos, proporcionando aos/às estudantes eventos de letramentos, com vistas ao exercício pleno da cidadania. Nessa perspectiva, este trabalho visa socializar um relato de experiência referente ao Projeto de Ensino Multiletramentos, desenvolvido no Instituto Federal de Goiás – Câmpus Itumbiara, nos quatro últimos anos. Tal projeto didático-pedagógico, de caráter interdisciplinar, tem como principal propósito contribuir com a aprendizagem de leitura e de escrita dos alunos do ensino médio integrado ao técnico em regime integral da Rede Federal, a partir de práticas baseadas, principalmente, na teoria bakhtiniana dos gêneros do discurso e na Pedagogia dos Multiletramentos. Dados os resultados positivos alcançados com essa experiência, espera-se que este trabalho possa contribuir com a discussão em prol de uma educação linguística no âmbito da Rede Federal.

 


Palavras-chave


Leitura; Escrita; Gêneros do discurso; Multiletramentos; Interdisciplinaridade

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN. M. M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BORGES, S. Z. da S. A escrita da escrita em (d)enunciação no espaço sócio-escolar: um espaço (em vão) para a (cri)atividade escrita. 2015. 312 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.

BRASIL. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2020.

______. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. PCN + Ensino médio: orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC, 2002. 244p. Disponível em:

pdf/linguagens02.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2016.

CASSANY, D. Tras las líneas: sobre la lectura contemporánea. Barcelona: Anagrama, 2006.

COSSON, R. Letramento literário: uma localização necessária. In: Letras & Letras. v. 31, n. 3, p. 173-187, jul. 2015. Disponível em:< http://www.seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/30644>. Acesso em: 04 abr. 2020.

HAMILTON, M. Sustainable literacies and the ecology of lifelong learning. In: HANSON, A.; CLARKE, J. (Org.) Supporting lifelong learning, V.1: Perspectives on Learning. Routledge/Open University Press, 2002, p. 176-187.

HEATH, S. B. What no bedtime story means: narrative skills at home and school. Language and Society, 11, 1, p. 49-76, abr. 1982.

KLEIMAN, A. B. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1995.

KLEIMAN, A. B.; ASSIS, J. A. (Org.). Significados e ressignificações do letramento: desdobramentos de uma perspectiva sociocultural sobre a escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2016.

LEMKE, J. L. Letramento metamidiático: transformando significados e mídia. Revista Trabalhos em Linguística Aplicada, 49, 2, p. 455-479, jul. 2010. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0103-18132010000200009&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 24 maio 2020.

LÓPEZ RAMÍREZ, A. Estrategias de lectura: curso de actualización para profesores de español. Maringá: Embajada de España en Brasil, 2006.

OLIVEIRA, N. A. de. Para ler em inglês: desenvolvimento da habilidade de leitura. Belo Horizonte: N. O. S. Tec. Educ. Ltda, 2000.

PAULINO, G. Algumas especificidades da leitura literária. In: PAIVA, A.; MARTINS, A.; PAULINO, G.; VERSIANI, Z. (Org.). Leituras literárias: discursos transitivos. Belo Horizonte: Autêntica, 2005, p. 55-68.

ROJO, R. H. R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

______. Entre Plataformas, ODAs e Protótipos: Novos multiletramentos em tempos de WEB2. The Especialist, v. 38, n. 1, p. 1-20, jan./jul. 2017. Disponível em:< https://revistas.pucsp.br/esp/article/view/32219/23261>. Acesso em: 15 abr. 2020.

______; BARBOSA, J. P. (Org.) Hipermodernidade, multiletramentos e gêneros discursivos. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

SAITO, F. S.; SOUZA, P. N. (Multi)letramento(s) digital(is): por uma revisão de literatura crítica. Linguagens e diálogos, v. 2, n. 1, p. 109-143, 2011.

SOARES, M. B. Letramento e escolarização. In: RIBEIRO, V. M. (Org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Global, 2003, p. 89-113.

______. Letramento: um tema em três gênero. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

______. Alfabetização e literatura. Revista Educação. Guia da Alfabetização, São Paulo, Editora Segmento, n. 2, p. 12-29, 2010.

______. Letramento. In: FRADE, I. C. A.; COSTA VAL, da G.; BREGUNCI, M. G. C. (0rg.). Glossário Ceale: termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2014. Disponível em:< http://www.ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/letramento>. Acesso em: abr. de 2020.

STREET, B. V. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

______; CASTANHEIRA, M. L. In: FRADE, I. C. A.; COSTA VAL, da G.; BREGUNCI, M. G. C. (0rg.). Glossário Ceale – Termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2014. Disponível em:

VIANNA, C. A. D.; SITO, L.; VALSECHI, C. M.; PEREIRA, S. L. M. Do letramento aos letramentos: desafios na aproximação entre letramento acadêmico e letramento do professor. In: KLEIMAN, A. B.; ASSIS, J. A. (Org.). Significados e ressignificações do letramento: desdobramentos de uma perspectiva sociocultural sobre a escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2016, p. 27-59.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v20i2.1813

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

 

 

                                               

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________