NOVOS MODOS DE ESCRITA: ALFABETIZAÇÃO SEM ESCRITA CURSIVA

Sinval Martins de Sousa Filho, Pedro Henrique da Silva

Resumo


No presente estudo, visando contribuir com a reflexão sobre a aquisição da escrita na atualidade, apresentamos uma discussão sobre a alfabetização apenas na tela do computador, sem o uso de letra cursiva. Também, discorremos sobre o potencial dos recursos tecnológicos como ferramentas de letramento que podem contribuir para extrapolar a dimensão técnica e instrumental do puro domínio do sistema de escrita (Soares, 2020a). Objetivamos demonstrar como as escolas brasileiras lidam com o referido tema. Para a reflexão proposta, mobilizamos autores como Chartier (2010), Pierre Lévy (1998), Soares (2020a) e De Lemos (1998) e tratamos das categorias técnicas de escrita, letramento digital, cibercultura e formação do sujeito na aquisição da escrita. Nossa metodologia centra-se na pesquisa bibliográfica. Os resultados demonstram que a alfabetização pela via da escrita cursiva não pode ser de imediato abandonada, mas tudo indica que ela deve ocorrer em paralelo com as atividades de alfabetização no computador.


Palavras-chave


Aquisição da escrita; escrita digital; escrita cursiva.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTON, D. & HAMILTON, M. Local Literacies: Reading and writing in one community. London, Routledge, 1998. 299p.

BERNADES, Fábia Ferreira. Alfabetização na concepção das professoras dos anos iniciais do ensino fundamental. (Dissertação) UFRS, 2013. 101f. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.

BIBIANO, Bianca. Na Finlândia, escolas trocam letra de mão por digitação. 18 dez. 2014 Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.

BRAGGIO, Silvia Lúcia Bigonjal. Aquisição da linguagem escrita no ambiente social e sua relação com o processo de alfabetização. Letras em Revista. v. 1, n. 3/4, p. 251-301 Goiânia, Ed. UFG, 1990.

BRAGGIO, Silvia Lúcia Bigonjal. Leitura e alfabetização: da concepção mecanicista à sociopsicolinguística. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992. 102p.

BRAGGIO, Silvia Lucia Bigonjal. Linguística e ensino: do virtual ao real. In: Fernandes, Eliane Marquez da Fonseca e Sousa Filho, Sinval Martins de. Leitura: Ações de Mediação Pedagógica,. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015. p. 137-148.

CHAO, Maíra Lie. Caligrafia em Extinção. 01 jan. 2012. Disponível em: < http://www.revistaplaneta.com.br/caligrafia-em-extincao/>. Acesso em: 26 fev. 2020.

CHARTIER, R. Escutar os mortos com os olhos. Estudos Avançados, 2010, 24(69), 6-30. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.

DE LEMOS, C. T. G. Sobre a aquisição da escrita: algumas questões. In: ROJO, R. (Org.). Alfabetização e letramento: perspectivas linguísticas. Campinas/SP: Mercado de Letras, 1998. p. 13-32.

FÉVRIER, James G. Histoire de l’écriture. Paris: Payot, 1948. 615p.

GONÇALVES, Daniel. A origem do alfabeto cursivo. 05 mai. 2011. Disponível em: . Acesso em 26 fev. 2020.

GUIMARÃES, Juliana Oliveira e SILVA, Sérgio Antônio. Design e educação: uma estratégia interdisciplinar para a escrita manual cursiva na era dos nativos digitais. In 12º P & D 2016 Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Desing, 2016, Anais do 12º P&D, Belo Horizonte, 2016, p. 2785-2794.

HENNELLY, William. The return of cursive writing: master stroke or exercise in nostalgia? Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Tradução de Carlos Irineu Da Costa. São Paulo: Editora 34, 1998. 208p.

LIBÂNEO, J. C. et al. Concepções e práticas de ensino num mundo em mudança: diferentes olhares para a Didática. Goiânia/ Ceped: Ed. PUC Goiás, 2011. 206.p

MAGALHÃES, Justino. Cinco questões a Roger Chartier. Tradução de Mariana Gomes da Costa. Cadernos de História da Educação – v. 13, n. 2 – jul./dez. 2014. p. 419-422.

MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5ª edição. São Paulo: Atlas, 2003. 368p.

MATTHEWS, Karen. Cursive is making a comeback in American elementary schools. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.

PADGURSCHI, Diego. Escolas já começam a alfabetizar crianças ‘com letras da internet’. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.

PEDROZA, Natan e NICOLAU, Marcos. Toque na tela: a revolução da tecnologia Touchscreen nas Mídias Móveis. Ano XI, n. 11. Novembro/2015. NAMID/UFPB Disponível em: < http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/tematica >. Acesso em 26 fev. 2020.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. Organizado por Charles Bally e Albert Sechehaye. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. 25 ed. , 278p..São Paulo: Cultrix, 1996.

AUTOR 2 (2018).

SOARES, Magda Becker. Novas práticas de leitura e escrita; letramento na cibercultura. Revista Educação e Sociedade. Campinas, v. 23, n. 81, p. 143-160, dez. 2002. Disponível em Acesso em 26 fev. 2020a.

SOARES, Magda Becker. Magda Soares responde. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020b.

AUTOR 1 (2009).

AUTOR 1 e AUTOR 2 (2017).

YOW, Chris. State law will require schools to teach cursive writing. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v20i2.1801

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

 

 

                                               

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________