LEITURA E PRODUÇÃO DE SENTIDOS EM CHARGES MEDIADAS PELO WHATSAPP NO ENSINO FUNDAMENTAL

Benedito Bezerra, Edivania Helena Nunes, Maria Ladjane dos Santos Pereira

Resumo


O intenso uso de aplicativos digitais por jovens e adolescentes levantam a pergunta por sua potencialidade em promover o ensino de leitura em aulas de Língua Portuguesa. O WhatsApp, particularmente, se destaca por ser um recurso a que a maioria dos estudantes, em diferentes níveis de ensino, tem acesso e usa cotidianamente. Assim, nesta pesquisa, enfocamos a leitura de charges em uma turma de 9º ano do Ensino Fundamental, com o objetivo de investigar em que aspectos o trabalho com o gênero, veiculado pelo WhatsApp, poderia contribuir para o ensino da leitura. Os resultados mostraram avanços na leitura dos educandos, em suas práticas de multiletramentos, no desenvolvimento do senso crítico e no uso de diferentes formas de linguagem requeridas pelo ambiente digital.

Palavras-chave


Charge. Gênero. Leitura. WhatsApp.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BARTON, David; LEE, Carmen. Linguagem online: textos e práticas digitais. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

BAWARSHI, Anis S.; REIFF, MARY Jo. Gênero: história, teoria, pesquisa, ensino. Tradução Benedito Gomes Bezerra. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

BAZERMAN, Charles. Gênero, agência e escrita. São Paulo: Cortez, 2006.

BAZERMAN, Charles. Gêneros textuais, tipificação e interação. 2. ed. São Paulo: Cortez. 2011.

BERKENKOTTER, Carol; HUCKIN, Thomas N. Genre knowledge in disciplinary communication: cognition, culture, power. Hillsdale: NJ Erlbaum, 1995.

BEZERRA, Benedito Gomes. Gêneros textuais em suporte digital: os gêneros do Orkut. In: BEZERRA, Benedito G.; MEDEIROS, Mário (Orgs.). Educação, linguagem e ciência: práticas de pesquisa. Recife: Edupe, 2009. p. 115-130.

CAVALCANTI, Maria Clara Catanho. Multimodalidade e argumentação na charge. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Pernambuco. Recife: UFPE, 2008.

COSCARELLI, Carla Viana (Org.). Tecnologias para aprender. São Paulo: Parábola editorial, 2016.

GERALDI, João Wanderley (Org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Anglo, 2012.

KOCH, Ingedore; ELIAS, Vanda Maria. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006.

KRESS, Gunther; VAN LEEUWEN, Theo. Reading images: the grammar of visual design. London/New York: Routledge, 1996.

LÊDO, A. C. O. A centralidade da leitura e da escrita na interação via Orkut. In: BEZERRA, Benedito G. (Org.). Leitura e escrita na interação virtual. Recife: EDUPE, 2011. p. 45-60.

LÉVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 2011.

MILLER, Carolyn R. Gênero textual, agência e tecnologia. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

NONATO, Emanuel do Rosário Santos. A formação do hiperleitor: características do processo de desenvolvimento da autonomia e emancipação crítica do aluno-hiperleitor. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado da Bahia. Salvador: UNEB, 2006.

RIBEIRO, Ana Elisa. Seis clichês e uma sugestão sobre a leitura na web. Revista Linguagem em (Dis)curso. Palhoça, SC, v. 9, n. 3, p. 585-602, set./dez. 2009.

ROJO, Roxane Helena; MOURA, Eduardo (Orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v20i2.1795

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

 

 

                                               

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________