DESENVOLVIMENTO DA CONSCIÊNCIA METATEXTUAL SOBRE A ESTRUTURA TÓPICA DO PARÁGRAFO

Marcus Vinicius Brotto de Almeida

Resumo


A organização tópica é um fenômeno integrante do conhecimento linguístico relacionado à distribuição das informações num texto. O principal objetivo desta pesquisa é oferecer uma abordagem didática para desenvolver a consciência metatextual nos alunos sobre a estrutura tópica do parágrafo argumentativo. Para alcançar esse objetivo, inicialmente, produziu-se uma unidade didática com atividades baseadas em operações metalinguísticas – identificação dos parâmetros, comparação entre estruturas bem e malformadas, produção e correção de falhas (GERHARDT, 2016) – e fornecimento de conhecimento metaestratégico relacionado aos processos da escrita. Em seguida, aplicou-se o material a alunos, para verificar o efeito da unidade didática na percepção da organização tópica, na produção textual e na experiência de usar a metodologia na sala de aula. Concluiu-se que a eficácia da unidade didática não pôde ser avaliada devido ao desengajamento dos alunos para realizar as operações metalinguísticas e empregar as estratégias de composição.

Palavras-chave


Estrutura tópica. Parágrafo. Desenvolvimento metalinguístico. Escrita. Ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. O redator estrategista: uma proposta metacognitiva para o ensino da organização tópica do parágrafo argumentativo. Rio de Janeiro, 2017. 305f. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

BROWN, G.; YULE, G. Discourse analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

BRUNING, R.; KAUFFMAN, D. Self-efficacy beliefs and motivation in writing development. In: MacARTHUR, C.; GRAHAM, S.; FITZGERALD, J. (Ed.) Handbook of writing research: second Edition. New York: Guilford, 2016, p. 160-173.

CAMPS, A.; MILIAN, M. Metalinguistic activity in learning to write: an introduction. In: CAMPS, A.; MILIAN, M. (Ed.). Metalinguistic activity in learning to write. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2000, p. 01-28.

DOOLEY, R.; LEVINSOHN, S. Analyzing discourse: a manual of basic concepts. Dallas, Texas: SIL International, 2001.

EGGINS, S. An introduction to systemic functional linguistics. 2nd ed.Continuum: New York / London, 2004.

FERREIRA, A.; SPINILLO, A. Desenvolvendo a habilidade de produção de textos em crianças a partir da consciência metatextual. In: MALUF, M. (Org.). Metalinguagem e aquisição da escrita. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003, p. 119-148.

FIGUEIREDO, L. A redação pelo parágrafo. Brasília: Universidade de Brasília, 1999.

FLAVELL, J. Metacognition and cognitive monitoring: a new area of cognitive-developmental inquiry. American psychologist. vol. 34. n. 10, p. 906-911, 1979.

GARCIA, O. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever, aprendendo a pensar. 24. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004 [1967].

GERHARDT, A. As identidades situadas, os documentos curriculares e os caminhos abertos para o ensino de língua portuguesa no Brasil. In: GERHARDT, A.; AMORIM, M.; CARVALHO, A. (Org.). Linguística aplicada e ensino: língua e literatura. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013, p. 77-113.

GERHARDT, A. O conhecimento metalinguístico, os enquadramentos da construção dos significados nos textos e o ensino de língua portuguesa. Alfa. n. 59. v. 2. São Paulo: UNESP, 2015, p. 231-253.

GERHARDT, A. Ensino de gramática e desenvolvimento metalinguístico: teorias, reflexões e exercícios. Campinas, SP: Pontes, 2016.

GOMBERT, J. Metalinguistic development. New York, London: Harverster-Wheatsheaf, 1992.

GOUTSOS, D. Modeling discourse topic: sequential relations and strategies in expository text. Ablex: Nerwood, New Jersey, 1997.

HACKER, D.; KEENER, M.; KIRCHER, J. Writing is applied metacognition. In: HACKER, D., DUNLOSKY, J., GRAESSER, A. (Ed.). Handbook of metacognition in education. New York: Routledge, 2009, p. 154-172.

HAYES, J.; FLOWER, L. Identifying the organization of writing processes. In: GREGG, L.; STEINBERG, E. (Ed.). Cognitive processes in writing. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 1980, p. 03-30.

HAYES, J. A new framework for understanding cognition and affect in writing. In: LEVY, C.; RANSDELL, S. (Ed.). The science of writing: theories, methods, individual differences, and applications. Mahwah, NJ: Erlbaum, 1996, p. 01-27.

HIDI, S.; BOSCOLO, P. (Ed.). Writing and motivation. Amsterdam: Elsevier, 2007.

KELLOGG, R. The psychology of writing. New York: Oxford University Press,1994.

LAUTAMATTI, L. Observations on the development of the topic in simplified discourse. In: ENKVIST, N.; KOHONEN, V. (Ed.). Text linguistics, cognitive learning and language teaching. Helsinki: Akateeminen kirjakauppa, 1978, p. 71-104.

LIBERATO, Y.; FULGÊNCIO, L. É possível facilitar a leitura: um guia para escrever claro. São Paulo: Contexto, 2007.

MacARTHUR, C.; GRAHAM, S. Writing research from a cognitive perspective. In: MacARTHUR, C.; GRAHAM, S.; FITZGERALD, J. (Ed.) Handbook of writing research: second edition. New York: Guilford, 2016, p. 24-40.

MARTIN, J.; ROSE, D. Working with discourse: meaning beyond the clause. 2nd ed. New York: Continuum, 2007.

McCORMICK, C. Metacognition and learning. In: REYNOLDS, W.; MILLER, G. (Ed.). Handbook of psychology: educational psychology. vol. 7. Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons, 2003, p. 79-102.

McCUTCHEN, D.; TESKE, P.; BANKSTON, C. Writing and cognition: implications of the cognitive architecture for learning to write and writing to learn. In: BAZERMAN, C. (Ed.). Handbook of research on writing: history, society, school, individual, text. New York: Taylor & Francis Group, 2008, p. 554-578.

METCALFE, J. Evolution of metacognition. In: DUNLOSKY, J.; BJORK, R. (Ed.). Handbook of metamemory and memory. New York / Hove: Psychology, 2008, p. 29-46.

NELSON, T.; NARENS, L. Metamemory: a theoretical framework and new findings. In: BOWER, G. (Ed.) The psychology of learning and motivation: advances in research and theory. vol. 26. Academic Press, 1990, p. 125-169.

NELSON, T.; NARENS, L. Why investigate metacognition? In: METCALFE, J.; SHIMAMURA, A. (Ed.). Metacognition: knowing about knowing. Cambridge, MA: MIT Press, 1994, p. 01-25.

PÉCORA, A. Problemas de redação. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999 [1983].

PEREIRA, L. Produção de texto e desenvolvimento metalinguístico: por uma reescrita como escrita. Rio de Janeiro, 2017. 122f. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

PARIS, S. When is metacognition helpful, debilitating, or benign? In: CHAMBRES, P.; IZAUTEM, M.; MARESCAUX, P. (Ed.). Metacognition: process, function and use. Boston: Kluwer, 2002, p. 105-120.

PINTRICH, P. Motivation and classroom learning. In: REYNOLDS, W.; MILLER, G. (Eds.). Handbook of psychology: educational psychology. vol. 7. Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons, 2003, p. 103-122.

RAVID, D.; TOLCHINSKY, L. Developing linguistic literacy: a comprehensive model. Journal of child language, n. 29, p. 417-447, mai. 2002.

SCARDAMALIA, M.; BEREITER, C. Writing. In: DILLON, R.; STERNBERG, R. (Ed.). Cognition and instruction. San Diego, California: Academic Press, 1986, p. 59-81.

SCHWARTZ, B.; PERFECT, T. Introduction: toward an applied metacognition. In: PERFECT, T.; SCHWARTZ, B. (Ed.). Applied metacognition. Cambridge: Cambridge University, 2002, p. 01-11.

SITKO, B. Knowing how to write: metacognition and writing instruction. In: HACKER, D.; DUNLOSKY, J.; GRAESSER, A. (Ed.). Metacognition in educational theory and practice. Mahwah, NJ: Erlbaum, 1998, p. 93-115.

SOARES, M.; CAMPOS, E. Técnica de redação: as articulações linguísticas de pensamento. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1978.

SPINILLO, A.; SIMÕES, P. O desenvolvimento da consciência metatextual em crianças: questões conceituais, metodológicas e resultados de pesquisas. Psicologia: reflexão e crítica, vol. 16. n. 3, p. 537-546, 2003.

SPINILLO, A. A consciência metatextual. In: MOTA, M. (Org.). Desenvolvimento metalinguístico: questões contemporâneas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009, p. 77-113.

TORRANCE, M.; GALBRAITH, D. The processing demands of writing. In: MacARTHUR, C.; GRAHAM, S.; FITZGERALD, J. (Ed.) Handbook of writing research. New York: The Guilford Press, 2006, p. 67-80.

VAL, M. Redação e textualidade. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

VAN OVERSCHELDE, J. Metacognition: knowing about knowing. In: DUNLOSKY, J.; BJORK, R. (Ed.). Handbook of metamemory and memory. New York / Hove: Psychology, 2008, p. 47-71.

ZIMMERMAN, B.; KITSANTAS, A. A writer’s discipline: the development of self-regulatory skill. In: HIDI, S.; BOSCOLO, P. (Ed.). Writing and motivation. Amsterdam: Elsevier, 2007, p. 51-69.

ZIMMERMAN, B.; RISEMBERG, R. Becoming a self-regulated writer: a social cognitive perspective. Contemporary Educational Psychology, n. 22, p. 73-101, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v20i1.1580

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

 

 

                                               

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________