A COMPREENSÃO E A CONSCIÊNCIA TEXTUAL NO GÊNERO CRÔNICA: UMA PROPOSTA DE ENSINO PARA ALUNOS DO 9° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Patricia de Andrade Neves, Caroline Bernardes Borges, Vera Wannmacher Pereira

Resumo


Este artigo tem como objetivo propor atividades para desenvolvimento da compreensão leitora e da consciência textual no que se refere à coerência – manutenção e progressão temática –, sugeridas a alunos do 9° ano do Ensino Fundamental. Além disso, também é objetivo do estudo analisar as atividades à luz das teorias que as embasam, de modo a contribuir com uma ferramenta para professores de Língua Portuguesa na formação leitora de seus alunos. Para tanto, primeiramente são apresentados os fundamentos teóricos do artigo – compreensão leitora (GOODMAN, 1976; KINTSCH, 1998; COLOMER & CAMPS, 2002); tipo textual narrativo e gênero crônica (ADAM, 2011; CÂNDIDO, 1992); e consciência textual e coerência (GOMBERT, 1992; CHAROLLES, 1978). Logo após, são apresentadas as atividades propostas e suas respectivas análises.


Palavras-chave


Leitura. Narração. Ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, J-M. A Línguística Textual. São Paulo: Cortez, 2011.

BRUNNER, J.S. Actual minds, possible worlds. Cambridge: Harvard University Press, 1986.

CÂNDIDO, A. A Crônica:o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992, 551 p.

CARDOSO, C. J. Da oralidade à escrita: a produção do texto narrativo no contexto escolar. Cuiabá: UFMG; INEP; MEC, 2000.

CHAROLLES, M. Introduction aux problèmes de la cohérence des textes. Paris: Langue Française, 1978.

COLOMER, T. e CAMPS, A. Ensinar a ler, ensinar a compreender. Porto Alegre: Artmed, 2002.

DEHAENE, S. Os neurônios da leitura - como a ciência explica a nossa capacidade de ler. Porto Alegre: Penso, 2012.

FARGONI, A. M. S. L. A manifestação da oralidade na escrita. 1993.

f. Dissetração (Mestrado em) - Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara.

FAYOL, Michel. Le récit et sa construction. Une approche de psychologie cognitive. Neuchâtel: Delachaux & Niestlé, 1985b.

FIX, Ursula. Tipologische Intertextualität - ein "postmodernes" Stilmittel? In: Antos, G.; Tietz, H. (hgg). Die zukunft der textlinguistik. Traditionen Transformationen Trends. Tübingen: Max niemeyer verlagg, 1997. p. 96-108

GOMBERT, J-E. Metalinguistic development. Hertfordshire: Harverster Wheatsheaf, 1992.

GONÇALVES, M.; HENRIQUES, M. Terapia narrativa da ansiedade. Coimbra: Quarteto, 2000.

GOODMAN, K. S. Um jogo psicolinguístico de adivinhação. In: SINGER, Harry; RUDDELL, Robert B. Theoretical models and processes of reading. 2. ed. Newark: International

Reading Association, 1976.

GOODMAN, K. S. Unidade na leitura – um modelo psicolinguístico transacional. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 26, n. 4, p. 9-43, dez. 1991.

KARMILOFF-SMITH, Annette. Language and cognitive processes from a development perspective. In: Language and Cognitive Processes, 1, p. 61-85, 1985.

KATO, M. A. O aprendizado da leitura. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

HOWARD, G. A narrative aproach to thinking, cross-cultural psychology and psychotherapy. American Psychologist, v. 46, n. 3, primavera 1991.

KINTSCH, W. Comprehension: a paradigm for cognition. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

KOCH, I. V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002.

LENT, R. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência. São Paulo: Atheneu: FAPERJ, 2002.

LETRIA, J. Pequeno breviário jornalístico. 2. ed. Lisboa: Notícias Editorial, 2000.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucena, 2003, p. 20-36.

MELO, José Marques de. Aopinião no jornalismo brasileiro. Petrópolis - RJ:

Vozes, 1985.

NEIVA, Érica Michelline Cavalcante.A crônica no jornal impresso brasileiro, 2005.

Disponível em: . Acesso em 10 mai. 2019

NEWMAN, S. D.; JUST, M. A.; MASON, R. Compreendendo o texto com o lado direito do

cérebro: o que os estudos de neuroimagem funcional têm a dizer. In: RODRIGUES, C.; TOMITCH, L. (Orgs.) Linguagem e cérebro humano: contribuições multidisciplinares. Porto

Alegre: Artmed, 2004.

PEREIRA, V. W.; SCLIAR-CABRAL, L. Compreensão de textos e consciência textual - Caminhos para o ensino nos anos iniciais. Florianópolis: Insular, 2012.

POLKINGHORNE, D. P. Narrative psychology. New York: Suny Press, 1988.

SÁ, J. A crônica. São Paulo: Ática, 2002.

SARBIN, T. R. (Org.). Narrative psychology: the storied nature of conduct. New

York: Praeger, 1986.

SCLIAR-CABRAL, L. Processamento bottom-up na leitura. Revista de Estudos Linguísticos Veredas: Psicolinguística. Juiz de Fora: UFJF, v. 12, n. 2, p. 24-33, 2008.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Tipelementos e a construção de uma teoria tipológica geral de textos. São Paulo: Mimeo, 2002.

TUNMER, W.; PRATT, C.; HERRIMAN, M. (Orgs.). Metalinguistic awareness in children: theory, research and implications. Nova York: Springer-Verlag, 1984.

TUZINO, Yolanda Maria Muniz. Crônica: uma intersecção entre o jornalismo e a literatura. In: Biblioteca on-line de ciências da comunicação, 2010.

VAN DIJK, Teun Adrianus. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v19i3.1535

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e repositórios

                                                        

                  

    

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________