VIAGENS NA MINHA TERRA E PETER PAN: A AUTOTEORIZAÇÃO LITERÁRIA E SUAS RELAÇÕES COM O ENSINO

Taciane Ienk, Rosana Apolonia Harmuch

Resumo


Partindo do pressuposto de que o principal conflito no ensino de Literatura no Ensino Médio é o grande enfoque na história da literatura, viu-se a necessidade de pensar o texto literário como protagonista. Entende-se que a abordagem exclusiva da história da literatura diminui a aparição do texto literário nas aulas, o que faz com que os alunos não tenham contato com o objeto de estudo da disciplina de Literatura, a obra literária. Com o intuito de colocar teoria e literatura lado a lado, optou-se por articular o mecanismo de autoteorização. Esse mecanismo visa abordar a teoria a partir das próprias obras literárias. Para explorá-lo foram selecionadas as obras Viagens na minha terra, de Almeida Garrett, e Peter Pan, de James Barrie. Como resultado das reflexões, será discutido de que forma a autoteorização literária contribui com o ensino de literatura no Ensino Médio. Serão utilizados: Culler; Volobuef; Jouve; e as OCEM.

 


Palavras-chave


Autoteorização Literária. Ensino de Literatura. Obra literária

Texto completo:

PDF

Referências


BARRIE, J. M. Peter Pan. Tradução de Julia Romeu. 1ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

BRASIL. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Orientações curriculares para o Ensino Médio, vol. 1. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

CULLER, J. O que é teoria. In: Teoria literária: uma introdução. Tradução de Sandra Vasconcelos. São Paulo: Beca, 1999. P. 11-25.

ECO, U. Seis passeios pelos bosques da ficção. Tradução por Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

GARRETT, A. Viagens na minha terra. Edição dirigida e apresentada por Antônio Soares Amora. Rio de Janeiro: Ediouro; São Paulo: Publifolha, 1997.

JOUVE, V. A leitura. Tradução de Brigitte Hervot. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

MOISÉS, M. Dicionário de termos literários. 12. ed. - São Paulo: Editora Cultrix, 2004.

ROUANET, S. P. (2007). A forma shandiana. Hipertrofia e subjetividade. In: Riso e Melancolia: a forma shandiana em Sterne, Diderot, Xavier de Maistre, Almeida Garrett e Machado de Assis. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, p. 17-33; p. 46-59.

VOLOBUEF, K. Ironia romântica. In: Frestas e arestas. A prosa de ficção do romantismo na Alemanha e no Brasil. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999, p. 90-99.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v19i3.1403

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e repositórios

                                                        

                  

    

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________