ADIVINHAS EM SALA DE AULA: O BRINCAR COMO ESTÍMULO À FORMAÇÃO DE LEITORES

Leidiane Faustino Lima, José Hélder Pinheiro Alves

Resumo


Este artigo é um recorte do relato de experiência parte da pesquisa de Mestrado realizada através do programa de Linguagem e Ensino da UFCG, com o trabalho com adivinhas enquanto expressão da cultura popular numa turma de 6º ano do Ensino Fundamental. A estratégia metodológica que utilizamos foi a leitura em voz alta. Nosso embasamento teórico é embasado nos estudos sobre definições das adivinhas de Cascudo (1984) e Vieira (2012) e Jolles (1930),  Pinheiro (2018) sobre ensino de literatura e Bordini e Aguiar (1988) sobre o método recepcional. Os resultados apontam que não é incomum o contato com o gênero adivinha em determinado momento da infância ou adolescência, desse modo, o uso das sextilhas em sala de aula dá abertura para os alunos expressarem seus culturais em seu convívio social. Além disso,  esse envolvimento significativo dos alunos  nos faz refletir que, por vezes, o próprio texto literário pode ser a motivação necessária para despertar o interesse em sala de aula, tendo o lúdico como fascínio para a literatura.


Palavras-chave


Adivinhas. Folheto de Cordel. Recepção.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, José Hélder Pinheiro. Cordel para crianças: Aspectos temáticos e metodológicos ou um sabiá na sala de aula. In: DEBUS, Eliane;SANTOS, Jilvania Lima dos; BORTOLOTTO Nelita. (org.) Poesia cabe na escola: Por uma educação poética. Campina Grande: EDUFCG, 2018, p.49-66.

BORDINI, Maria da Glória e AGUIAR, Vera Teixeira de. Literatura - a formação do leitor: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

CASCUDO, Luis Câmara. Literatura oral no Brasil. São Paulo: Itatiaia, 1984.

IBIAPINA, Fontes. Terreiro de Fazenda. Teresina: EDUFPI, 2010.

JOLLES, André. A forma simples. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 1930.

MACHADO, Ana Maria. O que é ?. Ilustração: Claudius Secon. Rio de Janeiro: Salamandra, 2000.

PERROTTI, Denise (seleção). O que é o que é?. Ilustração: Eva Furnari. São Paulo: Paulinas, 1982.

PINHEIRO, José Hélder. Ensino e Pesquisa em Literatura de cordel: a experiência do Pos-Le UFCG. In.: PINTO, Francisco Neto Pereira e MELO, Márcio Araújo de. (org) Panorama contemporâneo das pesquisas em ensino de literatura. Campina Grande: EDUFCG, 2016.

SOBRINHO, José Alves. Cantadores, Repentistas e Poetas Populares. Campina Grande: Bagagem, 2003.

VIEIRA, Rui. Dicionário Temático da Poesia Popular Nordestina. Campina Grande: Maxgraf, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v19i3.1391

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

 

 

                                               

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________