QUEM TEM MEDO DO ENADE? UM ESTUDO ACERCA DAS HABILIDADES DE LEITURA CONFIGURADAS NA PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DAS PROVAS DE “FORMAÇÃO GERAL”

Fernando Teixeira Luiz

Resumo


Entre os grandes problemas que afetam o cenário educacional contemporâneo, encontram-se as dificuldades de estudantes do Ensino Fundamental e Ensino Médio, bem como de egressos dos cursos de graduação, na realização de exames de âmbito estadual e nacional (SARESP, ENEM, ENADE etc). Recentes pesquisas atestam que, possivelmente, a origem de tais impasses resida nas deficiências e fragilidades no processo de formação de leitores, uma vez que o aluno não adquire a habilidade de fazer inferências e detectar uma informação implícita. Considerando esse quadro, o presente estudo tem como objetivo central problematizar a proposta de avaliação inscrita nas provas do ENADE, verificando como as habilidades de leitura se tornam elemento preponderante para a resolução dos exercícios. A rigor, pretende-se analisar o caderno de “Formação Geral”, contemplando apenas uma amostragem de três questões. Cada uma foi extraída de três provas diferentes (Pedagogia (2011), Administração (2015) e Ciências Biológicas (2017)). Os dados coletados foram processados e devidamente analisados à luz das recentes teorias da leitura e das reflexões contemporâneas sobre avaliação.


Palavras-chave


ENADE; Leitura; Avaliação; Gêneros Textuais.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BENEDETTI, I. O provão em questão: o passado presente para a avaliação universitária. Maringá: Dental Press, 2003.

BRANDÃO, H. H. N. & MICHELETTI, G. “Teoria e Prática da Leitura” In: CHIAPPINI, L. Aprender e Ensinar com Textos Didáticos e Paradidáticos. São Paulo: Cortez Editora, 1998.

BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Diretrizes Curriculares dos Cursos de Graduação, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira. Matriz de Referência do ENEM, 2012.

BRONCKART, J. P. Atividades de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sociodiscursivo. São Paulo: EDUC, 2009.

CASTRO, M. H. Sistemas Nacionais de Avaliação e de informações educacionais. São Paulo em perspectiva. São Paulo, v14, n 1, 2000.

FERREIRA, E. A. G. R. A Leitura Dialógica e a Formação do Leitor. 2003. Dissertação (Mestrado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada) Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis.

HOFFMANN, J. Avaliar para promover: as setas do caminho. São Paulo: Editora Mediação, 2009.

KLEIMAN, A. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. São Paulo: Mercado das Letras, 1995.

KOCH, I. V. e ELIAS, V. M. Ler e compreender os sentidos dos textos. São Paulo, Contexto, 2006.

LUCKESI, C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2011.

LUIZ, F. T. A Produção de Monteiro Lobato: contribuições para a formação de professores a partir de uma leitura semiótica da ilustração de O Saci (1921). 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente (SP).

MARCUSCHI, L.A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARCONI, M. A. & LAKATOS, E. M. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Atlas, 1998.

MENIN, A. M. C. S. Estratégias de leitura e compreensão relacionadas ao tipo de texto (gênero/ suporte), à inferência, seleção, antecipação, construção de sentido e verificação. In: SOUZA, R. J. & SOUSA, A. C. Nas teias do saber: ensaios sobre leitura e letramento. Presidente Prudente: Meio Impresso Produções, 2005.

NICOLINI, A. M; ANDRADE, B. A. Padrão ENADE: análise, reflexões e proposição à luz da taxonomia de Bloom. São Paulo: Atlas, 2015.

SANTANA, I. Por que avaliar? Como avaliar? Critérios e instrumentos. Petrópolis: Vozes, 1995.

SÃO PAULO (Estado). Matrizes de referência para a avaliação Saresp: documento básico/Secretaria da Educação; coordenação geral, Maria Inês Fini. – São Paulo: SEE, 2009.174 p. v. 1.

SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. São Paulo: Mercado das Letras, 2011.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

SOUZA, I. L. A competência leitora na perspectiva do SARESP: a habilidade de inferir informação implícita em texto escrito. 2007. 152 f. dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

STIERLE, K. Que Significa a Recepção de Textos Ficcionais? In: LIMA, L. C. A Literatura e o Leitor: Textos de Estética da Recepção. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1979.

TREVIZAN, Z. O leitor e o diálogo dos signos. São Paulo: Clíper Editora, 2000.

ZILBERMAN, R. Como e por que Ler a Literatura Infantil Brasileira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v19i3.1324

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e repositórios

                                                        

                  

    

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________