O TOCANTINS E SEU ENSINO DE INGLÊS NA PROPOSTA CURRICULAR PARA O ENSINO MÉDIO: ENTRE EXPECTATIVAS E SILENCIAMENTO

Gilberto Alves Araújo

Resumo


este artigo pretende identificar representações discursivas na Proposta Curricular do Tocantins (PC) para o Ensino Médio (TOCANTINS-SEDUC, 2009), tanto no que concerne aos autores desse documento, à língua estrangeira ou mais especificamente ao ensino escolarizado de língua inglesa, quanto ao papel desempenhado pelos docentes dessa disciplina. Para tanto, utiliza concepções de Pêcheux (1995; 1997; 2006) acerca de esquecimento, assujeitamento, formações ideológica e discursiva, bem como os procedimentos metodológicos de análise propostos por Orlandi (1998; 1999). A PC projeta o ensino de língua inglesa em um extenso horizonte de expectativas com relação a sua significância; tende a sobrelevar o discurso científico e literário na medida em que procura reservar o silêncio à voz do docente em sua prática cotidiana. No sistema econômico (ou em seu uso/utilidade), busca as respostas para os porquês do ensino desse idioma no Tocantins. Por fim, a identidade dos sujeitos redatores do documento surge entre inteireza e dispersão.


Palavras-chave


Análise do Discurso; Língua inglesa; Proposta curricular; Tocantins.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, G. A. Representações sobre o ensino-aprendizagem de língua inglesa: entre os documentos oficiais e a fala do professor da escola pública. 2014. 183 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, 2014.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAUMAN, Z. Liquid Modernity. 6ª imp. Malden: Polity Press, 2006.

GRIGOLETO, E. O movimento de desidentificação do sujeito: uma reflexão a partir de Semântica e Discurso. In: ANAIS DO I SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO. 1ª ed. 2003. Anais. Porto Alegre: UFRGS, p. 1-7.

HALL, S. “Who Needs ‘Identity’?” In: DU GAY, P.; HALL, S (org.). Questions of Cultural Identity. 2ª imp. London: Sage Publications, 1996.

. et alii (org.). Modernity: An introduction to modern societies. Oxford: Blackwell Publishers, 1995.

KEHL, M. R. Minha vida daria um romance. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2012.

KLEIMAN, A. B. Preciso “ensinar” o letramento? Não basta ensinar a ler e a escrever? Campinas: UNICAMP/MEC, 2005.

MARX, K. Capital (A Critique of Political Economy): The Process of Production of Capital. Vol. I. New York: International Publishers, 2010.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 5ª ed. São Paulo: Inst. Piaget, 2008.

______. O método I: a natureza da natureza. 2ª ed. Lisboa: Publicações Europa-América, 1987.

ORLANDI, E. “Discurso, imaginário social e conhecimento”. Em Aberto, Brasília, vol. 1, n. 61, jan./mar. 1994.

. Gestos de leitura: Da história no discurso. Campinas: Unicamp, 1997.

. “A leitura e os leitores possíveis”. In: ORLANDI (org.) A leitura e os leitores. Campinas: Pontes, 1998.

. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

. Análise de discurso: princípios & procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

. “O inteligível, o interpretável e o compreensível”. In: ZIBERMAN, R.; SILVA, E. (orgs). Leitura: perspectivas interdisciplinares. São Paulo: Ática, 2002.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. de E. P. Orlandi et alii. Campinas: Unicamp, 1995.

. “Análise Automática do Discurso”. In: GADET, F.; HAK, T. (Orgs.) Por uma Análise Automática do Discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. de E. P. Orlandi. Campinas: Unicamp, 1997.

. O Discurso - estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 2006.

POLLAK, M. “Memória e identidade social”. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, p. 200-215, 1992.

SANTOS, B. de S. Um discurso sobre as ciências. 7ª ed. Lisboa: Afrontamento, 1995.

SYMONIAK, J. “The Washington consensus”. New Voices in Public Policy, Fairfax, vol. 5, n. 1, p. 2-20, 2010/2011.

BANCO MUNDIAL. Educação primária. Documento de política do Banco Mundial. Washington: BM, 1992.

______. Prioridades e estratégias para a educação. Washington: BM, 1995.

UNESCO. World declaration on education for all and the framework for action to meet basic learning needs. Tailândia, 1990.

______. O marco de ação de Dakar Educação para Todos. Dakar, 2000.

BRASIL, Min. da Educação. Desempenho médio do Enem 2006. Brasília: SEB, 2007.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

STÁLIN, J. V. Sobre o materialismo dialético e o materialismo histórico. Rio de Janeiro: Edições Horizonte, 1945.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1993.

DENZIN, N. K. et al. “Disciplining qualitative research”. International Journal of Qualitative Studies in Education, Indianapolis, vol. 19, n. 6, p. 769-782, nov. 2006.

TOCANTINS-SEDUC. Proposta Curricular do Tocantins para o Ensino Médio: Versão Preliminar. Palmas: Dicom, 2009.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC, 1998.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA-TO. Deputados debatem sistema educacional do estado. Palmas: Dicom, 2008a. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2013.

______. Educação volta a ser debatida na assembleia. Palmas: Dicom, 2008b. Disponível em: < http://www.al.to.leg.br/noticia/1800/>. Acesso em: 04 ago. 2013.

______. Requerimento nº 6598/2008, da Dep. Luana Ribeiro. Palmas: Dicom, 2008c. Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2013.

G1 NOTÍCIAS. Resultado do Enem-2007 foi 40% melhor que ano anterior. Rio de Janeiro: Organizações Globo, 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2013.

______. Veja o resultado do Enem 2009. Rio: OG, 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2013.

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pio. T., 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v18i3.1175

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e repositórios

                                     

 

                

           

       

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _< __________________________________________________