RESSIGNIFICANDO SENTIDOS DE LEITURA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DAS DIFERENTES ÁREAS DO ENSINO MÉDIO.

Marlene Ribeiro da Silva Graciano

Resumo


Esta pesquisa teve como objetivo criar contextos crítico-colaborativos para discutir os sentidos e significados atribuídos, por um grupo de professores de diferentes áreas, à leitura. Fundamentou-se na Teoria da Atividade Sócio-Histórico-Cultural. O estudo está inserido no campo da Linguística Aplicada, tendo como metodologia a Pesquisa Crítica de Colaboração (PCCol). Os procedimentos utilizados para a coleta e produção de dados foram entrevistas semiestruturadas iniciais, videogravações de aulas e sessões reflexivas coletivas. Os dados produzidos foram analisados em seus aspectos enunciativos, discursivos e linguísticos. Os resultados revelaram que as relações constituídas entre os participantes possibilitaram a ressignificação dos professores quanto às práticas de leitura e aos papéis de aluno e de professor, bem como a transformação nos seus modos de agir.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad.: Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRASIL. Pacto Nacional pelo Ensino Médio. Formação de professores do Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2013.

BRESSANIN, J. A. Os discursos sobre leitura em programa de formação continuada de professor. 2010. Disponívelem: . Acessoem: 22 fev. 2015.

BROOKFIELD, S. D.; PRESKILL, S. Keeping discussion going through questioning listening and responding. In: _____. Discussion as way of teaching: tool and techniques for democratic classrooms. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 2005, p. 83-100.

COPE, B.; KALANTZIS, M.A Grammar of Multimodality.The International Journal of Learning, Meulbourne, Australia, v. 16, n. 2, p. 361-426, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2014.

DANIELS, H. Vygotsky e a Pesquisa.São Paulo: Ed. Loyola, 2008.

ENGESTRÖM, Y. Crossing Bounderies in teacher Teams.In: ______. From teams to knots:activity-theoretical studies of collaboration and learning at work. New York: Cambridge, 2008, p. 87-117.

______. The Future of Activity Theory: A Rough Draft. In: SANNINO, A. et al. (Org.) Learning and Expanding with Activity Theory. New York: Cambridge University Press, 2009, p. 303-328.

______.From design experiments to formative interventions. Theory & Psychology, v. 21, n. 5, p. 598-628, 2011.

FREIRE, P. (1970) Pedagogia do oprimido. 50ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

FULLAN, M.; HARGREAVES, A. EscolasTotais.In: ______. A escola como organização aprendente:buscando uma educação de qualidade. 2ª ed. Porto Alegre: ArtesMédicasSul, 2000, p. 55-81.

HORIKAWA, A. Y. Modos de ler de professores em contexto de uma prática de leitura de formação continuada: Uma análise enunciativa. 2006. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). LAEL – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

KALANTZIS, M.; COPE, B. Language Education and Multiliteracies. In: MAY, S.; HORNBERGER, N. H. (Eds.) Encyclopedia of Language and Education, 2nd Edition, v. 1. Springer Science Business Media LLC, 2008, p. 195-211.

KEMMIS, S. Critical Reflection. In WIDEEN, F.; ANDREWS, I. (Eds.) Staff development for school improvement. Londres: The Falmer Press, 1987, p. 71-90.

KLEIMAN, A. B. Abordagens de leitura. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 7. n. 14, p.13-22, 1º sem. 2004.

LIBERALI, F. C.Cadeia Criativa: uma possibilidade para a formação crítica na perspectiva da TASHC. In: MAGALHÃES, M. C. C.; FIDALGO, S. S. (Orgs.) Questões de Método e de Linguagem na Formação Docente. Campinas/ SP: Mercado de Letras, 2011, p. 41-64.

______.Argumentação em Contexto Escolar.Campinas, SP: Pontes Editora, 2013.

LEONTIEV, A. N. ActivityandConsciousness. In: Philosophy in the URSS. ProgressPublishers, 1977. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2003.

MAGALHÃES, M. C. C. A Formação do Professor como um Profissional Crítico: linguagem e reflexão. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. (As faces da linguística aplicada).

______. O método para Vygotsky: A Zona Proximal de Desenvolvimento como zona de colaboração e criticidade criativas. In: SCHETTINI, R. H.; DAMIANOVIC, M. C.; HAWI, M. M.; ZUNDY, P. T. C. (Orgs.) Vygotsky: uma revisita no início do século XXI. São Paulo: Andross, 2009, p. 53-78.

______. Pesquisa Crítica de Colaboração: uma pesquisa de intervenção no contexto escolar. In: SILVA, L. S. P.; LOPES, J. J. M. (Orgs.) Diálogos de Pesquisas sobre Crianças e Infâncias. Niterói, RJ: Editora da UFF, 2010, p. 20-40.

______. Pesquisa Crítica de Colaboração: Escolhas epistemo-metodológicas na organização e condução de pesquisas de intervenção no contexto escolar. In: MAGALHÃES, M. C. C.;FIDALGO, S. S. (Orgs.) Questões de Método e de Linguagem na Formação Docente. Campinas, SP:Mercado de Letras, 2011, p. 13-39. (Série Faces da Linguística Aplicada).

______. Vygotsky e a Pesquisa de Intervenção no Contexto escolar: a Pesquisa Crítica de Colaboração – PCCol. In. LIBERALI, F. C.; MATEUS, E.; DAMIANOVIC, M. C. (Orgs.) A Teoria da Atividade Sócio-Histórico-Cultural e a escola: recriando realidades sociais. Campinas, SP: Pontes, 2012, p. 13-26.

MAGALHÃES, M. C. C. Escolhas teórico-metodológicas em pesquisas com formação de professores: as relações colaborativo-críticas na constituição de educadores. In: MATEUS, E.; OLIVEIRA, N. B. (Orgs.) Estudos Críticos da linguagem e formação de professores/as de línguas. 1 ed., São Paulo: Pontes, 2014, p. 17-48

MAGALHÃES, M. C.; OLIVEIRA, W. Vygotsky e Bakhtin/ Volochinov: dialogia e alteridade. Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso, v. 5, p. 103-115, 2011.

NININ, M. O. G. Da pergunta como ato monológico avaliativo à pergunta como espaço para a expansão dialógica. São Carlos: Pedro & João Editores, 2013.

NEWMAN, F.; HOLZMAN, L. (1993) Lev Vygotsky: Cientistarevolucionário. São Paulo: Edições Loyola, 1993/2002.

NININ, M. O. G. Da pergunta como ato monológico avaliativo à pergunta como espaço para a expansão dialógica. São Carlos: Pedro & João Editores, 2013.

ROJO, R. Gêneros discursivos do Círculo de Bakhtin e Multiletramentos. In: ROJO, R. (Org.). Escol@ Conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013, p. 13-36.

______. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In:ROJO, R. H. R.; MOURA, E. (Orgs.) Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012, p. 11-31. (Estratégias de ensino).

______. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

______. Letramento e Capacidades de Leitura para Cidadania. São Paulo: SEE- CENP,2004. (Texto apresentado em congresso em maio de 2004).

______. (Org.) Alfabetização e letramento: perspectivas linguísticas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.

SMYTH, J. Teachers’ work and the politics of reflection.American Educational Research Journal, v. 29, nº 2, p. 267-300, 1992.

THE NEW LONDON GROUP.A pedagogy of multiliteracies: Designing social futures.Harvard EducationalReview, v. 66, n. 1, p. 60-92, Spring, 1996.

VALSECHI, M. C. O papel da formação continuada na construção de saberes pelo professor participante: estudo de uma proposta. In: ENCONTRO NACIONAL DE LETRAMENTO, João Pessoa, PB, 2008, p. 801-809.

VYGOTSKY, L. S. (1930). A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

______. (1934) A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rle.v18i1.1093

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Leia Escola consta nos seguintes indexadores, bancos de dados e bibliotecas

 

 

                                               

 

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

A  Revista Leia Escola está licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais... _______________________ _<

 

Siga Rev Leia Escola nas redes sociais

   Instagram