Notícias

CHAMADAS PARA SUBMISSÃO

DOSSIÊS TEMÁTICOS - 2022

 

RLE | v.22 | nº 1 -  DECOLONIALIDADE, EDUCAÇÃO E ENSINO DE LÍNGUAS E LITERATURAS

 

No marco do pós-estruturalismo, as teorias críticas trazem a decolonialidade para o centro do debate sobre educação e didáticas específicas, incluindo as do universo da área de Letras, mais especificamente voltadas ao ensino de línguas e de literaturas. Nesta abordagem, a legitimidade dos saberes acadêmicos não se limita aos registros dos grupos dominantes, mas parte de uma epistemologia que considera as diferentes formas de ser, saber e comunicar-se. A pedagogia decolonial analisa os processos de ensino no contexto da produção histórico-coletiva, colocando em evidência o caráter normalizante e a intencionalidade política que estão presentes nos espaços escolares. O fazer pedagógico, neste contexto, não se resume ao caráter instrumental, sendo ao contrário disso, um meio de negociação entre culturas, povos e linguagens. Neste sentido, nosso propósito com o presente número é reunir pesquisas acerca da temática dos estudos decoloniais voltados para a educação, mais especificamente, pesquisas na área de Letras, relacionadas ao ensino e aprendizagem de línguas e literaturas. Os trabalhos que vão compor o dossiê devem apresentar, portanto, reflexões e/ou resultados de pesquisas teórico-práticas no campo do ensino e da aprendizagem, em diversas modalidades acadêmica e embasadas na perspectiva dos estudos decoloniais no âmbito linguístico e literário cujo impactos se veem refletidos na educação.

 

Organizadoras : Tatiana Lourenço de Carvalho - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/Brasil

                      Jackeline Susann Souza da Silva - Universidad de Salamanca/Espanha

                      Claudia Regina Rodrigues Calado - Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira/Brasil

 

Submissão 28 de fevereiro de 2022

Publicação abril de 2022

 

 
RLE | v.22 | nº 2 -  A FORMAÇÃO DE LEITORES NO ENSINO SUPERIOR: PRÁTICAS, METODOLOGIAS E REFLEXÕES

 

A formação de leitores é um campo bastante profícuo não só para a reflexão acerca da importância da leitura em sociedades letradas como a nossa, mas, sobretudo, para a proposição de práticas e metodologias de ensino. Em nossas universidades, várias são as pesquisas, grupos de trabalho e eventos acadêmicos cujo escopo tem sido a formação de leitores. Nesse caso, as perspectivas de abordagem do assunto têm sido bastante diversificadas: o sujeito leitor e seus hábitos e preferências, a formação de professores, os espaços formais e informais de leitura, os materiais didáticos, os currículos e os métodos de ensino de leitura (DAVI, REZENDE e JOVER-FALLEIROS, 2013). De modo geral, os trabalhos e as reflexões têm se detido nas práticas e experiências de leitura realizadas no ensino fundamental e/ou no ensino médio. Entretanto, embora existentes, vemos que não têm a mesma visibilidade os estudos voltados para a reflexão acerca da formação de leitores no ensino superior, sobretudo nos cursos de licenciatura. Por isso, este dossiê objetiva fomentar o debate sobre a formação de leitores no ensino superior a fim de discutir até que ponto as licenciaturas, em especial os cursos de Letras e de Pedagogia, a partir de seus currículos e das disciplinas ofertadas, têm conseguido formar professores-leitores, os quais, por sua vez, possam atuar como mediadores na formação de leitores no ensino fundamental e médio. Interessam-nos reflexões sobre o perfil de leitores que vêm sendo formados no âmbito universitário, as práticas de leitura que ocorrem nessa esfera e que incidem diretamente na formação de leitores, a relação entre a formação de leitores no âmbito universitário e os impactos dela na educação básica.

 

Organizadores: Marcelo Medeiros da Silva - Universidade Estadual da Paraíba/Brasil

                      Carlos Eduardo Albuquerque Fernandes - Universidade Federal do Agreste de Pernambuco/Brasil

                      Patrício de Albuquerque Vieira - Instituto Federal do Rio Grande do Norte/Brasil

 

Submissão 30 de junho de 2022

Publicação agosto de 2022

 

 

 RLE | v.22 | nº 3 -  CONTRIBUIÇÕES DA LINGUÍSTICA APLICADA PARA O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS NA CONTEMPORANEIDADE

 

Em 2006, Moita Lopes destacava a necessidade de pensar novos modos de fazer Linguística Aplicada (LA). Anos depois, a área tomaria um rumo inesperado. Em março de 2020, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a pandemia de COVID-19 e entre muitos setores afetados, o ramo educacional, com o fechamento das escolas e universidades, destacou-se com mais de 1.6 bilhão de estudantes em casa (UNESCO, 2021). No Brasil, a Portaria Nº 343 do Ministério da Educação (MEC) passou a autorizar a substituição das aulas presenciais em andamento por aulas remotas que utilizassem recursos digitais. Assim, o ensino remoto emergencial trouxe mudanças significativas para o ensino e a aprendizagem de línguas estrangeiras no país e, a partir disso, os professores precisaram (re)pensar, (re)significar e (re)construir suas práticas para modalidades síncronas e assíncronas. Nesse contexto adverso, ainda é pertinente afirmar que “politizar o ato de pesquisar e pensar alternativas para a vida social são parte intrínseca dos novos modos de teorizar e fazer LA” (MOITA LOPES, 2006, p. 22). Nessa esteira, a proposta do dossiê “Contribuições da Linguística Aplicada para o ensino de línguas estrangeiras na contemporaneidade” objetiva mapear a produção científica em LA. Esperamos receber artigos, resenhas e relatos de experiências inéditos sobre o ensino-aprendizagem, no contexto presencial e/ou remoto, de línguas adicionais, maternas e de herança, dando preferência, mas não se restringindo, às áreas relacionadas aos (1) processos de formação de professores, (2) tecnologias e metodologias ativas, (3) gêneros textuais, (4) multiletramentos e letramento crítico, (5) discurso, pragmática e corpora no ensino, (6) interculturalidade e identidades, (7) representações sociais e (8) tradução. Serão aceitos artigos em português, espanhol, inglês e francês.

 

Organizadores: Mateus Miranda - University of Limerick/Irlanda

                       Flávia Meniconi  - Universidade Federal de Alagoas

                       Shirlene Bemfica - Instituto Federal Minas Gerais - Campus Ouro Preto

 

Submissão 30 de outubro de 2022

Publicação dezembro de 2022

 
Publicado: 2021-09-09 Mais...
 

2021

 

RLE – v.21 n 2 - O ENSINO DO LÉXICO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Organizadores: Herbertt Neves – UFCG

                         Ana Lima – UFPE

                         Lilian Melo Guimarães – UFRPE

Submissão 31 de JUNHO de 2021 - PRAZO ENCERRADO

EM AVALIAÇÃO

______________________________________________________________________________________________________________________

RLE – v.21 n 3 - HISTÓRIAS E PRÁTICAS DE LEITURA: POSSIBILIDADES DE INVESTIGAÇÃO

São muitos os caminhos para a abordagem da leitura enquanto objeto de pesquisa: desde os estudos que procuram

refletir sobre as estratégias cognitivas realizadas pelo leitor, passando pelos que se dedicam a desenvolver ou

analisar o ensino da leitura nas escolas, ou ainda aqueles que discutem os fatores atuantes na formação de leitores

, apenas para citar algumas possibilidades. Por vezes, inclusive, esses caminhos se cruzam, pois a atividade de leitura

, pela sua própria natureza – diversa e multifacetada – exige o diálogo entre diferentes áreas, na tentativa de descrever

/compreender como ela se dá. Com o objetivo de ampliar o conhecimento sobre os modos de inserção da leitura na sociedade,

ela passou a ser estudada dentro do conjunto de práticas culturais, a partir dos trabalhos desenvolvidos por pesquisadores ligados

à terceira geração do movimento francês denominado Escola dos Annales. Dentro desse contexto, um grupo de pesquisadores,

entre os quais se destaca Roger Chartier, dedicou-se a estudar as leituras do homem comum, observando e registrando uma

multiplicidade de práticas de leitura, nos mais diferentes grupos sociais, o que contribuiu para sustentar que a leitura só pode

ser compreendida/descrita em sua relação com diversos fatores: sociais, históricos, econômicos e culturais. Na tentativa de

responder a questões como quem lê, o quê, em que época, onde, como e por quê, os teóricos dessa área escolheram

caminhos distintos, mas todos pautados nas mesmas constatações, como aponta Darnton (2010): a) a leitura tem uma

história; b) ela não foi sempre a mesma em todos os lugares e tempos; c) ela revela as relações entre saber e poder;

e d) é resultado de um complexo de fatores (sociais, econômicos, políticos, etc.) que exigem seu estudo a partir de

uma perspectiva interdisciplinar. Partindo desses pressupostos teóricos, o objetivo deste dossiê temático é contemplar

pesquisas que abordem as diferentes histórias e práticas de leitura presentes na sociedade, realizadas por leitores reais,

em espaços variados, sejam eles escolares ou não. Dessa forma, serão contemplados trabalhos que investiguem, entre

outros aspectos: relações do leitor com os espaços de leitura, públicos e/ou privados; descrição de perfis de leitores e/ou

de comunidades de leitores (CHARTIER, 1999), com suas respectivas histórias de leitura; modos de ler e a relação entre

diferentes suportes e práticas; formas de circulação de leituras legítimas/ilegítimas em dado momento histórico; censura

e burla; práticas de leitura em ambiente escolar; práticas de leitura no contexto digital; discursos sobre a leitura

em documentos oficiais; e história da leitura no Brasil. Acreditamos, assim, contribuir para a construção de um panorama

diversificado a respeito das possibilidades de investigação na área de estudos à qual nos filiamos, além de proporcionar

uma reflexão ampla sobre a leitura enquanto prática cultural, nos mais diferentes contextos.

Referências

BURKE, P. A Escola dos Annales (1929-1989): a revolução francesa da historiografia. 2. Ed. São Paulo: Editora da Unesp, 2010.

CHARTIER, R. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. 2ª. ed. Brasília: Editora UnB, 1999.

DARNTON, R. O beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

 

Organizadoras: Danielly Vieira Inô - UEPB - Campus VI

                         Laurênia Souto Sales - UFPB - Campus IV

 

Submissão 30 de setembro de 2021

Publicação 30 de dezembro de 2021

 
Publicado: 2021-05-13
 

RLE - EDIÇÃO ESPECIAL - 2021 - 25 ANOS REVISTA LEIA ESCOLA - (1996-2021)

 

EM 2021  a Revista Leia Escola completa 25 anos da publicação de seu primeiro número. Para celebrar essa data a RLE apresenta chamadas nas áreas de estudos literários e de estudos de ensino e aprendizagem.

Convidamos a todos para acessarem as chamadas e enviarem os seus artigos para comemorarmos a vitalidade do nosso periódico com boas discussões e com a visibilidade para as  pesquisas que temos privilegiado sempre.

 

RLE - EDIÇÃO ESPECIAL - VOL 4 - 2021 - 25 ANOS REVISTA LEIA ESCOLA - (1996-2021)

DOSSIÊ - POESIA INFANTIL EM LÍNGUA PORTUGUESA

Organizadores: Profa. Dra. Raquel Beatriz J. Guimarães – PUC-MINAS

                          Profa. Dra. Eliane Debus – UFSC

                          Prof. Dr. José Hélder Pinheiro Alves – UFCG

PUBLICAÇÃO: OUTUBRO DE 2021

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

RLE - EDIÇÃO ESPECIAL - VOL 5 - 2021 - 25 ANOS REVISTA LEIA ESCOLA - (1996-2021)

DOSSIÊ -  Ensino e aprendizagem na perspectiva da Linguística Aplicada: construção de saberes

Organizadoras: Profa. Dra. Rita de Cássia Souto Maior - UFAL

                         Profa. Dra. Teresa Tedesco - UERJ

                         Profa. Dra. Denise Lino - UFCG

PUBLICAÇÃO: OUTUBRO DE 2021

 

 
Publicado: 1969-12-31 Mais...