A ABORDAGEM DOS PRONOMES PESSOAIS EM UM LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

Clarice Cristina CORBARI, Izabella Regina Basso PIMENTEL, Carmen Teresinha BAUMGARTNER

Resumo


RESUMO: Neste artigo, analisamos o tratamento dado aos pronomes pessoais em material didático utilizado em uma escola do Oeste do Paraná. Buscamos verificar se o livro didático incorpora contribuições dos estudos descritivos do português brasileiro no que se refere ao uso dos pronomes pessoais ou se está vinculado ao viés da gramática normativa, apresentando conceitos e usos que refletem a norma padrão e desconsidera os usos efetivos dos falantes.

PALAVRAS-CHAVE: Ensino de Língua Portuguesa. Livro didático. Pronome.


Texto completo:

PDF

Referências


BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

BORTONI-RICARDO, S. M. Nós cheguemos na escola, e agora? Sociolingüística & Educação. São Paulo: Parábola, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CALLOU, D.; LOPES, C. R. S. Contribuições da sociolinguística para o ensino e a pesquisa: a questão da variação e mudança linguística. Revista do GELNE, João Pessoa, n. 1 e 2, p. 63-74, 2003.

CASTILHO, A. T. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

CYRINO, S. M. L. Observações sobre a mudança diacrônica no português do Brasil: objeto nulo e clíticos. In: ROBERTS, I.; KATO, M. A. (Orgs.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: Editora da Unicamp, 1993. p. 163-184.

DELMANTO, D.; CARVALHO, L. B. Jornadas.port – Língua Portuguesa, 6º ano. 2. Ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

DUARTE, M. E. L. Clítico acusativo, pronome lexical e categoria vazia no português brasileiro. In: TARALLO, F. (Org.). Fotografias sociolinguísticas. Campinas: Pontes; Editora da Unicamp, 1989. p. 19-34.

DUARTE, M. E. L. Do pronome nulo ao pronome pleno: a trajetória do sujeito no português do Brasil. In: ROBERTS, I.; KATO, M. A. (Orgs.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: Editora da Unicamp, 1993. p. 107-128.

DUARTE, M. E. L. Ensino da língua em contexto de mudança. 2000. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2017.

FARACO, C. A. Por uma pedagogia da variação linguística. 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2017.

FARACO, C. A.; ZILLES, A. M. S. Introdução. In: ZILLES, A. M. S.; FARACO, C. A. (Orgs.). Pedagogia da variação linguística: língua, diversidade e ensino. São Paulo: Parábola, 2015. p. 7-15.

ILARI, R. Os pronomes do português brasileiro, algumas comparações. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 314-330, abr./maio 2010.

KATO, M. A. Gramática do português falado. vol. V. Campinas: Fapesp; Editora da Unicamp, 1996.

LOPES, C. R. S. „Nós‟ e „a gente‟ no português falado culto do Brasil. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1993.

LOPES, C. R. S. Nós e a gente no português falado culto no Brasil. DELTA, São Paulo, v. 14, n. 2., 1998. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2017.

LOPES, C. R. S. A inserção de a gente no quadro pronominal do português: percurso histórico. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

LOPES, C. R. S. Retratos da variação entre “você” e “tu” no português do Brasil: sincronia e diacronia. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (Orgs.). Português brasileiro II: contato linguístico, heterogeneidade e história. Niterói: Eduff, 2008, v. 2. p. 55-71.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisas em educação. Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MACHADO, A. C. M. A implementação de “você” no quadro pronominal: as estratégias de referência ao interlocutor em peças teatrais no século XX. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

MACHADO, M. S. Sujeitos pronominais „nós‟ e „a gente‟: variação em dialetos populares do norte fluminense. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1995.

MATTOS E SILVA, R. V. O português brasileiro. In: História da língua portuguesa em linha. [online]. Instituto Camões, s.d. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2017.

MENON, O. P. S. O sistema pronominal do português do Brasil. Letras, Curitiba, n. 44, p. 91-106, 1995.

MONTEIRO, J. L. Pronomes pessoais: subsídios para uma gramática do português do Brasil. Fortaleza: EUFC, 1994.

NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

NEVES, M. H. M. Os pronomes. In: CASTILHO, A. T. (Org.). Gramática do português falado: v. 4 – Estudos descritivos. São Paulo: Humanitas; Fapesp; Campinas: Editora da Unicamp, 2002. p. 13-33.

OMENA, N. P. A referência variável da primeira pessoa do discurso no plural. In: NARO, A. J. et al. Relatório Final de Pesquisa: Projeto Subsídios do Projeto Censo à

Educação. Rio de Janeiro, 2 v., 1986. p. 286-319.

OMENA, N. P. A referência à primeira pessoa do plural: variação ou mudança?. In: PAIVA, M. C.; DUARTE, M. E. L. (Orgs.) Mudança linguística em tempo real. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2003. p. 63-80.

PARANÁ. Secretaria de Estado de Educação. Diretrizes Curriculares para a Educação Básica: Língua Portuguesa. Curitiba: SEED, 2008.

PERINI, M. A. Gramática descritiva do português. São Paulo: Ática, 1995.

PERINI, M. A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2010.

SOUZA, J. P. F. Mapeando a entrada do você no quadro pronominal: análise de cartas familiares dos séculos XIX-XX. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2012.

TARALLO, F. A pesquisa sociolinguística. 3. ed. São Paulo: Ática, 1990.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

VASCONCELOS, S. I. C. C. Pesquisas qualitativas e formação de professores de português. In: BASTOS, N. M. (Org.). Língua Portuguesa: uma visão em mosaico. São Paulo: Cortez; PUC/SP/EDUC, 2002. p. 277-297.

ZILLES, A. M. S. The development of a new pronoun: the linguistic and social embedding of „a gente‟ in Brazilian Portuguese. Language variation and change, Cambridge (USA), n. 17, p. 19-53, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


_________________________________________________________________

PROFLETRAS - CFP - UFCG
Todos os direitos reservados®