A PARÓDIA COMO GÊNERO TEXTUAL EM UM OLHAR DISCURSIVO BAKHTINIANO: UMA RELAÇÃO DE INTERTEXTUALIDADE

Jucenilton Alves dos SANTOS, Maria Aparecida Pacheco GUSMÃO

Resumo


A concepção bakhtiniana de gêneros do discurso, dentre outros autores, formam o referencial teórico de base deste trabalho que tem o gênero paródia como instrumento que possibilita a aprendizagem de relações intertextuais em alunos do Ensino Fundamental II. O paradigma qualitativo foi o caminho mais viável para o desenvolvimento da pesquisa. A análise dos dados apontou para a importância da presença do mediador na formação do leitor, pois, além de contribuir para a interação entre texto e leitor, intensifica a motivação para a leitura e produção textual. A Sequência Didática utilizada mostrou-se como uma metodologia eficiente para orientar os professores na promoção do aperfeiçoamento da leitura e da escrita, uma vez que há mudanças positivas na conduta do aluno como interlocutor ativo do processo comunicativo. Os resultados da pesquisa foram favoráveis no que se refere à apropriação conceitual e metodológica do gênero paródia, porque a proposta pedagógica elaborada permitiu que a paródia fosse abordada como recurso didático de ensino/aprendizagem com foco na intertextualidade.
Palavras-chave: Gêneros Textuais. Paródia.  Leitura.  Escrita. Intertextualidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, D. O que é (e como faz) sequência didática? Entre palavras, Fortaleza, ano 3, v.3, n.1, p. 322-334, jan/jul 2013.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1997.

______. VOLOCHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. Trad. de M. Lahud e Y. W. Pereira. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1995.

______. Estética da criação verbal. Trad. de M. M. E. G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9394/96. Brasília: 1996.

______. Secretária de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Portuguesa./ Terceiro e quarto ciclo do ensino fundamental, 1998.

CARVALHO, C. de. Para compreender Saussure: fundamentos e visão crítica. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

CAVALCANTI, V.S. Composição de paródias: um recurso didático para compreensão sobre conceitos de circunferência. 2011. 165f. Dissertação (Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2011.

DOLZ, J; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

FÁVERO, Leonor Lopes. Paródia e dialogismo. In: BARROS, Diana Luz Pessoa de; FIORIN, José Luiz (Orgs.). Dialogismo, polifonia, intertextualidade: Em torno de Bakhtin. 2 ed. 1ª reimp. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2003.

GERALDI, João Vanderley, et alii, (org). O texto em sala de aula. São Paulo: Ática. 2003.

KLEIMAN, A. Leitura: ensino e pesquisa. Campinas: Pontes, 1989.

______. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. 15. ed. Campinas: Pontes Editores, 2013.

RITTER, L. C. B. Práticas de leitura/análise linguística com crônicas no Ensino Médio: proposta de elaboração didática. 2012. 240 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2012.

RODRIGUES, R. H. A pesquisa com os gêneros do discurso a sala de aula: resultados iniciais. In: COLÓQUIO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS E LITERÁRIOS, 3. 2007, Maringá. Anais. Maringá: UEM, 2009. p. 2010-2019.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de Leitura. Trad. Claúdia Schilling.16 ed. Porto Alegre: Armed, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


_________________________________________________________________

PROFLETRAS - CFP - UFCG
Todos os direitos reservados®