A AVALIAÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO NA PROVA DE REDAÇÃO DO ENEM: UM OLHAR DIALÓGICO

Guilherme BRAMBILA

Resumo


Este trabalho tem como objetivo principal fomentar discussões nos estudos linguísticos que se endereçam à avaliação de texto no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). De maneira específica, busca-se lançar um estudo crítico acerca das delimitações pouco nítidas sobre a argumentação pela banca avaliadora do exame de textos que obtiveram nota 1000, utilizando-se da edição de 2014 como um exemplo. Tal estudo, que traz constatações oriundas de pesquisa de mestrado sobre o tema, parte das perspectivas de argumentação de Aristóteles (2005) e Perelman (1993;1996), além de estabelecer um contraponto de tais postulados com o dialogismo bakhtiniano. O trabalho é guiado por uma metodologia qualitativa de paradigma indiciário (GINZBURG, 1986) para realizar tal investigação.
Palavras-chave: Argumentação. Produção de textos. Enem.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. A. S. A argumentação filosófica: Chaïm Perelman e o auditório universal. Dissertação de mestrado. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (UFMG). Belo Horizonte, 2005.

ARISTÓTELES. Retórica. Imprensa nacional – casa da moeda. Lisboa, 2. ed. 2005.

BAKHTIN, M; VOLOCHÍNOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem. 16. ed. São Paulo: Hucitec Editora, 2014.

BRAMBILA, G. A produção de textos na “era Enem”: subjetividade e autoria no contexto político-pedagógico brasileiro contemporâneo. Dissertação de mestrado (PPGEL – UFES), 2017.

BRASIL (Ministério da Educação). Manual de Redação do Enem 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 nov.2017.

CABRAL, A. L. T.; GUARANHA, M. F. O conceito de justiça: argumentação e dialogismo. Bakhtiniana, Rev. Estud. Discurso [online]. 2014, vol. 9, n. 1, p. 19-34.

GINZBURG, C. Mitos, Emblemas, Sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

PERELMAN, C. Argumentação. In: Enciclopédia Einaudi. vol. 11. Imprensa nacional – casa da moeda, Lisboa, 1977.

______. O Império Retórico: Retórica e Argumentação. Trad. Fernando Trindade e Rui Alexandre Grácio. Porto: Asa, 1993.

______; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da Argumentação. Martins Fontes: São Paulo, 1996. 653 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


_________________________________________________________________

PROFLETRAS - CFP - UFCG
Todos os direitos reservados®