ALFABETIZAÇÃO DE SURDOS: POR UMA PRÁTICA ALINHADA AO MODELO IDEOLÓGICO DE LETRAMENTO

Daiana do Amaral JEREMIAS

Resumo


Atualmente, descrever o cerne do processo de alfabetização de surdos no Brasil é uma tarefa complexa, pois vários fatores estão envolvidos. Dentre eles, podemos citar o hibridismo entre alfabetismo e letramento, contexto educacional bilíngue e avanços no estudo da estrutura da língua de sinais brasileira. Neste cenário, o presente artigo tem como objetivo fazer uma discussão exegética do processo de alfabetização, buscando uma descrição que transcende o sistema de escrita alfabético, inserindo essa concepção dentro dos Estudos do Letramento, o qual envolve diferentes fatores que vão além das instituições formais. Para sustentar este embate, traremos os pressupostos clássicos do fenômeno abordado, tais como Soares (1998; 2003), Kleiman (1995) e Street (2000; 2003). Como metodologia, faremos uma revisão bibliográfica, abordando o escopo dos apontamentos destes autores. Diante disto, nesse trabalho, buscamos enquadrar o alfabetismo como um tipo de prática de letramento, que engloba elementos tanto da modalidade linguística quanto culturais. Nessa visão, o processo de alfabetização representa não apenas a introdução do surdo no mundo da leitura e escrita, mas acima de tudo, representa um incremento nas possibilidades de inserção social desses sujeitos.

Palavras-chave: Alfabetização de surdos. Letramento. Língua de sinais brasileira (LSB).


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 12 de julho de 2017.

______. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais. Disponível em: . Acesso em: 12 de julho de 2017.

BRITO, L. F. Por uma gramática de línguas de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

CRUZ, C. R. Proposta de instrumento de avaliação da consciência fonológica, parâmetro configuração de mão, para crianças surdas utentes da Língua de Sinais Brasileira. 2008. 196 f. Dissertação (Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

______. Consciência fonológica na língua de sinais brasileira (libras) em crianças e adolescentes surdos com início da aquisição da primeira língua (libras) precoce ou tardio. 2016. Tese (doutorado em Linguística Aplicada). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

FERNANDES, S; STROBEL, K. L. Aspectos linguísticos da LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 1998. v. 1. 45p.

FERNANDES, S. Práticas de letramento na educação bilíngue para surdos. Curitiba: SEED, 2006.

KLEIMAN, A. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1995.

LODI, A.C.B. Ensino da língua portuguesa como segunda língua para surdos. In: LACERDA, C. B. F.; SANTOS, L. F. (Org.). Tenho um aluno surdo, e agora?: introdução à libras e educação de surdos. São Carlos: EDUFScar, 2013.

______. Educação bilíngue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de Educação Especial e o Decreto nº 5.626/05. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), v. 39, p. 49-63, 2013.

QUADROS, R. M. As categorias vazias pronominais: Uma análise alternativa com base na língua de sinais brasileira e reflexos no processo de aquisição. Porto Alegre: PUCRS. Dissertação de Mestrado, 1995.

______. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997

______. Phrase structure of brazilian sign language. Porto Alegre: PUCRS, tese de Doutorado, 1999.

______. Alfabetização e o ensino de língua de sinais. Canos: Textura, 2000.

QUADROS, R. M. de; KARNOPP, L. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

SOARES, M. Letramento e escolarização. In. RIBEIRO, V. M. Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF. São Paulo: Global, 2003.

______. Alfabetização e letramento: caminhos e descaminhos. São Paulo: Artmed, 2004.

STOKOE, W.C. Sign Language Structure. Silver Spring: Linstok Press, 1978.

STREET, B. Literacy events and literacy practices: theory and practice in the New Literacy Studies. In: JONES, Marilyn Martin; JONES, Kathryn. Multilingual Literacies: reading and writing different wordlds. Amsterdam: John Benjamins, 2000.

______. Abordagens alternativas ao letramento e desenvolvimento. Teleconferência Unesco Brasil sobre ‘Letramento e Diversidade’, 2003.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Ed. Da Ufsc. 2009.

SVARTHOLM, K. Bilinguismo dos surdos. In: SKLIAR, C. Atualidade da educação bilíngüe para surdos. Porto Alegre: Mediação, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


_________________________________________________________________

PROFLETRAS - CFP - UFCG
Todos os direitos reservados®