Fragmentação florestal na Área de Proteção Ambiental de Tambaba, Paraíba, Brasil

Saara Souza Rodrigues, Cleber Salimon, Saulo Roberto de Oliveira Vital

Resumo


Um dos ecossistemas brasileiros mais fragmentados, devido ao desmatamento histórico, é a Mata Atlântica, que abriga uma das maiores diversidades biológicas do planeta. A área e a forma destes fragmentos podem influenciar o efeito de borda sobre padrões e processos em um ecossistema florestal. O presente estudo mapeou e caracterizou a fragmentação florestal da Área de Proteção Ambiental de Tambaba (APA), no litoral sul da Paraíba, utilizando métricas da paisagem com o objetivo de verificar a efetividade da proteção ambiental na unidade de conservação. Para isto, foi feita uma classificação supervisionada por máxima verossimilhança, da cobertura do solo, a partir de imagens RapidEye em duas classes: (1) floresta (vegetação nativa); (2) não-floresta (todos outros tipos de cobertura). A análise métrica da paisagem (total de fragmentos, área núcleo, proporção de área núcleo por fragmento, entre outros) foi realizada com a extensão Patch Analyst em ambiente ArcGis. Da área total da APA (11.550 ha), 2.200 ha (19%) foram classificados como floresta, distribuídos em 1.364 fragmentos. A área núcleo total variou de 1.470 (efeito de borda de 10 m) a 370 ha (efeito de borda de 50 m), proporcionando uma conservação real entre 13 e 3% da área total. Estes resultados apontam para a necessidade de uma fiscalização intensa e rigorosa do cumprimento das leis, bem como um gerenciamento racional e participativo por meio dos órgãos públicos e do conselho consultivo da APA, para que se protejam os fragmentos remanescentes.

Palavras chave: Efeito de borda, conservação, métricas da paisagem, desmatamento.

Forest fragmentation in the Environmental Protection Area of Tambaba, Paraíba, Brazil

Abstract: One of the most fragmented ecosystems in Brazil is the Atlantic Rain Forest, due to centuries of deforestation along the coast which holds one of the world’s greatest biodiversity. Landscape metrics and shape can impact on border effect on patterns and processes of a forested ecosystem. In this paper, we map and characterize the forest fragmentation of the Tambaba Environmental Protection Area (APA), on the coast of Paraíba State, Brazil, using landscape metrics to verify the effectiveness of this protected area. We conducted a land cover classification (supervised classification by maximum likelyhood, RapidEye imagery) into two categories (1) forest and (2) non forest. Landscape metrics (number of fragments, total core area, proportion of core area, among others) were calculated using ArcGis extension Patch Analyst. From the APA’s total 11.550 ha, 2.200 ha were classified as forest (19%), distributed in 1.364 fragments of different sizes. Total core area varied from 1.470 (10 m border effect) to 370 ha (50 m border effect), dependending on edge effect distance, which provides a true conservation of only 13 to 3% of the total APA. These results point to the necessity of an intense and rigorous surveillance of the compliance with laws, as well as a rational and participatory management, through the APA’s management council and public agencies, in order to protect the remnant fragments.

Key words: Border effect, conservation, landscape metrics, deforestation.


Texto completo:

PDF

Referências


Avenza Systems (2014) Avenza Systems Inc. Toronto: Avenza Systems Inc. Disponível em: https://www.avenza.com/geographic-imager/ (Acessado em 15/03/2015).

Barbosa J.A., Neumann V.H., Lima-Filho M., Souza E.M. & Morais M.A. (2007) Estratigrafia da Faixa Costeira Recife-Natal (Bacia da Paraíba e Plataforma de Natal), NE Brasil. Estudos Geológicos, 17(2): 03–28.

Barbosa J.A., Souza E.M., Lima-Filho M.F. & Neumann V.H. (2003) A Estratigrafia da Bacia Paraíba: Uma Reconsideração. Estudos Geológicos, 13: 89–108.

Bierregaard Jr. R.O., Lovejoy T.E., Kapos V., Santos A.A. & Hutchings R.W. (1992) The Biological Dynamics of Tropical Rain-forest Fragments. Bioscience, 42: 859–866.

Brasil (2000) LEI No 9.985, DE 18 DE JULHO DE 2000. Instituição do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC.

Brasil (2010) Mata Atlântica: patrimônio Nacional dos Brasileiros. Brasília: MMA. 408 p.

Brasil (2014) Solos do Nordeste. Recife: Embrapa Solos. 38 p.

Brito D. & Grelle C.E.V. (2006) Estimating minimum area of suitable habitat and viable population size for the northern muriqui (Brachyteles hypoxanthus). Biodiversity & Conservation, 15(13): 4197–4210.

Camara G., Souza R.C.M., Freitas U.M. & Garrido J. (1996) SPRING: Integrating remote sensing and GIS by object-oriented data modelling.

Computers & Graphics, 20(3): 395–403.

Ducatti A., Périco E., Arend Ú., Cemin G., Haetinger C. & Rempel C. (2011) Análise da Paisagem por Sistemas de Informação Geográfica (SIGs) e Métricas de Paisagem como Subsídio para a Tomada de Decisões em Nível Ambiental. Espacios, 32(1): 36–42.

Elkie P.C., Rempel R.S. & Carr A. (1999) Patch analyst user’s manual: a tool for quantifying landscape structure. Ontario: Ontario Ministry of Natural Resources, Boreal Science, Northwest Science & Technology. Disponível em: www.uni-klu.ac.at/geo/lv_online/seminar2002/pa_manual.pdf (Acessado em 10/04/2015).

ESRI (2010) ArcGIS Desktop: Release 9.0. Redlands, CA: Environmental Systems Research Institute.

Ferreira A.G. & Mello N.G.S. (2005) Principais Sistemas Atmosféricos Atuantes sobre a Região Nordeste do Brasil e a Influência dos Oceanos Pacífico e Atlântico no Clima da Região. Revista Brasileira de Climatologia, 1(1): 15–28.

Furrier M., Araújo M.E. & Meneses L.F. (2006) Geomorfologia e Tectônica da Formação Barreiras no Estado da Paraíba. Revista do Instituto de Geociências – USP, 6(2): 61–70.

Guisard D.M.P. & Kuplich T.M. (2008) Fragmentação da Cobertura Florestal no Município de São José dos Campos (SP) entre 1973 e 2004. Geografia, 33(2): 319–329.

Haddad N.M., Brudvig L.A., Clobert J., Davies K.F., Gonzalez A., Holt R.D., Lovejoy T.E., Sexton J.O., Austin M.P., Collins C.D., Cook W.M., Damschen E.I., Ewers R.M., Foster B.L., Jenkins C.N., King A.J., Laurance W.F., Levey D.J., Margules C.R., Melbourne B.A., Nicholls A.O., Orrock J.L., Song D.-X. & Townshend J.R. (2015) Habitat fragmentation and its lasting impact on Earth’s ecosystems. Science Advances, 1(2): 2015;1:e1500052. doi: 10.1126/sciadv.1500052

Herrmann B.C., Rodrigues E. & Lima A. (2005) A Paisagem como Condicionadora de Bordas de Fragmentos Florestais. Floresta, 35(1): 13–22.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2012) Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Disponível em: https//biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv63011.pdf (Acessado em 10/10/2013).

Kageyama P.Y., Gandara F.B. & Souza L.D. (1998) Consequências genéticas da fragmentação sobre populações de espécies arbóreas. Série Técnica IPEF, 12(32): 65–70.

Landis J.R. & Koch G.G. (1977) The Measurement of Observer Agreement for Categorical Data. Biometrics, 33(1): 159–174.

Lang S. & Blaschke T. (2009) Análise da paisagem com SIG. São Paulo: Oficina de Textos. 424 p.

Laurance W.F., Lovejoy T.E., Vasconcelos H.L., Bruna E.M., Didham R.K., Stouffer P.C., Gascon C., Bierregaard R.O., Laurance S.G. & Sampaio E. (2002) Ecosystem Decay of Amazonian Forest Fragments: A 22-Year Investigation. Conservation Biology, 16(3): 605–618.

Leal C.G. & Câmara I.G. (2003) The Atlantic Forest of South America: biodiversity status, threats, and outlook. Washington: Island Press. 488 p.

Metzger J.P. (2001) O que é Ecologia de Paisagens? Biota Neotropica, 1(1): 02–09.

Murcia C. (1995) Edge effects in fragmented forests: implications for conservation. Trends in Ecology & Evolution, 10(2): 58–62.

Nascimento H.E.M. & Laurance W.F. (2006) Efeitos de Área e de Borda Sobre a Estrutura Florestal em Fragmentos de Floresta de Terra-firme após 13-17 Anos de Isolamento. Acta Amazônica, 36(2): 183–192.

Oliveira-Filho A.T. & Carvalho D.A. (1993) Florística e fisionomia da vegetação no extremo Norte do litoral da Paraíba. Revista Brasileira de Botânica, 16(1): 115–130.

Pe’er G., Tsianou M.A., Franz K.W., Matsinos Y.G., Mazaris A.D., Storch D., Kopsova L., Verboom J., Baguette M., Stevens V.M. & Henle K. (2014) Toward better application of minimum area requirements in conservation planning. Biological Conservation, 170: 92–102.

Périco E., Cemin G., Lima D.F.B. & Rempel C. (2005) Efeitos da Fragmentação de Hábitats sobre Comunidades Animais: utilização de sistemas de informação geográfica e de métricas de paisagem para seleção de áreas adequadas a testes (p. 2339–2346). In: Epiphanio J.C.N. (Org.). XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Goiânia: SBSR.

Ribeiro M.C., Metzger J.P., Martensen A.C., Ponzoni F.J. & Hirota M.M. (2009) The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, 142(6): 1141–1153.

Rosa R. (2005) Geotecnologias na Geografia Aplicada. Revista do Departamento de Geografia, 16: 81–90.

Santana G.G., Vieira W.L.S., Pereira–Filho G.A., Delfim F.R., Lima Y.C.C. & Vieira K.S. (2008) Herpetofauna em um fragmento de Floresta Atlântica no Estado da Paraíba, Região Nordeste do Brasil. Biotemas, 21: 75–84.

Smith R.J., Di Minin E., Linke S., Segan D.B. & Possingham H.P. (2010) An approach for ensuring minimum protected area size in systematic conservation planning. Biological Conservation, 143(11): 2525–2531.

Stevens P. (2014) Dinâmica da Paisagem no Geossistema do Estuário do Rio Paraíba - Extremo Oriental das Américas: estimativas de perdas de habitat e cenários de recuperação da biodiversidade. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba.

SUDEMA - Superintendência de Administração do Meio Ambiente (2011) Área de Proteção Ambiental (APA) de Tambaba. Disponível em: http://www.sudema.pb.gov.br./index.php?view=category&catid=5&option=com_joomgallery (Acessado em: 01/06/2015).

Torelli J., Rosa I.L. & Watanabe T. (1997) Ictiofauna do Rio Gramame, Paraíba, Brasil. Iheringia, 82: 67–73.

Vettorazzi C.A. (1996) Técnicas de Geoprocessamento no Monitoramento de Áreas Florestadas. Série Técnica IPEF, 10(29): 45–51.




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v1i2.446

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS