Estado de ocupação das margens do Rio Macacu – Rio de Janeiro (Brasil): diagnóstico preliminar

Guilherme Assis Rodrigues, Gisa Eneida Marques Machado

Resumo


O estudo de bacias hidrográficas mostra-se cada vez mais necessário na correlação com as Áreas de Preservação Permanente (APP), pois a existência de conflitos entre uso e ocupação e o descumprimento da legislação nessas áreas põem em risco a integridade dos recursos hídricos, afetando a qualidade da água. O diagnóstico ambiental das condições in loco é o primeiro passo para o planejamento de uso sustentável de uma bacia hidrográfica, possibilitando identificar os fatores que possam estar interferindo e provocando a degradação. O objetivo deste trabalho foi realizar o diagnóstico ambiental em campo da Bacia Hidrográfica do Rio Macacu e avaliar os principais impactos ambientais das suas margens, propondo medidas para a correção dos problemas. Na área do Baixo Macacu, foi constatada a implementação de áreas agrícolas sem o manejo adequado e a ausência de matas ciliares. Já no Alto Macacu, a ausência de planejamento urbano favoreceu a ocupação das áreas de APP ao longo do leito do rio, principalmente por residências, que lançam o esgoto in natura, contribuindo para a degradação do curso d’água. Ao final, são apresentadas são apresentadas propostas para correção dos problemas encontrados. 

Palavras chave: Bacia hidrográfica, erosão, mata ciliar, poluição.


Texto completo:

PDF

Referências


Amador E.S. (2012) Baía de Guanabara e ecossistemas periféricos: homem e natureza. Rio de Janeiro: edição do Autor. 539 p.

Andrade L.M.S. & Romero M.A.B. (2006) A importância das áreas ambientalmente protegidas nas cidades (p. 1–20). In: XI Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional. Volume 5. Salvador: ANPUR.

Bertoni J. & Lombardi Neto F. (2010) Conservação do solo. 7° edição. São Paulo: Ícone. 355 p.

Brasil (2001) Ministério da Agricultura. Comunicado Tecnico 69. Capim-massai (Panicum maximum CV. Massai): alternativa para diversificação de pastagens. Campo Grande: MAPA. 5 p.

Brasil (2012) Lei Nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Brasília: MMA.

Carvalho D.F., Montebeller C.A., Franco E.M., Valcarcel R. & Bertol I. (2005) Padrões de precipitação e índices de erosividade para as e índices de erosividade para as chuvas de Seropédica e Nova Friburgo, RJ. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 9(1): 7–14. https://doi.org/10.1590/S1415-43662005000100002

Casseti V. (1983) Algumas considerações a respeito dos fenômenos pluvio-erosivos em Goiânia – Goiás. Boletim Goiano de Geografia, 3: 161–180. https://doi.org/10.5216/bgg.v3i1.4278

Castro M.N., Castro R.M. & Souza P.C. (2013) A importância da Mata Ciliar no Contexto da Conservação do Solo. Revista Eletrônica de Educação da Faculdade Araguaia, 4(4): 230–241.

Colpo K.D., Brasil M.T. & Camargo B.V. (2009) Macroinvertebrados bentônicos como indicadores do impacto ambiental promovido pelos efluentes de áreas orizícolas e pelos de origem urbana/industrial. Ciência Rural, 39(7): 2087–2092.

https://doi.org/10.1590/S0103-84782009005000161

COPASA - Companhia de Saneamento de Minas Gerais (2015) Programa Chuá: Educação sanitária ambiental. Belo Horizonte. Disponível em: http://jornalarte3.blogspot. com/2017/09/

programa-chua-de-educacao-sanitaria-e.html (acessado em 05/05/2020)

Coutinho L.M., Zanetti S.S., Cecílio R.A., Garcia G.O. & Xavier A.C. (2013) Usos da Terra e Áreas de Preservação Permanente (APP) na Bacia do Rio da Prata, Castelo-ES. Floresta e Ambiente, 20(4): 425–434. https://doi.org/10.4322/floram.2013.043

Ecologus-Agrar (2003) Plano Diretor de Recursos Hídricos da Região Hidrográfica da Baía de Guanabara. Relatório final – síntese. Rio de Janeiro: Consórcio Ecologus-Agrar. 203 p.

Galindo E.F. (2004) A intersetorialidade como requisito para construção deuma Cidade Saudável: política de Saneamento e de Saúde no Recife (gestão 2001–2004) – Estudo de Caso. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco.

Gomes E.C.F., Jesus E.N., Oliveira N.N.O., Gonçalves Júnior L., Cabral F.G.S. & Resende M.S.R. (2018) A nova legislação ambiental brasileira e seus efeitos sobre a reestruturação de nascentes e remanescentes florestais. Pesquisa Florestal Brasileira, 38: e201601309.

https://doi.org/10.4336/2018.pfb.38e201601309

Heller L. & Möller L.M. (1995) Saneamento e saúde pública (p. 51–61). In: Barros R.T.V., Chernicharo C.A.L., Heller L. & von Sperling M. (Orgs) Manual de saneamento e proteção ambiental para os municípios. Volume 2. Belo Horizonte: Escola de Engenharia da UFMG. 221 p.

Hora A.F., Hwa C.S. & Hora M.A.G.M. (2010) Planejamento Estratégico da Região Hidrográfica dos Rios Guapi-Macacu e Caceribu-Macacu. Niterói: UFF/FEC. 544 p.

IBAMA (2002) Portaria nº 124/2002. Dispõe sobre proibição relativa à captura, manutenção em cativeiro, transporte, beneficiamento, industrialização, armazenamento e comercialização da espécie Ucides cordatus. Brasília: IBAMA. Disponível em: https://www.normasbrasil.com.br/no

rma/portaria-124-2002_183518.html (acessado em 02/04/2020).

ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. (2020) https://www.icmbio.g

ov.br/apaguapimirim (acessado em 15/04/2020).

]INEA - Instituto Estadual do Ambiente (2013) Parque Estadual dos Três Picos: plano de manejo/resumo executivo/Instituto Estadual do Ambiente. Rio de Janeiro: INEA. Disponível em: http://www.inea.rj.gov.br/cs/groups/public/documents/document/zwew/mde5/~edisp/inea0

pdf (acessado em 15/04/2020).

Kominoski J.S., John J.S., Shah J.J.F., Canhoto C., Fischer D.G., Giling D.P., González E., Griffiths N.A., Larrañaga A., LeRoy C.J., Mineau M.M., McElarney Y.R., Shirley S.M., Swan C.M. & Tiegs S.D. (2013) Forescasting functional implications of global changes in riparian plant communities. Frontiers in Ecology and the Environment, 11(8): 423–432.

https://doi.org/10.1890/120056

Lima W.P. (2008) Hidrologia florestal aplicada ao manejo de bacias hidrográficas. Piracicaba: ESALQ. 242 p.

Lima W.P. & Zakia M.J.B. (2004) Hidrologia de matas ciliares (p. 34–44). In: Rodrigues R.R. & Leitão Filho H.F. (Eds). 2° edição. Matas Ciliares: Conservação e recuperação. São Paulo: EDUSP/FAPESP. 320 p.

Lyra B.U. & Rigo D. (2019) Deforestation impact on discharge regime in the Doce River Basin. Revista Ambiente & Água, 14(4): e2370. https://doi.org/10.4136/ambi-agua.2370

Maia A.P.A. (2002) Gestão de recursos hídricos em Pernambuco: o comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Pirapama. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Gestão e Políticas Ambientais). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco.

Mantoani M.C., Andrade G.R., Cavalheiro A.L. & Torezan J.M.D. (2012) Impacts of Panicum maximum Jacq. invasion and its manual weeding on the wood plant regeneration in the understory of a restoration site. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, 33(1): 97–110.

Martins C.R., Leite L.L. & Haridasan M. (2004) Capim - gordura (Melinis minutiflora P. Beauv.), uma gramínea exótica que compromete a recuperação de áreas degradadas em unidades de conservação. Revista Árvore, 28(5): 739–747. https://doi.org/10.1590/S0100-67622004000500014

Mello K., Valente R.A., Randhir T.O., Santos A.C.A. & Vettorazzi C.A. (2018) Effects of land use and land cover on water quality of low-order streams in Southeastern Brazil: Watershed versus riparian zone. Catena, 167: 130–138. https://doi.org/10.1016/j.catena.2018.04.027

Mielke E.C., Negrelle R.R.B., Cuquel F.L. & Lima W.P. (2015) Espécies exóticas invasoras arbóreas no parque da Barreirinha em Curitiba: registro e implicações. Ciência Florestal, 25(2): 327–336. https://doi.org/10.5902/1980509818451

Morgan R.P.C. (2005) Soil erosion and conservation. 3° edition. Hoboken: Wiley-Blackwell. 304 p.

Pereira B.W.F., Maciel M.N.M., Oliveira F.A., Alves M.A.M.S., Ribeiro A.M., Ferreira B.M. & Ribeiro E.G.P. (2016) Uso da terra e degradação na qualidade da água na bacia hidrográfica do rio Peixe-Boi, PA, Brasil. Revista Ambiente & Água, 11(2): 472–485.

https://doi.org/10.4136/1980-993X

Pires E.V.R., Silva R.A., Izippato F.J. & Mirandola P.H. (2012) Geoprocessamento Aplicado a análise do uso e ocupação da terra para fins de planejamento ambiental na bacia hidrográfica do Córrego Prata – Três Lagoas (MS). Revista Geonorte, 2(4): 1528–1538.

Roberto D.M. (2009) Diagnóstico da hidrografia - Estação Ecológica da Guanabara e Região. Rio de Janeiro: Ecomek. 22 p.

Salamene S., Francelino M.R., Valcarcel R., Lani J.L. & Sá M.M.F. (2011) Estratificação e caracterização ambiental da área de preservação permanente do rio Guandu/RJ. Revista Árvore, 35(2): 221–231. https://doi.org/10.1590/S0100-67622011000200007

Santos E.C.A., Araujo L.E. & Marcelino A.S. (2015) Análise climática da Bacia Hidrográfica do Rio Mamanguape. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 19(1): 9–14. http://dx.doi.org/10.1590/18071929/agriambi.v19n1p9-14

Silva V.A. & Espiridião F. (2017) Saneamento básico e seus impactos na mortalidade infantil e no desenvolvimento econômico da Região Nordeste. Scientia Plena, 13(10): 1–7.

https://dx.doi.org/10.14808/sci.plena.2017.109905

Silva V.A., Moreau M.S., Moreau A.M.S.S. & Rego N.A.C (2011) Uso da terra e perda de solo na Bacia Hidrográfica do Rio Colônia, Bahia. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 15(3): 310–315. https://doi.org/10.1590/S1415-43662011000300013

SNIS - Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (2018) Disponível em: http://www.snis.gov.br/diagnostico-anual-agua-e-esgotos/diagnostico-dos-servicos-de-agua-e-esgotos-2018 (Acessado em 12/05/2020).

Thomaz E.L. & Dias W.A. (2007) Influência do pastoreio na mudança física do solo em margens de canal fluvial. Relatório de iniciação científica. UNICENTRO: Guarapuava.

Thomaz E.L. & Dias W.A. (2009) Bioerosão – Evolução do rebanho bovino brasileiro e implicação nos processos geomorfológicos. Revista Brasileira de Geomorfologia, 10(2): 3–11.

Instituto Trata Brasil (2019) Principais Estatísticas. Disponível em: http://www.tratabrasil.org.br/saneamento/principais-estatisticas/no-brasil/esgoto (Acesso em 10/05/2020).

Tucci C.E.M. & Clarke R.T. (1997) Impacto das mudanças da cobertura vegetal no escoamento: Revisão. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 2(1): 135–152.

https://doi.org/10.21168/rbrh.v2n1.p135-152

Valcarcel R. & D’alterio C.F.V. (1998) Medidas físico-biológicas de recuperação de áreas degradadas: avaliação das modificações edáficas e fitossociológicas. Floresta e Ambiente, 5(1): 68–88.

Vanzela L.S., Hernandez F.B.T. & Franco R.A.M. (2010) Influência do uso e ocupação do solo nos recursos hídricos do Córrego Três Barras, Marinópolis. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 14(1): 55–64. https://doi.org/10.1590/S1415-43662010000100008

Zanchetta D. & Diniz F. (2006) Estudo da contaminação biológica por Pinus spp. em três diferentes áreas na Estação Ecológica de Itirapina - SP. Revista do Instituto Florestal, 18: 1–14.




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v4i0.1423

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS