Retóricas do capital: entre o discurso e a práxis, a produção de desigualdades

Danilo Barbosa de Arruda, Geraldo Milioli

Resumo


O objeto do artigo em tela é questionar os discursos e retóricas do capital na interface do sistema econômico, que provoca conflitos e desigualdade econômico-social. A problemática apresentada postula que as desigualdades sociais são oriundas de decisões político-econômicas e circunstâncias históricas, espaciais e temporais e estão aumentando na atualidade. O principal referencial teórico utilizado foi extraído de relatórios da OXFAM, Banco Mundial, Relatório de Desenvolvimento Humano, Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (PIDESC), e os autores Altvater e Acselrad. Por meio da análise qualitativa de material bibliográfico e dados secundários dos mencionados organismos nacionais e internacionais é feito uma releitura dos mecanismos de poder, relacionando o controle e usos do território e seus recursos para produção e concentração de riquezas. Como resultado, tem-se que a reprodução das desigualdades que permeiam as relações sociais são retroalimentadas por um macrocenário hostil à consolidação dos direitos sociais, excluindo e marginalizando periferias.

Palavras chave: Neoliberalismo, crise, desenvolvimento, desigualdade, periferia, neocolonialismo.


Texto completo:

PDF

Referências


Acselrad H. (2001) Políticas ambientais e construção democrática (p. 75–96). In: Viana G., Silva M. & Diniz N. (Orgs). O desafio da sustentabilidade: um debate socioambiental no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo. 364 p.

Altvater E. (1995) O preço da riqueza. São Paulo: Universidade Estadual Paulista. 335 p.

Banco Mundial (2016) Washington, DC: Banco Mundial. Licença: Creative Commons Attribution — Non Commercial — No Derivatives 3.0 IGO (CC BY-NC-ND 3.0 IGO).

Barroso I.C. (2014) Los territorios en la crisis. Ciudad y Territorio Estudios Territoriales. Ciudad y Territorio Estudios Territoriales, 46(182): 607–624.

Bustos B., Prieto M. & Barton J. (2015) Ecología Política en Chile: naturaleza, propiedad, conocimiento y poder. Santiago de Chile: Editorial Universitaria. 268 p.

Estenssoro L. (2003) Capitalismo, desigualdade e pobreza. Tese doutorado, Departamento Sociologia. Universidade de São Paulo. São Paulo.

Ferro M. (2004) O livro negro do colonialismo. Rio de Janeiro: Ediouro. 957 p.

Gonçalves C.W.P. (2002) Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Editora Contexto. 152 p.

Grajew O. (2017) Mapa da Desigualdade revela as diferentes cidades dentro da capital paulista. Desigualdade em movimento. OXFAM, Brasil. Le Monde Diplomatique Brasil. Centro de Estudos da Metrópole.

Gudynas E. (2009) Ciudadania ambiental y meta-ciudadanias ecológicas: revision y alternativas en America Latina. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 19: 53–72.

Harvey D. (2013) O Direito à Cidade. Folha de S. Paulo, São Paulo. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/materia/o-direito-a-cidade/ (Acessado em 06.03.2019).

Human Development Report (2016) Human Development for Everyone. New York: United Nations Development Programme. 272 p.

Iglesias E.V. (2006) El papel del Estado y los paradigmas económicos en América Latina. Revista de la CELPA, 90: 7–15.

Ismael R., D’Aguiar, R.F., Barbosa A.F. & Ricupero B. (2011a) Luiz Gonzaga Belluzzo. Cadernos do Desenvolvimento, 6(9): 420–441.

Ismael R., D’Aguiar R.F., Salm C., Pinkusfeld C. & Torres E. (2011b) Luciano Coutinho. Cadernos do Desenvolvimento, 6(9): 406–419.

Jameson F. (1996) O pós-modernismo e o Mercado (p. 279–296). In: Zizek S. (Org.) Um Mapa da Ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto. 337 p.

Lipietz A. (1997) Cercando os bens comuns globais: negociações sobre o meio ambiente global em uma abordagem do conflito Norte/Sul (p. 147–186). In: Castro E. & Pinton F. (Orgs). Faces do trópico úmido: conceitos e questões sobre Desenvolvimento e Meio Ambiente. Belém: Cejup, UFPA-NAEA. 445 p.

Mendonça F. (2010) Riscos e vulnerabilidades socioambientais urbanos: a contingência climática. Mercator, 9(número especial 1): 153–163.

OXFAM (2015) Privilégios que negam direitos: desigualdade extrema e captura política na América Latina e no Caribe. Relatórios de Pesquisa. 207 p.

Ozonas M.L. et al. (1995) População da sociedade de Neuquén. In: Santos M., Souza M.A.A., Scarlato F.C. & Arroyo M. (Orgs). O novo mapa do mundo: Problemas geográficos de um novo mundo. São Paulo: HUCITEC. 406 p.

Pacto Internacional de Derechos Económicos, Sociales y Culturales (1966) Adoptado y abierto a la firma, ratificación y adhesión por la Asamblea General en su resolución 2200 A (XXI), de 16 de diciembre de 1966. Naciones Unidas, Derechos Humanos. Disponível em: http://www.ohchr.org/SP/ProfessionalInterest/Pages/CESCR.aspx (Acesso em: 29.06.2017).

Pedrini D.M., Adams T. & Silva V.R. (2007) Controle social de políticas públicas: caminhos, descobertas e desafios. São Paulo: Paulus. 238 p.

Pinto Neto M.F. (2016) Esquecer o neoliberalismo: aceleracionismo como terceiro espírito do capitalismo. Cadernos IHU ideias, 14(245): 3–19.

Ribeiro D. (2009) A América Latina existe? Brasília: UnB. 111 p.

São Martino C.M. (1995) As cidades milionárias do Terceiro Mundo: a noção de macrocefalia (p. 99–105). In: Santos M., Souza M.A.A., Scarlato F.C. & Arroyo M. (Orgs). O novo mapa do mundo: Problemas geográficos de um novo mundo. São Paulo: HUCITEC. 406 p.

Viégas R.N. (2009) Conflitos ambientais e lutas materiais e simbólicas. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 19: 145–157.




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v4i0.1342

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS