Potencial da espécie invasora Cryptostegia madagascariensis em solos salinizados

Jailma dos Santos de Medeiros, Francisco de Oliveira Mesquita, Leonaldo Alves de Andrade, Cleiton José de Oliveira, Edlânia Maria de Souza

Resumo


Resumo: Este trabalho foi conduzido em casa de vegetação com vistas a avaliar os efeitos da salinidade nas características químicas de dois tipos de solo, bem como sobre a emergência e desenvolvimento inicial de plantas de Cryptostegia madagascariensis. Primeiramente, o material de um Neossolo Flúvico e de um Vertissolo foi irrigado com água salina (0,3; 1,0; 2,0 e 4,0 dS m-1). Em seguida, foram acondicionados 19 kg de cada substrato em vasos plásticos com capacidade para 21 L. Os tratamentos foram arranjados em blocos casualizados, com quatro repetições, tendo sido retiradas amostras de solo de cada unidade experimental para análise. O experimento foi instalado com dez sementes por vaso e no 10º dia após a semeadura (DAS) realizou-se o desbaste, deixando quatro plantas por vaso. As variáveis avaliadas foram: emergência de plântulas, diâmetro do caule ao nível do solo, altura de plantas, número de folhas, área foliar e tamanho das folhas aos 152 DAS. O acréscimo da salinidade elevou os níveis de Sódio, Magnésio, Potássio, Percentual de Sódio Intercambiável (PSI), Razão de Adsorção de Sódio (RAS) e Percentual de Sódio Trocável (PST) em ambos os solos, com exceção do pH no Vertissolo. Foi verificado decréscimo na emergência das sementes no Vertissolo, porém, não se observou influência no crescimento inicial das plantas em ambos os solos estudados. O aumento do teor salino das águas de irrigação elevou o caráter salino dos dois solos estudados, porém não prejudicou o crescimento inicial das plantas jovens de C. madagascariensis até os 152 dias, o que indica que a espécie é tolerante à salinidade, explicando, em parte, o sucesso desta espécie em colonizar áreas salinas, representando uma vantagem ecológica da mesma.

Palavras chave: Invasão biológica, espécie exótica, Caatinga, germinação.

Texto completo:

PDF

Referências


Agra P.F.M. (2010) Invasão biológica por Parkinsonia aculeata L. (Fabaceae) no semiárido paraibano: uma abordagem voltada para ecofisiologia de sementes. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Agronomia. Universidade Federal da Paraíba, Areia, Paraíba.

Alpert P., Bone E. & Holzapfel C. (2000) Invasiveness, invaibility and the role of environmental stress in the spread of non-native plantas. Urban & Fischer Verlag, 3(1): 52–66. https://doi.org/10.1078/1433-8319-00004

Amorim J.R.A., Fernandes P.D., Gheyi H.R. & Azevedo N.C. (2002) Efeito da salinidade e modo de aplicação da água de irrigação no crescimento e produção de alho. Pesquisa Agropecuária Brasileira. Brasília, 37(2): 167–176. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2002000200008

Andrade L.A. (2013) Plantas Invasoras: espécies exóticas invasoras da caatinga e ecossistemas associados. Campina Grande: Epgraf. 100 p.

Atial A., Hamed K.B., Devez A. & Abdelly C. (2006) Salt and seawater effects on the germination of Crithmum maritimum (p. 29–34). In: Ozturk M., Waisel Y., Khan M.A. & Gork G. (Eds). Biosaline agriculture and salinity tolerance in plants. Berlin: Birkhause Verlag. 206 p.

Bezerra F.T.C., Andrade L.A., Cavalcante L.F., Pereira E.P. & Bezerra M.A.F. (2013) Emergência e crescimento inicial de plantas de Parkinsonia aculeata L. (FABACEAE) em substrato salino. Revista Árvore, 37(4): 611–618.

Cruz F.R.S., Andrade L.A. & Alves E.U. (2016) Estresse salino na qualidade fisiológica de sementes de Cryptostegia madagascariensis Bojer ex Decne. Ciência Florestal, 26(4): 1189–1199. http://dx.doi.org/10.5902/1980509825110

Cushman J.C. (2001) Osmoregulation in plants: implications for agriculture. American Zoologist, 41(4): 758–769. https://doi.org/10.1093/icb/41.4.758

Dias N.S. & Blanco F.F. (2010) Efeitos dos sais no solo e na planta (p. 127–141). In: Gheyi H.R., Dias N.S. & Lacerda C.F. (Orgs). Manejo da salinidade na agricultura: estudos básicos e aplicados. Fortaleza: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Salinidade. 471 p.

Embrapa (2011) Manual de métodos de análise do solo. 3° edição. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Pesquisa de Solos. 230 p.

Fanti S.C. & Perez S.C.J.G.A. (1998) Efeitos do estresse hídrico, salino e térmico no processo germinativo de sementes de Adenanthera pavonina L. Revista Brasileira de Sementes, 20(1): 167–177.

Freire M.B.G.S., Ruiz H.A., Ribeiro M.R., Ferreira P.A., Alvarez V.H. & Freire F.J. (2003) Estimativa do risco de sodificação de solos de Pernambuco pelo uso de águas salinas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 7(2): 227–232. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662003000200007

Garcia G.O., Martins Filho S., Reis E.F., Moraes W.B. & Nazário A.A. (2008) Alterações químicas de dois solos irrigados com água salina. Revista Ciência Agronômica, 39(1): 7–18.

Invasive Species Specialist Group (ISSG) (2010) A Compilation of Information Sources for Conservation Managers. Disponível em: http://www.issg.org/database (Acessado em: 31/08/2014).

Jorge L.A.C. & Silva D.J.C.B. (2009) AFSOFT: Manual de utilização. Volume 1. São Carlos: Embrapa Instrumentação. 20 p.

Larcher W. (2006) Ecofisiologia Vegetal. São Carlos: Ed. Rima Arts e Textos. 531 p.

Leal L.C., Meiado M.V., Lopes A.V. & Leal I.R. (2013) Germination responses of the invasive Calotropis procera (Ait) R. Br. (Apocynaceae) compararisons with seeds from two ecosystems in northeastern Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 35(3): 1025–1034. http://dx.doi.org/10.1590/S0001-37652013000300013

Liu X., Qiao H.L., Tadano T. & Khan M.A. (2006) Comparative affect of NaCl and seawater on seed germination of Suaeda salsa and Atriplex centralasiatica (p. 45–54). In: Ozturk M., Waisel Y., Khan M.A. & Gork G. (Eds). Biosaline agriculture and salinity tolerance in plants. Berlin: Berkhuser Verlag. 206 p.

Lozano-García B., Parras-Alcántara L. & Muriel-Fernánde J.L. (2011) Soil tillage effects on monovalent cations (Na+ and K+) in vertisols soil solution. Catena, 84: 61–69. https://doi.org/10.1016/j.catena.2010.09.005

Medeiros J.S., Mesquita F.O., Andrade L.A., Oliveira C.J., Souza E.M. & Sousa J.K.C. (2018) Invasão biológica por Cryptostegia madagascariensis: uma abordagem voltada para estresses abióticos. Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza, 2(1): 36–47. http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v2i1.579

Miranda M.A., Oliveira E.E.M., Santos K.C.F., Freire M.B.G.S. & Almeida B.G. (2011) Condicionadores químicos e orgânicos na recuperação de solo salino-sódico em casa de vegetação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 15(5): 484–490.

Perez S.C.J.G.A. & Tambelini M. (1995) Efeito dos estresses salino e hídrico e do envelhecimento precoce na germinação de algarobeira. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 30(11): 1289–1295.

Pizarro F. (1996) Riegos Localizados de Alta Frecuencia. 3° edición. Madrid: Ediciones Mundi-Prensa. 511 p.

Richter G.L., Zanon Júnior A., Streck N.A., Guedes J.V.C., Kräulich B., Rocha T.S.M., Winck J.E.M. & Cera J. (2014) Estimativa da área de folhas de cultivares antigas e modernas de soja por método não destrutivo. Bragantia, 73(4): 416–425. http://dx.doi.org/10.1590/1678-4499.0179

Ruiz H.A. (2003) Métodos de análises físicas do solo. Viçosa: Programa de Pós-Graduação em solos e nutrição de plantas, Universidade Federal de Viçosa.

Santos H.G., Jacomine P.K.T., Anjos L.H.C., Oliveira V.A., Oliveira J.B., Coelho M.R., Lumbrebas J.F. & Cunha T.J.F. (2006) Sistema brasileiro de classificação de solos. 2° edição. Rio de Janeiro: Embrapa Solos. 306 p.

Santos M.A., Freire M.B.G.S., Almeida B.G., Lins C.M.T. & Silva E.M. (2013) Dinâmica de íons em solo salino-sódico sob fitorremediação com Atriplex nummularia e aplicação de gesso. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 17(4): 397–404. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662013000400007

Sousa F.Q. (2014) Estrutura Fitossociológica de Remanescentes de Caatinga e Avaliação do Banco de Sementes do Solo em Áreas Invadidas por Cryptostegia madagascariensis Bojer ex Decne. no Estado do Ceará. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Agronomia. Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Agrárias, Areia, Paraíba.

Sousa G.B., Cavalcante L.F., Cavalcante I.H.L., Bekmann-Cavalcante M.Z. & Nascimento J.A. (2008) Salinidade do substrato contendo biofertilizante para formação de mudas de maracujazeiro amarelo irrigado com água salina. Revista Caatinga, 21(2): 172–180.

Taiz L. & Zeiger E. (2009) Fisiologia Vegetal. 4º edição. Porto Alegre: Artmed. 719 p.

Taiz L., Zeiger E., Moller I.M. & Murphy A. (2017) Fisiologia vegetal. 6° edição. Porto Alegre: Artmed. 818 p.

Vieira M.F., Leite M.S.O., Grossi J.A.S. & Alvarenga E.M. (2004) Reproductive biology of Cryptostegia madagascariensis Bojer ex Decne. (Periplocoideae, Apocynaceae), an ornamental and exotic species of Brazil. Bragantia, 63(3): 325–334. http://dx.doi.org/10.1590/S0006-87052004000300002

Yang J., Zhang L., Hira D., Fukuzaki Y. & Furukawa K. (2011) Anammox treatment of high-salinity wastewater at ambient temperature. Bioresource Technology, 102: 2367–2372. https://doi.org/10.1016/j.biortech.2010.10.101




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v3i2.1274

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS