Aspectos epidemiológicos dos acidentes ofídicos ocorridos no estado do Piauí, Nordeste do Brasil, entre os anos de 2003 e 2017

Sâmia Caroline Melo Araújo, Etielle Barroso de Andrade

Resumo


Resumo: A região Nordeste possui o terceiro maior coeficiente médio de acidentes ofídicos do país, contudo, os perfis epidemiológicos e clínicos dos casos são ainda bastante escassos. Assim, o presente estudo tem como objetivo analisar os aspectos epidemiológicos e o coeficiente de incidência dos acidentes com serpentes ocorridos no Estado do Piauí, no período de 2003 a 2017. As informações sobre as ocorrências dos acidentes ofídicos nos municípios do Piauí e as variáveis epidemiológicas foram coletadas no Sistema de Informação de Agravos de Notificação, tendo como base de busca os anos de 2003 a 2017. As informações demográficas para calcular o coeficiente de incidência de cada município foram coletadas no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Foram notificados um total de 3.337 casos de acidentes ofídicos, dos quais 2.334 ocorreram com serpentes peçonhentas. A ocorrência de casos foi maior com o sexo masculino e a faixa etária de maior envolvimento foi de 20 a 39 anos. A maioria dos casos apresentou sintomatologia leve evoluindo para a cura completa, com o período de atendimento após o acidente de até três horas. As serpentes que mais causaram acidentes foram as do gênero Bothrops. Dos municípios piauienses, os que apresentaram maiores coeficientes médios de incidência foram Lagoa do Barro do Piauí, Dom Inocêncio e Capitão Gervásio Oliveira, todos localizados na região sudeste do estado. O levantamento desses dados mostra a escassez de estudos sobre esses acidentes no estado do Piauí e a importância do preenchimento correto das fichas de notificação para o desenvolvimento de ações efetivas por parte das autoridades competentes.

Palavras chave: Acidentes ofídicos, SINAN, Bothrops, IBGE

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque H.N., Costa T.B.G. & Cavalcante M.L.F. (2005) Estudo dos acidentes ofídicos provocados por serpentes do gênero Bothrops notificados no Estado da Paraíba. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 5(1): 1–7.

Albuquerque P.L.M.M., Junior G.S., Jacinto C.N., Lima C.B., Lima J.B., Veras M.S.B. & Daher E.F. (2013) Epidemiological profile of snakebite accidents in a metropolitan area of Northeast Brazil. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, 55(5): 347–51. http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46652013000500009

Almeida A.P., Abe A.S., Gasparini J. & Argôlo A.J.S. (2007) Os répteis ameaçados de extinção no Estado do Espírito Santo (p. 65–74). In: Passamani M. & Mendes SL. (Orgs). Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Estado do Espírito Santo. Vitória: Instituto de Pesquisas da Mata Atlântica. 140 p.

Barravieira B. (1999) Venenos: aspectos clínicos e terapêuticos dos acidentes por animais peçonhentos. Rio de Janeiro: EPUD. 411 p.

Bernarde O.S & Gomes J.O. (2012) Serpentes peçonhentas e ofidismo em Cruzeiro do Sul, Alto Juruá, Estado do Acre, Brasil. Acta Amazonica, 42(1): 65–72. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672012000100008

Bernarde P.S. (2011) Changes in the Brazilian Poisonous Snake Classification and their Implications in the Medical Literature. Gazeta médica da Bahia, 81(1): 55–63.

Bernarde P.S. (2019) Acidentes ofídicos. Apostila do Laboratório de herpetologia. Centro Multidisciplinar, Campus Floresta, UFAC-AC. Disponível em: http://www.herpetofauna.com.br/OfidismoBernarde.pdf (Acesso em 23 de junho 2019).

Bochner R. & Struchiner C.J. (2003) Epidemiologia dos Acidentes Ofídicos nos últimos 100 anos no Brasil: uma revisão. Caderno de Saúde Pública, 19(1): 7–16. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000100002

Bochner R. & Struchiner C.J. (2004) Aspectos ambientais e socioeconômicos relacionados à incidência de acidentes ofídicos no Estado do Rio de Janeiro de 1990 a 1996. Caderno de Saúde Pública, 20(4): 976–85. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000400012

Bonan P.R.F., Lima J.S., Martelli D.R.B., Silva M.S., Carvalho S.F.G., Silveira M.D., Marques L.C. & Júnior H.M. (2010) Perfil epidemiológico dos acidentes causados por serpentes venenosas no norte do estado de Minas Gerais, Brasil. Revista Médica de Minas Gerais, 20(4): 503–507.

Borges C.C., Sadahiro M. & Santos M.C. (1999) Aspectos epidemiológicos e clínicos dos acidentes ofídicos ocorridos nos municípios do Estado do Amazonas. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina, 32(6): 637–646. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86821999000600005

Brasil – Ministério da Saúde. (2001) Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. Brasília, DF: Fundação Nacional de Saúde. 120 p.

Brasil – Ministério da Saúde. (2005) Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. 6° edição. Brasília: Ministério da Saúde. 816 p.

Brasil – Ministério da Saúde. (2009) Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. 7° edição. Brasília: Ministério da Saúde. 816 p.

Brito A.C. & Barbosa I.R. (2012) Epidemiologia dos acidentes ofídicos no Estado do Rio Grande do Norte. ConScientiae Saúde, 11(4): 535–542.

Casais-e-Silva L.L. & Brazil T.K. (2009) Acidentes elapídicos no Estado da Bahia: estudo retrospectivo dos aspectos o dos aspectos epidemiológicos em uma série de 14 anos (1980-1993). Gazeta médica da Bahia, 79(Suplemento 1): 26–31.

Cunha V.P., Santos R.V.S.G., Ribeiro E.E.A., Filho A.L.M.M. & Marques R.B. (2019) Perfil epidemiológico de acidentes com animais peçonhentos no Piauí. Revinter, 12(1): 76–87. https://doi.org/10.22280/revintervol12ed1.399

D’Augustini F.M., Chagas F.B. & Beltrame V. (2011) Epidemiologia por acidentes com serpentes no município de Concórdia, SC no período de 2007 a 2010. Evidência, 11(1): 51–60.

Feitosa R.F.G., Melo I.M.L.A. & Monteiro H.S.A. (1997) Epidemiologia dos acidentes por serpentes peçonhentas no Estado do Ceará-Brasil. Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 30(4): 296–301. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86821997000400004

Gutiérrez J.M. (2011) Envenenamientos por mordeduras de serpientes en América Latina y el Caribe: Una visión integral de carácter regional. Boletín de Malariología y Salud Ambiental, 51(1): 1–16.

Gutiérrez J.M., Theakston R.D.G. & Warrell D.A. (2006) Confronting the Neglected Problem of Snake Bite Envenoming: The Need for a Global Partnership. PLOS Medicine, 3(6): e150. https://doi.org/10.1371/journal.pmed.0030150

Gutiérrez J.M., Higashi H.G., Wen F.H. & Burnouf T. (2007) Strengthening antivenom production in Central and South American public laboratories: report of a workshop. Toxicon, 49(1): 30–35. https://doi.org/10.1016/j.toxicon.2006.09.005

Harrison R., Hargreaves A., Wagstaff S.C., Faragher B. & Lallo D.G. (2009) Snake Envenoming: A Disease of Poverty. PLOS Neglected Tropical Diseases, 3(12): e569. https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0000569

IBGE (2017) Produção Agrícola Municipal 2016. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pi/panorama (Acessado em 16/06/2019).

Lemos J.C., Almeida D., Fook S.M.L., Paiva A.A. & Simões M.O.S. (2009) Epidemiologia dos acidentes ofídicos notificados pelo Centro de Assistência e Informação Toxicológica de Campina Grande (Ceatox-CG), Paraíba. Revista Brasileira de Epidemiologia, 12(1): 50–59. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2009000100006

Lima A.C.F.S., Campos C.E.C. & Ribeiro J.R. (2009) Perfil epidemiológico dos acidentes ofídicos do Estado do Amapá. Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 42(3): 329–335. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822009000300017

Lira-da-Silva R.M., Mise Y.F., Brazil T.K., Casasi-e-Silva L.L. & Carvalho F.M. (2009) Morbimortalidade por ofidismo no Nordeste do Brasil (1999-2003). Gazeta médica da Bahia, 79(Suplemento 1): 21–25.

Lucas E.P.R. (2009) Estudo interlaboratorial para o estabelecimento do veneno botrópico e do soro antibotrópico de referência nacional. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Vigilância Sanitária. Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, Rio de Janeiro.

Oliveira N.R., Sousa A.C.R., Belmino J.F.B., Furtado S.S. & Leite R.S. (2015) The epidemiology of envenomation via snakebite in the State of Piauí, Northeastern Brazil. Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 48(1): 99–104. http://dx.doi.org/10.1590/0037-8682-0173-2014

Pinho F.M.O. & Pereira I.D. (2001) Ofidismo. Associação Médica Brasileira, 47(1): 24–29.

Pinho F.M.O., Oliveira E.S. & Faleiros F. (2004) Acidente ofídico no estado de Goiás. Associação Médica Brasileira, 50(1): 93–96.

Ribeiro L.A. & Jorge M.T. (1997) Acidente por serpentes do gênero Bothrops: série de 3.139 casos. Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 30(6): 475–480. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86821997000600006

Rojas C.A., Gonçalves M.R. & Almeida-Santos S.M. (2007) Epidemiologia dos acidentes ofídicos na região noroeste do estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, 8(3): 193–204.

Salomão M.G., Albolea A.B.P., Gonçalves E.S. & Santos S.M.A. (2005) Animais peçonhentos no município de Guarulhos, São Paulo, Brasil: incidência de acidentes e circunstâncias com vistas a sua prevenção. Publicações Avulsas do Instituto Pau Brasil de História Natural, 8(9): 77–83.

Saraiva M.G., Oliveira D.S., Filho G.M.C.F., Coutinho L.A.S.A. & Guerreiro J.V. (2012) Perfil epidemiológico dos acidentes ofídicos no Estado da Paraíba, Brasil, 2005 a 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 21(3): 449–456. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742012000300010

SINAN (2017) Acidentes por animais peçonhentos. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinannet/cnv/animaispi.def (Acessado em 09/09/2019).

Sousa R.S., Costa K.M.F.M., Câmara I.M.B., Oliveira G.B., Moura E.S.R., Fonseca Z.A.A.S., Moreira J.O. & Leite A.I. (2013) Aspectos epidemiológicos dos acidentes ofídicos no município de Mossoró, Rio Grande do Norte, no período de 2004 a 2010. Revista Patologia Tropical, 42(1): 105–113.

Tavares A.V. (2016) Estudo epidemiológico e clínico dos casos de acidentes ofídicos no Estado do Rio Grande do Norte. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais e Biotecnologia. Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, Paraíba.

Waldez F. & Vogt R.C. (2009) Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos em comunidades ribeirinhas do baixo rio Purus, Amazonas, Brasil. Acta Amazonica, 39(3): 681–92. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672009000300025




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v3i2.1265

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS