Diversidade fúngica no ar de centros comerciais em Fortaleza, Ceará

Josiany Costa de Souza, Ane Teles Reis, Jonas Felipe da Silva Araujo, Karine Silva Pimentel, Itatiaia Sampaio Souza, Marcos Adelino Almeida Filho, Lydia Dayanne Maia Pantoja, Germana Costa Paixão

Resumo


Resumo: A presente pesquisa investigou a diversidade fúngica no ar de dois centros comercias com climatização natural, sendo um centro comercial de gestão particular (CCPa) e outro de gestão pública (CCPu), com intuito de analisar a qualidade de ar no ambiente construído. Realizou-se durante o período de um ano coletas mensais de ar, por meio da técnica de sedimentação passiva em placas de Petri para isolamento e contagem global de colônias de gêneros fúngicos anemófilos. Os dados climáticos foram fornecidos pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos. Foram isolados maior quantidade e diversidade de gêneros fúngicos no CCPa do que no CCPu. Os espaços com maior presença fúngica foram os estacionamentos e os andares térreos, devido a características peculiares como menor renovação do ar e presença de unidade alimentar. Os fungos filamentosos hialinos, representados pelos gêneros Acremonium, Aspergillus, Chrysonilia, Fusarium e Penicillium estiveram presentes em todos os ambientes, possivelmente motivados por sua distribuição ubíqua. Não foi possível estabelecer relação deles com as condições climáticas. A partir desses dados afirma-se a necessidade do monitoramento periódico da qualidade do ar em centros comerciais, podendo fornecer aos seus gestores medidas remediadoras, propondo manter o equilíbrio com o bem-estar das pessoas que usam/transitam no ambiente.

Palavras chave: Fungos, ambiente construído, qualidade do ar, Aerobiologia.


Texto completo:

PDF

Referências


Agarwal R. & Chakrabarti A. (2010) Epidemiology of allergic bronchopulmonary Aspergillosis (p. 671-688). In: Pasqualotto A.C. (Ed.). Aspergillosis: from diagnosis to prevention. New York: Springer Science. Biomedical and Life Sciences. 1027 p.

Alves K.M. da S., Alves A.E.L. & Silva F.M. (2009) Poluição do ar e saúde nos principais centros comerciais da cidade de Natal/RN. Holos, 4(25): 81–95. DOI: 10.15628/holos.2009.349

Basto J.E. (2007) Qualidade do ar interno. Itajaí, SC, Brasil. [citado 2017/out/14]. Disponível em: http://www.anest.org.br/ (Acessado em 10/09/2019).

Bluyssen P.M. (2009) Towards an integrative approach of improving indoor air quality. Building and Environment, 44: 1980–1989. DOI: 10.1016/j.buildenv.2009.01.012

Bogomolova E. & Kirtsideli I. (2009) Airborne fungi in four stations of the St. Petersburg Underground railway system. International Biodeterioration and Biodegradation, 63: 156–160. DOI: 10.1016/j.ibiod.2008.05.008

Cabral J.P.S. (2010) Can we use indoor fungi as bioindicators of indoor air quality? Historical perspectives and open questions. Science Total Environmental, 408(20): 4285–4295. DOI: 10.1016/j.scitotenv.2010.07.005

Costa G.M.S. & Machado A.M.B. (2015) Qualidade microbiológica do ar interno de uma creche pública no município de Santa Rita do Sapucaí – MG. Revista Científica da FEPI, 8(especial): 1–10.

Degobbi C.M. & Gambale W. (2008) Síndrome dos Edifícios Doentes. Microbiologia in Foco, 4(2): 19–32.

Flores L.H. & Onofre S.B. (2010) Determinação da presença de fungos anemófios e leveduras em Unidade de Saúde da cidade de Francisco Beltrão–PR. Revista Saúde e Biologia, 5(2): 22–26.

Henriques B.M.S. (2009) Insuflação e extracção de ar em parques de estacionamento subterrâneo. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica. Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa. Lisboa, Portugal.

Hoog G.S., Guarro J., Gené J. & Figueiras M.J. (2000) Atlas of Clinical Fungi. 2° edition. Baarn/Delft: Centraalbureau voor Schinmelculture/Universitat Rovira i Virgilli. 1126 p.

Inmetro. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. (2018) Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo. [citado 2018 mar 18]. Disponível em: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/qualidadedoAr.asp#normas (Acessado em 10/09/2019).

Pantoja L.D.M., Rizzo R.S., Carvalho B.S., Ferreira V.C., Galas K.S., Fonseca F.R.M. & Paixão G.C. (2012) Constituição da micobiota aérea de bibliotecas públicas no município de Fortaleza, estado do Ceará, Brasil. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 17(34): 31–41. DOI: 10.5007/1518-2924.2012v17n34p31

Pei-Chin W., Huey-Jen S. & Chia-Yin L. (2000) Characteristics of indoor and outdoor airbone fungi at suburban and urban homes in two seasons. The Science of the Total Environment, 253: 111–118. DOI: 10.1016/S0048-9697(00)00423-X

Pimentel K.S., Souza J.C., Araujo L.M.M., Pantoja L.D.M. & Paixão G.C. (2016) Influência das atividades humanas na dispersão aérea de fungos demáceos em zona urbana. Ciências & Tecnologia: FATEC-JB, 8(especial): 1–11.

Quadros M.E. (2008) Qualidade do ar em ambientes internos hospitalares: parãmetros físico-químicos e microbiológicos. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina.

Rego C.M. & Santos F.S. (2015) Ocorrência de fungos anemófilos e sua relação com fatores abióticos em Barreiras, Bahia. Revista Brasileira de Biociências, 13(4): 265–271.

Schossler I., Santana E.R.R. & Spinelli R. (2015) Avaliação de qualidade do ar interior em relação às características de ventilação das edificações. Revista Destaques Acadêmicos, 7(4): 230–243.

Sidrim J.J.C. & Rocha M.F.G. (2004) Micologia Médica à Luz de Autores Contemporâneos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 476 p.

Solomon G.M., Koski M.H., Ellman M.R. & Hammond S.K. (2006) Airborne mold and endotoxin concentrations in New Orleans, Louisiana, after flooding, October through November 2005. Environ Health Perspect, 114(9): 1381–1386. DOI: 10.1289/ehp.9198

Statholoupou I., Assimakopoulos V.D., Flocas V.A. & Helmis C.G. (2008) An experimental study of air quality inside large atheletichalls. Building an Enviromment, 43(5): 793–803. DOI: 10.1016/j.buildenv.2007.01.026

Suliano D.C., Magalhães K.A. & Soares R.B. (2009) A influência do clima no desempenho da economia cearense. Textos para Discussão do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE). Disponível em: https://www.ipece.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/45/2014/0

/TD_56.pdf (Acesso em 02/08/2019).

Sunyer J., Suades-González E., García-Esteban R., Rivas I., Pujol J., Alvarez-Pedrerol M., Forns J., Querol X. & Basagañaa X. (2017) Traffic-related Air Pollution and Attention in  Primary School Children. Epidemiology, 28(2): 181–189. DOI: 10.1097/EDE.0000000000000603

Teresa D.B., Ponsoni K. & Raddi M.S.G. (2001) Bioaerossóis em Ambientes do Prédio Tradicional da Faculdade de Ciências Farmacêuticas – UNESP. Revista de Ciências Farmacêuticas, 22(1): 31–39.

Van Leuken J.P.G., Swart A.N., Droogers P., Pul A., Heederik D. & Havelaar A.H. (2016) Climate change effects on airborne pathogenic bioaerosol concentrations: a scenario analysis. Aerobiologia, 32: 607–617. DOI: 10.1007/s10453-016-9435-5




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v3i2.1258

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS