Semeadura e curva de absorção de água em sementes com e sem alas de Pajeú

Maria Valnice de Souza Silveira, Sinara Barbosa Sousa, Wellington Marcos Soares da Silva, Raimundo Gleidison Lima Rocha, Maria Clarete Cardoso Ribeiro

Resumo


Este estudo teve como objetivo avaliar a taxa de emergência de plântulas sob diferentes profundidades de semeadura e analisar a curva de absorção de água, em ambos utilizando-se sementes com e sem alas de Pajeú.  Os dois experimentos foram conduzidos no Campus das Auroras da UNILAB, em Redenção-CE e o delineamento estatístico utilizado foi o inteiramente casualizados. No primeiro experimento, na semeadura utilizou-se o esquema fatorial (2x3), constituído de sementes com e sem alas, e três diferentes profundidades de semeadura (1 cm, 3 cm e 5 cm), com 4 repetições de 25 sementes cada tratamento. No segundo experimento, foi realizado a embebição em sementes (no laboratório), constituídos  por 5 repetições de 20 sementes com e sem alas, respectivamente, submetidas a período de 30 horas. As variáveis analisadas foram: Peso de mil sementes, curva de embebição. Aos 27 dias após semeadura, logo após a última contagem de emergência foi realizada a coleta das plântulas para a avaliação, comprimento da radícula (CR) e massa seca da plântula (MS). Sementes de Pajeú semeadas com alas nas profundidades de 1 e 3 centímetros é adequada para o incremento da taxa de emergência. A submissão a embebição de sementes com e sem alas em água não acelerou a germinação, no entanto, recomenda-se novas pesquisas com as sementes de Pajeú, obedecendo um período maior de embebição.


Palavras-chave


plantas silvestres, vigor, Triplaris gardneriana

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO NETO, J.C.; TEIXEIRA, J.D.; NEVES, M.I.R.S.; MELO, L.D.F.A.; FERREIRA, V.M. Caracterização morfométrica, germinação e conservação de sementes de Triplaris brasiliana cham.(polygonaceae). Ciência Florestal, v. 28, n. 3, p. 949-959, 2018.

BEWLEY, J.D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. New York: Plenum Press, 1994. 445 p. New York: Plenum Press, 1994. 445 p.

BFG. 2015. Growing knowledge: an overview of Seed Plant diversity in Brazil. Rodriguésia 66: 1085-1113, 2015.

BRASIL, Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Peso de mil sementes. In: Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV, 2009. cap.12, p.345-347.2009.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV .365p, 1992.

FARIAS, D. F. et al. Antibacterial, antioxidant, and anticholinesterase activities of plant seed extracts from Brazilian semiarid region. BioMed Research International, v. 2013, 2013.

FERRAZ, I.D.K.; CALVI, G.P. Teste de germinação. In: LIMA JUNIOR, M. J. V. (ed.) Manual de procedimentos para análise de sementes florestais. UFAM - Manaus-Amazonas, Brasil. cap 5 p. 55-122. 2010.

LABOURIAU, L.G.; VALADARES M.E.B. On the germination of seeds of Calotropis procera (Ait) Ait. f. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v.48, n.2, p.236-284. 1976.

LEITE, Jussara Barbosa. Semeadura direta de 36 espécies nativas em área de pastagem abandonada no Distrito Federal. 2017.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. São Paulo: Nova Odessa, 2002. 386 p.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

McDONALD, M.B.Jr.; VERTUCCI, C.W.; ROOS, E.C.Soybean seed imbibition: water absorption by seed parts. Crop Science, v.28, p.993-997, 1988.

MOTTA, M.S.; DAVIDE, A.C.; FERREIRA, R.A. Longevidade de sementes de mutamba (Guazuma ulmifolia Lam. – Sterculiaceae) no solo em condições naturais. Revista brasileira de sementes. vol.28, n.2, Pelotas 2006.

NETO, J.C.A.; TEIXEIRA, J.D.; NEVES, M.I.R.S.; MELO, L.D.F.A.; FERREIRA, V.M. Caracterização morfométrica, germinação e conservação de sementes de Triplaris brasiliana Cham. (polygonaceae). Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 3, p. 949-959, jul.- set., 2018.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados na avaliação de plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA-NETO, J.B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. p.2:1- 2:21.

NASSIF, S.M.L.; VIEIRA, I.G.; FERNADES, G.D. (LARGEA/). Fatores Externos (ambientais) que Influenciam na Germinação de Sementes. Piracicaba: IPEF/LCF/ESALQ/USP, Informativo Sementes IPEF, Abr-1998.

OLIVEIRA, A..C.S.; MARTINS, C.N.; SILVA, R.F.; VIEIRA, H.D. Testes de vigor em sementes baseados no desempenho de plântulas. Inter Science Place, v. 1, n. 4, 2009.

PEREIRA, M.S. Manual técnico conhecendo e produzindo sementes e mudas da caatinga Fortaleza: Associação Caatinga, 2011 60 p. Disponível em:< https://www.acaatinga.org.br/wp-content/uploads/ManualT%C3%A9cnicoProdu%C3%A7%C3%A3odeSementeseMudas.pdf> Acesso em: 11 de fev. de 2020.

JÚNIOR, L.R.P.; ANDRADE, A.P.; ARAÚJO, K.D.; BARBOSA, A.S. BARBOSA, F.M. Espécies da caatinga como alternativa para o desenvolvimento de novos fitofármacos. Floresta e Ambiente, v. 21, n. 4, p. 509-520, 2014.

PIÑA-RODRIGUES, F.C.M.; MARTINS, R.B. Dormência: conceito, tipos e formas de superação. In: MARTINS, R. B. (Org.). Sementes florestais: guia para germinação de 100 espécies nativas. 1 ed. São Paulo: Instituto Refloresta, 2012. p. 19-26.

REIS, P.S.; ABREU, A.C.G.; MORAIS, R.D.; BALIEIRO, D.C.; FERNANDES, S.S.L.; PEREIRA, Z.V. Efeito de diferentes substratos na germinação das sementes de Triplaris americana L. (Poligonaceae). Cadernos de Agroecologia – ISSN 2236-7934 – Vol 7, No. 2, Dez 2012.

ROCHA, R.G.L.; RIBEIRO, M.C.C.; SILVA, F.D.B. Desenvolvimento inicial do feijão guandu em diferentes profundidades e posições da semente na vagem. Agropecuária Científica no Semiárido, v.13, n.4, p.297-301, 2017.

SILVA, F.A.S.E.; AZEVEDO, C.A.V. The Assistat Software Version 7.7 and its use in the analysis of experimental data. Afr. J. Agric. Res, v.11, n.39, p.3733-3740, 2016.

SILVA, S.G. Disseminação de sementes. Universidade Federal de Uberlândia. Portal do professor, 2010. Disponível em: . Acesso em: 11 de fev. de 2020.

PEREZ, S.C.J.G.A.; FANTI, S.C.; CASALI, C.A. Influência do armazenamento, substrato, envelhecimento precoce e profundidade de semeadura na germinação de canafístula. Bragantia, Campinas, 58(1):57-68, 1999. Disponível em: . Acesso em: 27 de fev. de 2020.

SOUSA, Albanise Ferreira et al. CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DE Triplaris surinamensis Cham.(TACHI PRETO DA Ví RZEA): FENOLOGIA, BIOMETRIA E GERMINAÇÃO DE SEMENTES. Revista de Ciências Agrárias Amazonian Journal of Agricultural and Environmental Sciences, v. 49, n. 1, p. 9-20, 2008.

SOUSA, A.H.; RIBEIRO, M.C.C.; MENDES, V.H.C.; MARACAJÁ, P. B.; COSTA, D. M. Profundidades e posições de semeadura na emergência e no desenvolvimento de plântulas de moringa. Revista Caatinga, Mossoró, v. 20, n. 4, p. 56-60, 2007.

TORRES, I.C. Presença e tipos de dormência em sementes de espécies arbóreas da Floresta Ombrófila Densa. 2008. 65 f. Dissertação (Pós-graduação em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Santa Catarina.




DOI: http://dx.doi.org/10.30969/acsa.v17i1.1208

Apontamentos

  • Não há apontamentos.