Indicadores microbiológicos de qualidade do solo em recuperação de um sistema agroflorestal

Resumo

A verificação da qualidade do solo é um instrumento importante para monitorar a sua degradação, e planejar a implantação de práticas sustentáveis de manejo. Este estudo teve como objetivo avaliar a qualidade do solo em três áreas com sistema agroflorestal localizadas na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE RURAL) de Campo Mourão, Paraná. As três áreas apresentam estágios distintos: uma inicial, com características de atividade de degradação do solo (Área 1); uma intermediária, onde foi implantado o sistema agroflorestal há um ano (Área 2); e uma avançada, apresentando formação florestal mais madura e perene (Área 3). Foram utilizados três grupos funcionais de microrganismos em cada uma das áreas, sendo eles: fungos totais, bactérias aeróbias e bactérias produtoras de celulase. Todos os microrganismos foram quantificados por Unidades Formadoras de Colônia por grama (UFC/g) de solo diluído. A Área 1 exibiu menor abundância de microrganismos totais, na ordem de 105 UFC; Área 2 apresentou composição intermediária de fungos totais, bactérias aeróbias e bactérias produtoras de celulase, com UFC em torno de 107 para os três grupos funcionais; Área 3 apresentou maior quantidade dos microrganismos em estudo, com maior quantidade de fungos (108), bactérias aeróbias (1010) e bactérias produtoras de celulase (1011). Quando comparadas as áreas dentro de cada grupo funcional, destacou-se a menor quantidade de bactérias aeróbias na Área 1 (107), assim como maior quantidade de bactérias produtoras de celulase na Área 3 (1011). Esses resultados mostram que as áreas têm qualidades distintas em relação a micro-organismos. A Área 1 com menos micro-organismos, a Área 2 com quantidades intermediárias e a Área 3 com mais colônias formadas conforme o esperado devido ao tempo de implantação do sistema agroflorestal em cada área.

Referências

Alvares, C.A.; Stape, J.L.; Sentelhas, P.C.; Golcalves, J.L.M.; Sparovek, G. 2013. Koppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22(6): 711-728.
Arantes P.B.; Righi, C.A.; Bosi, C.; Domenico, C.I.; Galvez, V.A.R. 2017. Agroflorestas familiares no vale do ribeira: diagnóstico produtivo, estratégias e desafios. REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, Araraquara.
Bordignon, A.J.; Delfino, E.R.; Martins, N.M.; Silva, R.F.; Batistote, M. 2012. Quantificação da microbiota de solos fertirrigados com vinhaça. Cadernos de Agroecologia, 7(2).
Butenschoen, O.; Scheu, S.; Eisenhauer, N. 2011. Interactive effects of warming, soil humidity and plant diversity on litter decomposition and microbial activity. Soil Biology and Biochemistry, 43: 1902-1907.
Cardoso, E.L.; Silva, M.L.N.; Moreira, F. M. de S.; Curi, N. 2009. Atributos biológicos indicadores da qualidade do solo em pastagem cultivada e nativa no Pantanal. Pesquisa agropecuária brasileira, 44(6): 631-637.
Cherubin, M.R.; Eitelwein, M.T.; Fabbris, C.; Weirich, S.W.; Silva, R.F.; Silva, V.R.; Basso, C.J. 2015. Qualidade física, química e biológica de um Latossolo com diferentes manejos e fertilizantes. Revista Brasileira Ciência do Solo, 39: 615-625.
Cunha, E.Q.; Stone, L.F.; Ferreira, E.P.B.; Didonet, A.D.; Moreira, J.A.A. 2012. Atributos físicos, químicos e biológicos de solo sob produção orgânica impactados por sistemas de cultivo. Revista brasileira de engenharia agrícola e ambiental, 16: 56-63.
De Mari, C. L.; Tavares, P.D.V.B.; Fonseca, V.M. 2017. Alimentos, saberes e educação para o “bem viver”: os camponeses um passo adiante. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental 34(3): 37-54.
Duboiss, J.C.L.; Viana, V.M.; Anderson, A.B. 1996. Manual agroflorestal para a Amazônia. Rio de Janeiro: REBRAF, 228p.
Ferreira, E.P.B.; Stone, L.F.; Martin-Didonet, C.C.G. 2017. População e atividade microbiana do solo em sistema agroecológico de produção. Revista Ciência Agronômica, 48: 22-31.
Fidelis, R.R.; Alexandrino, C.M. S.; Silva, D.B. Sugai, M.A.A.; Silva, R.R. 2016. Indicadores biológicos de qualidade do solo em culturas intercalares ao pinhão manso. Applied Research & Agrotechnology, 9(3): 87-95.
Gama-Rodrigues, A.C.; Gama-Rodrigues, E.F.; Barros, N.F. 2008. Balanço de carbono e nutrientes em plantio puro e misto de espécies florestais nativas no sudeste da Bahia. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 32(3): 1165-1179.
Heger, T.J.; Imfeld, G.; Mitchell, E.A.D. 2012. Special issue on “Bioindication in soil ecosystems”: Editorial note. European Journal of Soil Biology, 49: 1-4.
Kaschuk, G.; Alberton, O.; Hungria, M. 2011. Quantifying effects of different agricultural land uses on soil microbial biomass and activity in Brazilian biomes: inferences to improve soil quality. Plant Soil, 338: 467-481.
Kaschuk, G.; Alberton, O.; Hungria, M. 2010. Three decades of soil microbial biomass studies in Brazilian ecosystems: Lessons learned about soil quality and indications for improving sustainability. Soil Biology & Biochemistry, 42: 1-13.
Lisboa, F.J.G.; Chaer, G.M.; Jesus, E.C.; Faria, S.M.; Gonçalves, F.S.; Santos, F.M.; Castilho, A.F.; Berbara, R.L.L. 2013. The influence of litter quality on the relationship between vegetation and below-ground compartments: a Procrustean approach. Plant and Soil, 367: 551-562.
Madigan, M.T., Martinko, J. M., Dunlap, P.V., Clark, D.P. 2010. Microbiologia de Brock. 12ª. Ed. Editora Artmed, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, p1160.
Mascarenhas, A.R.P.; Sccoti, M.S.V.; Melo, R.R.; Corrêa, F.; Luíz O.; Souza, E.F.M.; Andrade, R.A.; Bergamin A.C.; Muller, M.W. 2017. Atributos físicos e estoques de carbono do solo sob diferentes usos da terra em Rondônia, Amazônia Sul-Ocidental. Pesquisa florestal brasileira, 37(89): 19-27.
Melo, V.F.; Silva, D.T.; Evald, A.; Rocha, P.R.R. 2017. Chemical and biological quality of the soil in different systems of use in the savanna environment. Revista Agro@mbiente on-line, 11(2): 101-110.
Mendes I.C.; Junior, F.B.R. 2012. Uso de parâmetros microbiológicos como Indicadores para avaliar a qualidade do solo e a sustentabilidade dos agroecossistemas. Embrapa Cerrados, Documentos 112. p34.
Oliveira, L.G.; Batalha, M.O.; Pettan, K.B. 2017. Comparative assessment of the food purchase program and the national school feeding program’s impact in Ubá, Minas Gerais, Brazil. Ciência Rural, Santa Maria, 47: 01-06.
Paradelo, R.; Moldes, A.B.; Barral, M.T. 2009. Properties of slate mining wastes incubated with grape marc compost under laboratory conditions. Waste Management, 29: 579-584.
Righi, C.A; Bernardes, M.S. 2015. Sistemas Agroflorestais: definição e perspectivas. Cadernos da Disciplina de Sistemas Agroflorestais, 1: 1-5.
Roderjan, C.V.; Galvão F.; Kuniyoshi, Y.S.; Hatschbach, G.G. 2002. As unidades fitogeográficas do estado do paraná, Brasil. Ciência e Ambiente, 24: 42-75.
SAMBROOK, J.; RUSSEL, D.W. 2001. Molecular cloning. A laboratory manual. 3.ed. New York: Cold Spring Harbor Laboratory Press, 2100p.
Stöcker, C.M., Monteiro, A.B., Bamberg, A.L., Cardoso, J.H., Morselli, T.B.G.A.; Lima, A.C. R. 2017. Bioindicadores da qualidade do solo em sistemas agroflorestais. 14ª Jornada de Pós-Graduação e Pesquisa,
Stursová, M.; Baldrian, P. 2011. Effects of soil properties and management on the activity of soil organic matter transforming enzymes and the quantification of soil-bound and free activity. Plant and Soil, 338: 99-110.
Xiao, H.; Li, Z; Chang, X.; Huang, J.; Nie, X.; Liu, C.; Liu, L.; Wang, D.; Dong, Y.; Jiang, J. 2017. Soil erosion-related dynamics of soil bacterial communities and microbial respiration. Applied Soil Ecology, 119: 205-213.
Zhang, L; Zhao, H.; Gan, M.; Jin, Y.; Gao, X., Chen, Q.; Guan, J., Wang, Z. 2010. Application of simultaneous saccharification and fermentation (SSF) from viscosity reducing of raw sweet potato for bioethanol production at laboratory, pilot and industrial scales. Bioresource Technology, 2: 4573-4579.
Publicado
2018-05-28
Como Citar
BUENO, Paulo Agenor Alves et al. Indicadores microbiológicos de qualidade do solo em recuperação de um sistema agroflorestal. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 40-44, maio 2018. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/96>. Acesso em: 21 out. 2018. doi: https://doi.org/10.22571/2526-433896.
Seção
Agroecologia