Indicadores socioambientais de focos do Aedes aegypti no extremo sul de Santa Catarina

  • Ivan Merêncio Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes e Gestão Territorial, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Florianópolis http://orcid.org/0000-0003-1288-124X
  • Fabiane Andressa Tasca Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Florianópolis http://orcid.org/0000-0002-3757-1339
  • Carlos Antônio Oliveira Vieira Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Florianópolis http://orcid.org/0000-0003-4047-8466

Resumo

Esta pesquisa analisou a distribuição espacial de focos do Aedes aegypti encontrados em 2016 na área de abrangência da Associação de Munícipios do Extremo Sul Catarinense (AMESC) e comparou com indicadores socioambientais (precipitação, temperatura, saneamento básico e população). Todos os dados são secundários, disponibilizados por diferentes órgãos governamentais. Foram observados 44 focos distribuídos em 6 municípios, sendo que o município Passo de Torres concentrou 61% desses focos. Esta cidade faz fronteira com o Estado do Rio Grande do Sul, região afetada, e, assim como os demais municípios com alto índice de infestação, é atravessada longitudinalmente pela BR-101. Isto pode indicar que a BR-101 é o principal meio de dispersão do vetor. Há maior ocorrência do vetor nas estações mais quentes (verão e outono), entretanto, não foi observada correlação com a precipitação, ainda que em 2016 esta superou a média histórica da região. Apesar da boa cobertura do abastecimento de água, não há dados sobre resíduos, tampouco sobre o esgotamento na região. Assim, a indisponibilidade de dados específicos de saneamento prejudicou uma análise detalhada de aspectos relacionados a esse indicador. Embora estas informações possam ser utilizadas pelos gestores públicos para definição de diretrizes de combate ao mosquito, são necessárias maiores complementações em nível local.

##plugins.generic.usageStats.downloads##

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil; 2014. Ministério da Saúde atualiza dados sobre casos de dengue. Acesso em 07/11/2017.
Brasil; 2017a. Ministério da Saúde; 2017a. Boletim Epidemiológico, nº 3, Volume 48. Acesso em 07/10/2017.
Brasil; 2017b. Orientação para profissionais de saúde sobre febre amarela silvestre. Portal da Saúde. Acesso em 12/11/2017.
Brasil; 2017c. Centro de operações de emergências em saúde pública sobre febre amarela. Ministério da Saúde. Acesso em 12/11/2017.
Cabral, J. de A.; Freitas, M.V. de. 2012. Distribuição Espacial e Determinantes Socioeconômicos e Demográficos da Dengue nos Municípios Brasileiros. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, 6(1): 81-95.
CEVS (Centro Estadual de Vigilância em Saúde); 2017. Informativo Epidemiológico Dengue, Chikungunya, Zika Vírus e Microcefalia. Acesso em 01/10/2017.
Costa, F.S., Silva, J.J.D., Souza, C.M.D., & Mendes, J. 2008. Dinâmica populacional de Aedes aegypti (L) em área urbana de alta incidência de dengue. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 41(3) 309-12.
Dive/SC - Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina; 2017. Boletim Epidemiológico n° 37/2016 Situação da dengue, febre do chikungunya e zika vírus em Santa Catarina. Acesso em 07/11/2017.
Dive/SC - Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina; 2018. Boletim Epidemiológico n° 26/2017 Vigilância entomológica do Aedes aegypti e situação epidemiológica da dengue, febre de chikungunya e zika vírus em Santa Catarina. Acesso em 14/03/2018.
Flauzino, R.F., Souza-Santos, R., & de Oliveira, R.M. 2011. Indicadores socioambientais para vigilância da dengue em nível local. Revista Saúde e Sociedade, 20(1) 225-240.
Freitas, R.M. de; Lorenço, R.L. de. 2009. Presumed unconstrained dispersal of Aedes aegypti in the city of Rio de Janeiro, Brazil. Revista Saúde Pública, 43(1) 8-12.
FUNASA - Fundação Nacional de Saúde; 2017. Portal do Saneamento Básico. Acesso em 01/08/2017.
Gianuca, K.S.; Tagliani, C.R.A. 2011. Análise em um Sistema de Informação Geográfica (SIG) das alterações na paisagem em ambientes adjacentes a plantios de pinus no Distrito do Estreito, município de São José do Norte, Brasil. Revista de Gestão Costeira Integrada, 12(1) 43-55.
Heckmann, M.I.O. 2012. Dengue: Aspectos Epidemiológicos e o primeiro surto ocorrido na região do Médio Solimões, Coari–Amazonas, no período de 2008-2009. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 44(4) 471-474.
Hidroweb; 2016. Séries Históricas. Acesso em 02/08/2017.
IBGE Cidades; 2017. Estimativa populacional de 2017. Acesso em 02/07/2017.
Inmet; 2017. Normais climatológicas para o período 1960 - 2004. Acesso em 23/Mai/2017.
Leite, M. E., Fonseca, D. D. S. R., & Braz, C. K. R 2008. Uso do SIG na análise da dengue: aplicação na microrregião de Montes Claros/Bocaiúva, Minas Gerais, Brasil. Hygeia: Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 3(6) 126-141.
Marinho, R.A. 2013. Ecobiologia de Aedes aegypti (L.1762) (Diptera: Culicidae) associada a fatores climáticos em três mesorregiões da Paraíba. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós Graduação em Ecologia e Conservação / Universidade Estadual da Paraíba , Campina Grande, Paraíba. 76p.
Marteis, L.S., Steffler, L.M., Araújo, K.C.G.M.D., & Santos, R.L.C.D. 2013. Identificação e distribuição espacial de imóveis-chave de Aedes aegypti no bairro Porto Dantas, Aracaju, Sergipe, Brasil entre 2007 e 2008. Cad. Saúde Pública, 29(2) 368-378.
Scandar, S.A.S., Vieira, P., Cardoso Junior, R.P., Silva, R.A.D., Papa, M., & Sallum, M.A.M. 2010. Dengue em São José do Rio Preto, Estado de São Paulo, Brasil, 2005: fatores entomológicos, ambientais e socioeconômicos. BEPA, Bol. epidemiol. paul. 7(81) 04-16.
Schaffner, F.; Mathis, A. 2014. Dengue and dengue vectors in the WHO European region: past, present, and scenarios for the future. The Lancet Infectious Diseases, 14(12) 1271-1280.
Segurado, A.C., Cassenote, A.J., & Luna, E.D.A. 2016. Saúde nas metrópoles - Doenças infecciosas. Estudos Avançados. Revista Estudos Avançados, 30(86) 29-49.
SNIS - Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento; 2017. Acesso em 07/Nov/2017.
Viana, D.V.; Ignotti, E. 2013. A ocorrência da dengue e variações meteorológicas no Brasil: revisão sistemática. Revista Brasileira de Epidemiologia, 16(2) 240-256.
Zara, A.L.D.S.A., Santos, S.M.D., Fernandes-Oliveira, E.S., Carvalho, R.G., & Coelho, G.E. 2016. Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 25(2), 391-404.
Publicado
2018-05-28
Como Citar
MERÊNCIO, Ivan; TASCA, Fabiane Andressa; VIEIRA, Carlos Antônio Oliveira. Indicadores socioambientais de focos do Aedes aegypti no extremo sul de Santa Catarina. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 53-57, maio 2018. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/87>. Acesso em: 13 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.22571/2526-433887.
Seção
Ecologia