Socio-environmental indicators of Aedes aegypti breeding sites in the southern extremity of Santa Catarina state

  • Ivan Merêncio Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes e Gestão Territorial, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Florianópolis http://orcid.org/0000-0003-1288-124X
  • Fabiane Andressa Tasca Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Florianópolis http://orcid.org/0000-0002-3757-1339
  • Carlos Antônio Oliveira Vieira Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Florianópolis http://orcid.org/0000-0003-4047-8466

Abstract

This research analyzed the spatial distribution of Aedes aegypti breeding sites found in 2016 in the fifteen cities of the Municipalities Association of the Extreme South of Santa Catarina (AMESC). These data were compared with socioenvironmental indicators (rainfall, temperature, basic sanitation and population). All data are secondary, available by different government agencies. A total of 44 mosquitoes breeding sites were observed throughout 6 cities, and the Passos de Torres city concentrated 61% of them. This city has a frontier with Rio Grande do Sul State, an affected region, and it is crossed longitudinally by the BR-101 highway, as well as other cities with a high rate of infestation. This may indicate that BR-101 is the main means of vector dispersion.  A higher occurrence vector in the warmer seasons (summer and autumn) was observed, there was no correlation to precipitation, although it rained more in 2016 than the historical average to the study area. Despite the good coverage of the water supply, there is no data about solid waste for the cities most affected, nor about the sanitary sewage in the region. So, the unavailability of specific data on sanitation impaired a detailed analysis about this indicator. This information can be used by public managers for the definition of Aedes aegypti control guidelines, but more complementarities are needed at the local level.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Brasil; 2014. Ministério da Saúde atualiza dados sobre casos de dengue. Acesso em 07/11/2017.
Brasil; 2017a. Ministério da Saúde; 2017a. Boletim Epidemiológico, nº 3, Volume 48. Acesso em 07/10/2017.
Brasil; 2017b. Orientação para profissionais de saúde sobre febre amarela silvestre. Portal da Saúde. Acesso em 12/11/2017.
Brasil; 2017c. Centro de operações de emergências em saúde pública sobre febre amarela. Ministério da Saúde. Acesso em 12/11/2017.
Cabral, J. de A.; Freitas, M.V. de. 2012. Distribuição Espacial e Determinantes Socioeconômicos e Demográficos da Dengue nos Municípios Brasileiros. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, 6(1): 81-95.
CEVS (Centro Estadual de Vigilância em Saúde); 2017. Informativo Epidemiológico Dengue, Chikungunya, Zika Vírus e Microcefalia. Acesso em 01/10/2017.
Costa, F.S., Silva, J.J.D., Souza, C.M.D., & Mendes, J. 2008. Dinâmica populacional de Aedes aegypti (L) em área urbana de alta incidência de dengue. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 41(3) 309-12.
Dive/SC - Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina; 2017. Boletim Epidemiológico n° 37/2016 Situação da dengue, febre do chikungunya e zika vírus em Santa Catarina. Acesso em 07/11/2017.
Dive/SC - Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina; 2018. Boletim Epidemiológico n° 26/2017 Vigilância entomológica do Aedes aegypti e situação epidemiológica da dengue, febre de chikungunya e zika vírus em Santa Catarina. Acesso em 14/03/2018.
Flauzino, R.F., Souza-Santos, R., & de Oliveira, R.M. 2011. Indicadores socioambientais para vigilância da dengue em nível local. Revista Saúde e Sociedade, 20(1) 225-240.
Freitas, R.M. de; Lorenço, R.L. de. 2009. Presumed unconstrained dispersal of Aedes aegypti in the city of Rio de Janeiro, Brazil. Revista Saúde Pública, 43(1) 8-12.
FUNASA - Fundação Nacional de Saúde; 2017. Portal do Saneamento Básico. Acesso em 01/08/2017.
Gianuca, K.S.; Tagliani, C.R.A. 2011. Análise em um Sistema de Informação Geográfica (SIG) das alterações na paisagem em ambientes adjacentes a plantios de pinus no Distrito do Estreito, município de São José do Norte, Brasil. Revista de Gestão Costeira Integrada, 12(1) 43-55.
Heckmann, M.I.O. 2012. Dengue: Aspectos Epidemiológicos e o primeiro surto ocorrido na região do Médio Solimões, Coari–Amazonas, no período de 2008-2009. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 44(4) 471-474.
Hidroweb; 2016. Séries Históricas. Acesso em 02/08/2017.
IBGE Cidades; 2017. Estimativa populacional de 2017. Acesso em 02/07/2017.
Inmet; 2017. Normais climatológicas para o período 1960 - 2004. Acesso em 23/Mai/2017.
Leite, M. E., Fonseca, D. D. S. R., & Braz, C. K. R 2008. Uso do SIG na análise da dengue: aplicação na microrregião de Montes Claros/Bocaiúva, Minas Gerais, Brasil. Hygeia: Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 3(6) 126-141.
Marinho, R.A. 2013. Ecobiologia de Aedes aegypti (L.1762) (Diptera: Culicidae) associada a fatores climáticos em três mesorregiões da Paraíba. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós Graduação em Ecologia e Conservação / Universidade Estadual da Paraíba , Campina Grande, Paraíba. 76p.
Marteis, L.S., Steffler, L.M., Araújo, K.C.G.M.D., & Santos, R.L.C.D. 2013. Identificação e distribuição espacial de imóveis-chave de Aedes aegypti no bairro Porto Dantas, Aracaju, Sergipe, Brasil entre 2007 e 2008. Cad. Saúde Pública, 29(2) 368-378.
Scandar, S.A.S., Vieira, P., Cardoso Junior, R.P., Silva, R.A.D., Papa, M., & Sallum, M.A.M. 2010. Dengue em São José do Rio Preto, Estado de São Paulo, Brasil, 2005: fatores entomológicos, ambientais e socioeconômicos. BEPA, Bol. epidemiol. paul. 7(81) 04-16.
Schaffner, F.; Mathis, A. 2014. Dengue and dengue vectors in the WHO European region: past, present, and scenarios for the future. The Lancet Infectious Diseases, 14(12) 1271-1280.
Segurado, A.C., Cassenote, A.J., & Luna, E.D.A. 2016. Saúde nas metrópoles - Doenças infecciosas. Estudos Avançados. Revista Estudos Avançados, 30(86) 29-49.
SNIS - Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento; 2017. Acesso em 07/Nov/2017.
Viana, D.V.; Ignotti, E. 2013. A ocorrência da dengue e variações meteorológicas no Brasil: revisão sistemática. Revista Brasileira de Epidemiologia, 16(2) 240-256.
Zara, A.L.D.S.A., Santos, S.M.D., Fernandes-Oliveira, E.S., Carvalho, R.G., & Coelho, G.E. 2016. Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 25(2), 391-404.
Published
2018-05-28
How to Cite
MERÊNCIO, Ivan; TASCA, Fabiane Andressa; VIEIRA, Carlos Antônio Oliveira. Socio-environmental indicators of Aedes aegypti breeding sites in the southern extremity of Santa Catarina state. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 53-57, may 2018. ISSN 2526-4338. Available at: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/87>. Date accessed: 24 jan. 2020. doi: https://doi.org/10.22571/2526-433887.