Avaliação dos impactos ambientais na Lagoa do Araçá, Recife, Pernambuco, Brasil

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo identificar, quantificar e qualificar os impactos ambientais antrópicos, decorrente dos processos de urbanização em torno da Lagoa do Aracá, Recife, Pernambuco. Os impactos foram investigados, sendo dividida em três setores (SI, SII e SIII) por meio de checklist, que contém uma lista de indicadores ambientais e antrópicos, esses indicadores com os pesos e efeitos do impacto, fornecendo como resultado um valor negativo da classe de impacto. Além da análise dos processos de urbanização que causaram impactos ambientais, com a avaliação das condições do ecossistema manguezal. A Lagoa do Araçá tem sido submetida a várias ações antropogênicas, que têm provocado alterações degradantes, porém, com efeito pequeno (Setores I: -49 e III: -78) e moderado (Setor II: -106) em sua fisiografia. Consequentemente, a causa de várias intervenções impactantes, com pouco planejamento, provocou modificações impactantes que variaram de pequeno a moderado. Todavia, a ação dos impactos antrópicos induzidos pelo homem, somado aos tensores naturais que atuam sobre o ecossistema manguezal, limitam o desenvolvimento do bosque de mangue. Diante disso, as ações antrópicas, decorrentes da urbanização, avançam sobre o meio natural, exigindo medidas preventivas e emergenciais para a conservação da Lagoa do Araçá.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

 

 

Referências

Barbosa, E. M.; Barata, M. M. L.; Hacon, S. S. A. 2012. Saúde no licenciamento ambiental: uma proposta metodológica para a avaliação dos impactos da indústria de petróleo e gás. Ciência & Saúde Coletiva, 17(2): 299-310.
Bernini, E.; Rezende, C.E. 2010. Concentração de nutrients em folhas e sedimentos em um manguezal do norte do estado do Rio de Janeiro. Revista Gestão Costeira Integrada, 2: 1-10.
Cabral, A.L.; Sasso, R.; Costa, C.F. 2005. Estuários do nordeste do Brasil e o desenvolvimento sustentável: usos múltiplos e impactos do rio Timbó, como um estudo de caso. Tropical Oceanography. 33(2): 192-202.
Castro, R.S. (orgs.) 2005. Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. 3. Ed. São Paulo: Cortez.
Coelho-Jr, C. 2010. Gradiente de inundação pelas marés e a drenagem terrestre sobre o comportamento da salinidade intersticial de bosque de mangue de Cananeia, São Paulo, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, Itajaí.
Cremonez, F.E.; Cremonez, P.A.; Feroldi, M.; Camargo, M.P.De; Klajn, F.F.; Feiden, A. 2014. Avaliação de impacto ambiental: metodologias aplicadas no Brasil. Revista Monografias Ambientais, 13(5): 3821-3830.
Cuzzuol, G.R.F.; Rocha, A.C. 2012. Interação do regime hídrico com as relações nutricionais em ecossistema manguezal. Acta Botanica Brasilica, [s.l.], 26: 11-19.
Ferreira, A.O.; Sá, J.C.De M.; Nascimento, C.G.; Ramos, F.S. 2010. Impacto de Resíduos Orgânicos em Abatedouro de Aves e Suínos na Produtividade do Feijão na Região dos Campos Gerais. Revista Verde, [s.l.], 5(4): 15-21.
Meireles, A.J.A.; Cassola, R.S.; Tupinambá, S.V.; Queiroz, L.S. 2007. Impactos ambientais decorrentes das atividades de carcinicultura ao longo do litoral cearense, Nordeste do Brasil. Mercator, Fortaleza, 6: 12.
Mezzaroba, O.; Monteiro, C.S. 2014. Manual de Metodologia da Pesquisa no Direito. 6ta. Ed. Rev. E atual. São Paulo: Saraiva.
Moura, H.J.T.; Oliveira, F.C. 2009. O uso das metodologias de avaliação de impacto ambiental em estudos realizados no Ceará. Pretexto, Belo Horizonte, 10(4): 79-98.
Monteiro, A.J.L.C. 2007. Legislação Ambiental. Acesso em 07 de jul. 2017.
Nascente, J.P.C.; Ferreira, O.M. 2007. Impactos socio-ambientais provocados pelas ocupações irregulars do solo urbano: Estudo de caso do loteamento serra azul. Goiania, Goiás. 91p.
Pereira, S.S.P.; Melo, J.A.B. 2008. Artigo: Gestão dos resíduos sólidos urbanos em Campina Grande, Paraíba e seus reflexos socioeconômicos. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional. G&DR, setembro/dezembro. 2008, Taubaté, São Paulo, Brasil, 4(4): 193-217.
Rech, A.U.; Rech, A. 2010. Direito urbanístico: fundamentos para a construção de um plano director sustentável na área urbana e rural(isso aqui é um livro? Devia vir acompanhado da página.). Caxias do Sul: Educs.
Rolim, G.S.; Camargo, M.B.P; Lania, D.G., Moraes, J.F.L. 2007. Classificação climática de Köppen e de Thornthwaite e sua aplicabilidade na determinação de zonas agroclimáticas para o estade de São Paulo. Bragantia, 66: 711-720.
Sant’anna, M. 1995. Da cidade-monumento á cidade-documento: a trajetória da norma de preservação de áreas urbanas no Brasil (1937-1900). Dissertação de Mestrado, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal da Bahia, Salvador.
Schaeffer-Novelli, Y.; Rovai, A.S.; Coelhojr, C.; Menghini, R.P.; Almeida, R. 2012. Alguns impactos do PL nº 30/2011 sobre os manguezais brasileiros. In: Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável (Ed.). Código Florestal e a Ciência: O que nossos legisladores ainda precisam saber. Brasília: Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável, 18-27.
Tommasi, L.R. 1994. Estudo de Impacto Ambiental. São Paulo, CETESB/Terragrahp, Artes e Informática.
Zancheti, S.M.; Hidaka, L.T.F.; Ribeiro, C.; Aguiar, B. 2008. A Construção da Significância Cultural nos Processos de Conservação Urbana.
Publicado
2018-01-20
Como Citar
MELO, José Gustavo da Silva; SILVA, Elisabeth Regina Alves Cavalcanti; ASSIS, Daniella Roberta Silva de. Avaliação dos impactos ambientais na Lagoa do Araçá, Recife, Pernambuco, Brasil. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 6-10, jan. 2018. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/63>. Acesso em: 21 out. 2018. doi: https://doi.org/10.22571/2526-433863.
Seção
Ecologia