Concentração de metais no rio Doce em Mariana, Minas Gerais, Brasil

Resumo

Esta pesquisa avaliou a concentração de metais nas águas do rio Doce por metais pesados após o rompimento da barragem do Fundão, distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, Minas Gerais. Amostras de água foram coletadas numa nascente a montante do local do rompimento (P1), a montante de um dique de contenção da lama despejada (P2) e a jusante do dique de contenção (P3), sendo caracterizadas quanto aos teores de chumbo (Pb), arsênio (As), níquel (Ni), cobre (Cu), alumínio (Al) e manganês (Mn) por espectrofotometria. As maiores concentrações dos metais foram observadas para o ponto P2, nas seguintes concentrações (em mg L-1): Pb (0,097); As (0,911); Ni (1,078); Cu (1,115); Al (9,432) e Mn (1,638), sendo a concentração de cobre, nesse ponto, 86 vezes maior que o valor máximo permitido (VMP) pela legislação brasileira, para Classe III de qualidade das águas. No ponto P1, as concentrações de Ni (0,051 mg L-1), Cu (0,062 mg L-1) e Al (0,465 mg L-1) apresentaram-se 2,0; 4,8 e 2,3 vezes maiores que os VMP’s, respectivamente, podendo-se relacionar esses resultados à natureza mineralógica da área. As elevadas concentrações desses metais na água do rio podem estar provavelmente relacionadas ao desastre ambiental de Mariana, Minas Gerais, com rejeitos de minas. Ações de políticas ambientais e de recuperação da área são essenciais para o reequilíbrio das características químicas desse ecossistema aquático.

Referências

Brasil. Serviço Geológico do Brasil - CPRM. 2015. Monitoramento especial da bacia do rio Doce: Relatório 02 - Geoquímica. Belo Horizonte, Minas Gerais.. Acesso em 24 set. 2017.
Carvalho, C.G.; Silva, J. M.; Curi, A.; Flores, J.C.C. 2012. A dependência da arrecadação do município de Ouro Preto do setor mineral. Revista Escola de Minas, 65(3), 385-392.
Carvalho, S.R.L. de; Vilas-Boas, G. da S.; Fadigas, F.S. 2010. Estimativa da concentração de metais pesados em solos dos tabuleiros do Recôncavo da Bahia. Cadernos de Geociências, 7(1).
Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental - CETESB. 2010. Variáveis de qualidade das águas. Acesso em 24 set. 2017.
Conselho Nacional de Meio Ambiente – CONAMA. 2005. Resolução 357, de 17 de março de 2005. Publicada no DOU 053, de 18/03/2005. Acesso em 10 jul. 2017.
D’Oliveira, F.A.; Frank, A.A.; Soares, E. A. 2007. The influence of minerals on Parkinson’s disease. Nutrire: Revista da Sociedade Brasileira de Alimentos e Nutrição, . Soc. Bras. Alim. Nutr.= Journal Brazilian of Society of Food and Nutrition, 32(1): 77-88.
Di Bernardo, L.; Paz, L.P.S. 2008. Seleção de tecnologias de tratamento de água. São Carlos, Editora LDIBE LTDA, 878p.
Duarte, A.P. 2008. Classificação das barragens de contenção de rejeitos de mineração e de resíduos industriais no estado de Minas Gerais em relação ao potencial de risco. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais. 130p.
Environmental Pollution. 2017. Water Pollution: Essay on Water Pollution (3817 Words). Acesso em 24 set. 2017.
Ferreira, D.F. 2014. Sisvar: a Guide for its Bootstrap procedures in multiple comparisons. Ciência e agrotecnologia [online]. 38(2): 109-112.
Freitas, C.M. de; SILVA, M.A. da; MENEZES, F.C. de. O desastre na barragem de mineração da Samarco: fratura exposta dos limites do Brasil na redução de risco de desastres. 2016. Ciência e Cultura. 68(3): 25-30.
Grupo Independente para Avaliação do Impacto Ambiental – GIAIA. 2015. Relatório parcial expedição rio Doce.
Guimarães, P.I.S. 2013. Estudo dos metais pesados na Amazônia: estudo de caso nas cidades de Novo Aripuanã, Barcelos e Manaus no estado do Amazonas – Brasil. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, Amazonas. 203 f.
Lopes, L.M.N. 2016. O rompimento da barragem de Mariana e seus impactos socioambientais. Sinapse Múltipla, 5(1): 1-14.
Machado, W.G. de F. 2007. Monitoramento de barragens de contenção de rejeitos da mineração. Dissertação de Mestrado, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo. 155 p.
Maia, F.F. 2017. Elementos traços em sedimentos e qualidade da água de rios afetados pelo rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana, MG. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, 44 f.
Mendes, L.A. 2012. Avaliação da exposição da população de Passagem de Mariana (MG) aos elementos-traço, com ênfase ao arsênio. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Minas Gerais. 147f.
Miranda, C. 2015. Laudos sobre qualidade da água do Rio Doce têm resultados divergentes. Acesso em 24 set. 2017.
Oliveira, M.R. de; Horn, A.H. 2006. Comparação da concentração de metais pesados nas águas do rio São Francisco em Três Marias, desde 1991 até hoje, relacionando a atuação da CMM-Três Marias. Revista Geonomos, 14(1, 2): 55-63.
Ribeiro, E.V. et al. 2012. Metais pesados e qualidade da agua do rio são Francisco no segmento entre Três Marias e Pirapora - MG: índice de contaminação. Revista Geonomos, 20(1).
Ribeiro, M. 2016. Rio Doce, um ano após tragédia, sem condições de uso ou sem vida. Acesso em 24 jul. 2017.
Rodrigues, A.S. de L.; Malafaia, G. 2010. A importância dos estudos sobre a contaminação por arsênio na saúde pública. SaBios - Revista de Saúde e Biologia, 5(2).
Rosado, V.B. 2010. Caracterização de sedimentos, solos e água e impactos do rompimento da Barragem São Francisco: o caso de Miraí, Minas Gerais. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais. 103 f. Acesso em 24 set. 2017.
Sousa, J.K. C. 2009. Avaliação de impactos ambientais causados por metais traço em água, sedimento e material biológico na Baia de São Marcos, São Luís - Maranhão. Tese de Doutorado, Universidade Federal da Paraí¬ba, João Pessoa, Paraíba. 110 f.
Publicado
2017-09-26
Como Citar
CARVALHO, Marllon Santos de et al. Concentração de metais no rio Doce em Mariana, Minas Gerais, Brasil. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 1, n. 3, p. 37-41, set. 2017. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/58>. Acesso em: 22 jul. 2018. doi: https://doi.org/10.22571/Actabra13201758.
Seção
Química Ambiental

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##