Comparações sonoras e morfométricas entre populações de Arremon taciturnus no Nordeste do Brasil

Resumo

Estudos recentes apontam que as florestas estacionais do nordeste brasileiro são formadas por duas unidades biogeográficas distintas, uma relacionada a Floresta Atlântica costeira e outra com os domínios da caatinga. Esta pesquisa pretendeu verificar se existe algum grau de diferenciação morfométrica e acústica entre as populações de Arremon taciturnus (Tico-tico-de-bico-preto) em florestas de altitude no Nordeste do Brasil, localizadas a leste e a oeste do planalto da Borborema. Com esta finalidade foram realizados testes paramétrico (teste t) e não paramétrico (teste U), de acordo com a normalidade dos dados acústicos, analisando se existe diferença significativa entre os parâmetros vocais das populações. Para verificar se existem diferenças biométricas entre as áreas estudadas foi realizada uma análise discriminante e de correspondência. Estas, por sua vez, não apresentaram diferença. Entretanto, as análises bioacústicas apontaram diferenças em parâmetros do canto como número de notas e em parâmetros como duração da 1ª, 2ª, e 3ª nota da segunda parte do canto. A. taciturnus é uma espécie que possui capacidade para aprendizado do canto. Desta forma, as diferenças encontradas em alguns parâmetros vocais pode ser indício de uma variação interespecífica nas populações, chamadas de dialetos vocais.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Graduada em Ciências biológicas licenciatura pela Universidade Federal de Campina Grande, UFCG (2015). Mestranda do Programa de Pós Graduação em Ecologia e monitoramento ambiental pela Universidade Federal da Paraíba, UFPB.  

##submission.authorWithAffiliation##

Graduação em Ciências Biológicas Bacharelado pela Universidade Federal da Paraíba (2005), mestrado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Federal da Paraíba (2007) e doutorado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Federal da Paraíba (2014). Professor Assistente Padrão II da Universidade Federal de Campina Grande , Brasil.

Referências

Andrade-Lima, D. 1982. Present-day forest refuges In Northeastern Brazil. In Prance, G. T. (Ed.) Biological diversification in the tropics. Columbia University Press, New York, p.245-251. 714p.
Araujo H.F.P.; Vieira-Filho, A. H.; Cavalcanti, T. A.; Barbosa, M. R. V. 2012. As aves e os ambientes em que elas ocorrem em uma reserva particular no cariri paraibano, nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Ornitologia, 20(3), 365-377.
Blumstein, D. T.; Turner, A.C. 2005. Can the acoustic adaptation hypothesis predict the structure of Australian bird song? Acta ethologica, 8:35-34.
Buainain, N.; Assis, C. P. A.; Raposo, M. 2017. Geographic variation and taxonomy of the Arremon taciturnus (Hermann, 1783) species complex (Aves: Passerellidae). Journal of Ornithology, 158(3): 631-650.
Cavalcanti, M. J.; Lopes, P. R. D. 1993. Análise morfométrica multivaridada de cinco espécies de serranidae (teleostei, perciformes). Acta biológica leopoldensia. 15: 53-64.
Goldizen, A. W.; Nicholls, J. A. 2006. Habitat type and density influence vocal signal design in satin bowerbird. Journal of animal, 75:549-558.
Grant, P. R. e GRANT, B. R. 2009. The secondary contact phase of allopatric speciation in Darwin's finches. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 106(48): 20141-8.
Kroodsma, D. E.; Baylis, J. R. 1982. Appendix: a world survey of evidence for vocal leraning in birds. In: Kroodsma, D. E.; Miler, E.H.(eds.) Acoustic communication in birds. New York, NY: Academic press. 2:311-337.
Lijtmaer, D. A.; Tubaro, P. L. 2006. Environmetal corelates of song structure in forest grosbeaks and saltators. The condor, 108: 120-129.
Marcus, L. F. Traditional morphometrics. 1990. In: Rohlf, F. J.; Bookstein, F. L. (eds.) Proceedings of the michigan morphometrics workshop. Michigan: The university of Michigan museum of zoology, special publication. 2:77-122.
Mariano E. F. 2014. Relações biogeográficas Entre a avifauna de florestas de altitude no nordeste do Brasil. Tese de doutorado. Universidade Federal da Paraíba - UFPB. João Pessoa, Paraíba. 230p.
Marler, P. 2004. Science and birdsong: the good old days. In: Marler, P.; Slebberkoorn, H. (eds.) Nature’s music the science of birdsong. San diego: Elsevier academic press. p.1-37.
Mendonça, E. T. 2009. A utilização de Herpsilochmus longirostirs Pelzeln, 1868 (passeriformes: Thamnophilidae) como modelo de adaptação acústica. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Uberlândia.
Mundinger, P. C. Microgeographic and macrogeographic variation. 1982. In: Kroodsma, D. E.; Miler, E.H. (eds.) Acoustic communication in birds. New York, NY: Academic press. 2:147-208.
Porzencanski A.L. e J. Cracraft. 2005. Cladistic analysis of distributions and endemism (CADE): using raw distributions of birds to unravel the biogeography of the South American aridlands. Journal of Biogeography 32: 261 – 275.
Ridgely, R. S.; Tudor G. 2009. Songbirds of south America: The Passerines. University of Texas. 750p.
Rodal, M. J. N.; Barbosa, M. R. V.; Thomas, W. W. 2008. Do the seasonal forests in northeastern Brazil represent a single floristic unit? Brazilian journal of biology. 68 (3): 467-75.
Sales, R. G. 2016. Variação vocal de espécies da família Thamnophilidae (aves) associadas a barreiras ribeirinhas na Amazônia. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em Biologia Animal, da Universidade Federal de Pernambuco. 83p.
Saranathan, V.; Hamilton D.; Powell, G. V. N.; Kroodsma D. E.; Prum R. O. 2007. Blackwell Publishing Ltd Genetic evidence supports song learning in the three-wattled bellbird Procnias tricarunculata (Cotingidae). Molecular Ecology. 16:3689-3702.
Seddon, N. 2005. Ecological adaptation and species recognition drives vocal evolution in neotropical suboscine bird. Evolution. 59:200-215.
Shieh, B. S.; Liang, S. H. 2007. Geographic variations and temporal changes in songs of the rufous-capped babbler (Stachyris ruficeps praecognita). Ornis fennica. 84:163-172.
Silva, M. L. 1995. Esteriotipia e versatilidade nos cantos das aves: os padrões de cantos em sabiás e outras aves. Anais de etologia, 13:133-147.
Silva, M. L.; Vielliard, J. M. E. A. 2011. aprendizagem vocal em aves: evidências comportamentais e neurobiológicas. In: Henriques A.; Assis, G,; Brito, R.; Martin, W. L. (Org). Estudos do comportamento II. Belém: Editora da UFPA.
Stotz, D. F.; Fitzpatrick, J.W.; Parker, T.A.; Moskovits, D.K. 1996. Neotropical Birds: ecology and conservation. Chicago and London: The University of Chicago Press. 478p.
Tubaro, P. L. 1999. Bioacústica aplicada a la sistemática, conservacion y manejo de poblaciones naturales de aves. Etologia, Buenos Aires, 7:19-32.
Veloso, A. L., Sampaio, E. V. S. B. e Pareyn, F. G. C. 2002. Ecorregiões propostas para o Bioma Caatinga. Associação Plantas do Nordeste; Instituto de Conservação Ambiental The Nature Conservancy do Brasil. 80p.
Vielliard, J.M.E. 1987. Uso da Bioacústica na observação de aves. In: II Encontro de Anilhadores de aves. Rio de Janeiro: Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro. p. 98-121.
Vielliard, J.M.E. 1997. Uso de caracteres Bioacústicos para avaliações filogenéticas em aves. Anais de Etologia, 15: 93- 107.
Wright, T. F. 1996. Regional Dialects in the Contact Call of a Parrot. Proc. R. Soc. London. Ser. B Biol. Sci. 263: 867-872.
Publicado
2018-01-20
Como Citar
LUCENA, Wilmara Guedes; MARIANO, Erich de Freitas. Comparações sonoras e morfométricas entre populações de Arremon taciturnus no Nordeste do Brasil. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 21-27, jan. 2018. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/48>. Acesso em: 21 out. 2018. doi: https://doi.org/10.22571/2526-433848.
Seção
Zoologia