Riqueza de espécies de aves no Parque Estadual do Pico do Jabre, Paraíba

Resumo

O presente estudo teve como objetivo fazer um levantamento das espécies de aves do Parque Estadual do Pico do Jabre, Paraíba, listando as espécies em relação as suas categorias tróficas e dependência de ambientes florestais. Foram montadas 240 listas de Mackinnon em 12 dias de amostragem. A família que apresentou maior riqueza foi Tyrannidae, com 20 espécies, seguida de Thamnophilidae (7), Trochilidae (6) e Emberizidae (6). Aproximadamente 20% das espécies que ocorrem na área se mostraram dependentes de ambientes florestais, 38,7% semi-dependentes e 41,4% independentes. A baixa participação de espécies dependentes de ambientes florestais na comunidade pode estar associada a pressão sofrida no entorno do parque. A manutenção destas áreas se mostra importante devido ao intercâmbio de espécies com as áreas secas adjacentes, servindo de refúgios para estas espécies nos períodos de seca. A presença da Penelope jacucaca (jacu-caca), que está inserida no livro vermelho de espécies da fauna brasileira ameaçada de extinção, é um dos indicativos que apesar do entorno do parque sofrer com a presença do homem, a área florestal do parque encontra-se em bom estado de preservação.

Referências

Ab’Saber, A.N. 1970. Províncias geológicas e domínios morfoclimáticos no Brasil. Geomorfologia 20: 1-26.
Ab’Saber, A.N. 1977. Espaços ocupados pela expansão dos climas secos na América do Sul por ocasião dos períodos glaciais Quaternários. Revista do Instituto de Geografia - Série Paleoclimas 3:1-18.
Agra, M. F.; Barbosa, M.R. de V.; Stevens, W.D. 2004. Levantamento Florístico Preliminar do pico do Jabre, Paraíba, Brasil. In: Porto, K.C.; Cabral, J.P.; Tabarelli, M. (Eds.). Brejos de altitude de Pernambuco e Paraíba: história natural, ecologia e conservação. Brasília-DF: Ministério do meio Ambiente. p.123-137.
Andrade-Lima, D. 1982. Present-day Forest refuges in northeastern Brazil. In: Prance (ed.). Biological diversification in the tropics. Columbia Univ. Press, New York. p. 123-135.
Anjos, L., 1998. Consequências biológicas da fragmentação no norte do Paraná. IPEF, Piracicaba 12, (32): 87-94.
Araujo, H.F.P. Vieira-Filho, A.; Cavalcanti, T.A.; Barbosa, M.R.V. 2012. As aves e os ambientes em que elas ocorrem em uma reserva particular no cariri paraibano, nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Ornitologia (Online), v. 20, p. 365-377.
Bibby, C., Jones, M., Marsden, S. 1998. Expedition Field Techniques: Bird Surveys. Expedition Adisory Centre, London.
Colwell, R. K. 2005. User’s guide to EstimateS7.5 statistical. Estimation of species richness and shared species from samples. Version 7.5. Copyright 2005, 22 p.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Rio deJaneiro, RJ). Atlas do Brasil: região Nordeste. Rio de janeiro, 1985
Lyra-neves, R.M., S.M. Azevedo júnior, W. Telino-junior, W., M.E.L Larrazábal. 2004. Comunidade de aves da Reserva Estadual de Gurjaú, Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 21(3): 581–592.
Mackinnon, J.R. e Philipps, K. 1993. A field guide to the birds of Borneo, Sumatra, Java, and Bali, the Greater Sunda Islands. Oxford University Press.
Oliveira-Filho A.T.; Fontes, M.A.L. 2000. Patterns of floristic differentiation among Atlantic Forest in Southeastern Brazil and the influence of climate. Biotropica, v.32, n.4b, p.793-810.
Rodal M.J.N., M.R.V Barbosa e W.W. Thomas. 2008. Do the seasonal forests in northeastern Brazil represent a single floristic unit? Brazilian Journal Biology 68(3): 467-475.
Rodrigues R., Araujo H., Lyra-neves R., Telino-Júnior W. e Botelho M. 2007. Caracterização da Avifauna na Área de Proteção Ambiental de Guadalupe, Pernambuco. Ornithologia, 2, (1): 47-61.
Santos A.M.M. Cavalcanti D.R. Silva J.M.C. e Tabarelli M. 2007. Biogeographical relationships among tropical forests in north-eastern Brazil. Journal of Biogeography 34: 437-466.
Santos, M.P.D., Cerqueira, P.V. e Soares, L. M. S.2010. Avifauna em seis localidades no Centro-Sul do Estado do Maranhão, Brasil. Ornithologia 4(1):49-65.
Silva, J. M. C., Souza, M. A., Bieber, A. G. D. e Carlos, C. J. 2003. Aves da Caatinga: status, uso do habitat e sensitividade. In: Leal, I. R., Tabarelli, M. e Silva, J. M. C. 2003. Ecologia e Conservação da Caatinga. Recife: Ed Universitária da UFPE. p. 237-273
Silveira, L. F. e F.C. Straube. F. 2008. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. In: Machado, A.B.M., G.M. Drummond e A.P. Paglia (eds.). Aves ameaçadas de extinção no Brasil. Ministério do Meio Ambiente/Fundação Biodiversitas, Brasília, 2008. p.379-666
Tabarelli M. e Santos, A.M.M. 2004. Uma breve descrição sobre a história natural dos brejos nordestinos. In: Porto K., J. Cabral e M. Tabarelli. Brejos de altitude: história natural, ecologia e conservação. Brasília, Ministério do Meio Ambiente p. 17–24
Telino-Junior, W., M.M. Dias, S.M. Azevedo Júnior, R.M. Lyra-Neves, e M.E.L. Larrazábal. 2005. Estrutura trófica da reserva estadual do Gurjaú, Zona da Mata Sul, Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, Curitiba 22 (4): 962-973,
Whitman, A.A., Hagan III, J.M. e Brokaw, N.V.L. 1997. A comparasion of two bird survey techniques used in a subtropical forest. The Condor, 99: 955-965.
Willis, E.O., 1979. The composition of avian communities in remanescent woodlots in southern Brazil. Papéis Avulsos de Zoologia, São Paulo 33: 1-25.
Publicado
2017-09-26
Como Citar
MARIANO, Erich de Freitas; MARTINS, Luana Regial Alves. Riqueza de espécies de aves no Parque Estadual do Pico do Jabre, Paraíba. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 1, n. 3, p. 42-47, set. 2017. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/46>. Acesso em: 25 abr. 2018. doi: https://doi.org/10.22571/Actabra13201746.
Seção
Zoologia

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##