Briófitas de ocorrências em São João do Sóter, Maranhão, Brasil

  • Hélia Cristina Alves Vieira Centro de Estudos Superiores de Caxias, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias
  • Regigláucia Rodrigues Oliveira Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade, Ambiente e Saúde, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias
  • Maria Lindalva Alves Silva Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade, Ambiente e Saúde, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias
  • Domingos Lucas dos Santos Silva Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade, Ambiente e Saúde, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias
  • Gonçalo Mendes da Conceição Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade, Ambiente e Saúde, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias
  • Hermeson Cassiano Oliveira Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade, Ambiente e Saúde, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias

Resumo

Briófitas são plantas de pequeno porte, vasos condutores lignificados ausentes, sendo o segundo maior grupo de plantas terrestres. Essa pesquisa teve por objetivo fazer levantamento de briófitas ocorrentes no município de São João do Sóter/Maranhão, elaborando uma lista das espécies encontradas, seus tipos de substratos e sua distribuição geográfica. Foram realizadas coletas bimestrais, com duração de três a cinco dias, entre agosto de 2010 e agosto de 2011, em trilhas pré-existentes, e no interior da vegetação nativa. O material botânico foi coletado seguindo a metodologia usual para o grupo. Foram registradas 28 espécies de briófitas distribuídas em 18 gêneros e 12 famílias. Para cada divisão, foram quantificados os seguintes número de famílias: Anthocerotophyta (1 família) e Bryophyta (8 famílias) e;  Marchantiophyta (3 famílias). Syrrhopodon cryptocarpus Dozy & Molk, Fissidens goyazensis Broth, e Entodontopsis nitens Mitt. W.R. Buck, são novas ocorrências para o estado do Maranhão. Os resultados apresentados ampliam o conhecimento sobre a distribuição geográfica das espécies coletadas.

Referências

Brito, E.S.; Ilkiu-Borges, A.L. 2014. Briófitas de uma área de Terra Firme no município de Mirinzal e novas ocorrências para o estado do Maranhão, Brasil. Iheringia, Série Botânica, 69(1): 133-142.
Buck, W.R. 1998. Pleurocarpous mosses of the West Indies. 2da ed. Memoirs of the New York Botanical Garden, New York, Bronx, 400p.
Buck, W.R.; Goffinet, B. 2000. Morphology and classification of mosses, In: A. J. Shaw e B. Goffinet. Bryophyte Biology. 2da ed. Cambridge University Press, p. 71-123.
Costa, D.P.; Almeida, J.S.S.; Dias, N.S.; Gradstein, S.R.; Churchill, S.P. 2010. Manual de Briologia. 1a ed. Rio de Janeiro: Interciência, 222p.
Costa, D.P.; Peralta, D.F. 2015. Bryophytes diversity in Brazil. Rodriguésia 66(4): 1063-1071.
Dauphin, G. 2003. Ceratolejeunea. Flora Neotropica Monograph, 86 p.
Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: < http://floradobrasil.jbrj.gov.br/>. Acesso em: 04 Nov. 2016.
Florschütz, P.A. 1964. The Mosses of Suriname. Musci Part I. In: Lanjouw, J. (Ed). Flora of Suriname. Leiden, Brill, p. 1-271.
Fulford, M.H. 1963. Manual of the leafy Hepaticae of Latin America I. Memoirs of the New York Botanical Garden, New York,172 p.
Fulford, M.H. 1966. Manual of the leafy Hepaticae of Latin America II. Memoirs of the New York Botanical Garden, New York, p. 173-276.
Fulford, M.H. 1968. Manual of the leafy Hepaticae of Latin America III. Memoirs of the New York Botanical Garden, New York, p. 277-392.
Fulford, M.H. 1976. Manual of the leafy Hepaticae of Latin America IV. Memoirs of the New York Botanical Garden, p. 393-535.
Glime, J.M. 2013. Meet the Bryophytes. Chapt. 2-1. In: Glime, J.M. Bryophyte Ecology. Volume 1. Physiological Ecology. Ebook 2-1-1 sponsored by Michigan Technological University and the International Association of Bryologists.
Google Earth. 2014. Disponível em: < http://www.googleearth.com/>. Acesso em: 04 Nov. 2016.
Gradstein S.R.; Costa D.P. 2003. The Hepaticae and Anthocerotae of Brazil. Memoirs of the New York Botanical Garden, 318 p.
Gradstein, S.R.; Churchill, S.P.; Salazar-Allen, N. 2001. Guide to the Bryophytes of tropical America. Memoirs of The New York Botanical Garden, 577 p.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 1999. Disponível em: < http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=210300&search=maranhao|caxias/>. Acesso em: 04 Nov. 2016.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2008. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/>. Acesso em: 04 Nov. 2016.
Magill, R.E. 2010. Moss diversity: New look at old numbers. Phytotaxa, 9:167–174.
Peralta, D.F.; Brito, E.S.; Varão, L.F. Conceição, G.M. Cunha, I.P.R. 2011. Novas Ocorrências e Lista das Briófitas do Estado do Maranhão, Brasil. Pesquisa em Foco, 19(1): 63-78.
Peralta, D.F.; Bordin, J.; Yano, O. 2008. Novas ocorrências de briófitas nos estados brasileiros. Hoehnea, 35(1): 123-158.
Santos, F.J.L.; Conceição, G. M. 2010. Espécies da Brioflora do Parque Estadual do Mirador, Maranhão, Brasil. Cadernos de Geociências, 7(2): 136-139.
Schofield, W.B. 1985. Introduction to Bryology. New York, Macmillan, 418p.
Sharp, A.J., Crum, H. & Eckel, P.M. 1994. The moss flora of Mexico. Memoirs of The New York Botanical Garden, 1113p.
Silva, W.F.N. Mapa com a localização do Povoado Pedras, São João do Sóter, Maranhão, Brasil [Maranhão], 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE, 1992. Werton Francisco Nobre Silva, 2015. 1 mapa: 5846 x 4133 cm. Escala 1:500.000.
Yano, O. 1984. Briófitas. In: Fidalgo, O. & Bononi, V.L.R. (Eds.). Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico. Série Documentos. Instituto de Botânica, São Paulo, p. 27-30.
Vanderpoorten, A.; Goffinet, B. 2009. Introduction to Bryology. New York, University Press. 303 p.
Villarreal, J.C., Cargill, D.C., Hagborg, A., Söderström, L. & Renzaglia, K.S. 2010. A synthesis of hornwort diversity: Patterns, causes and future work. Phytotaxa, 9:150–166.
Publicado
2017-05-23
Como Citar
VIEIRA, Hélia Cristina Alves et al. Briófitas de ocorrências em São João do Sóter, Maranhão, Brasil. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 8-12, maio 2017. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/45>. Acesso em: 24 set. 2017. doi: https://doi.org/10.22571/Actabra12201745.
Seção
Botânica

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##