Dimetiltriptamina: alcalóide alucinógeno e seus efeitos no Sistema Nervoso Central

Resumo

Plantas alucinógenas são bastante utilizadas em rituais e cultos religiosos. O chá de Ayahuasca e o vinho da Jurema preta, bebidas alucinógenas, apresentam o alcalóide dimetiltriptamina (DMT), responsável pelo efeito alucinógeno devido a interação com receptores serotoninérgicos no sistema nervoso central (SNC). O objetivo da pesquisa foi esclarecer os mecanismos de ação e os efeitos da DMT presente em bebidas alúcinógenas das espécies Mimosa tenuiflora (jurema preta), Banisteriopsis caapi (jagube ou cipó mariri) e Psychotria viridis (chacrona) sobre o SNC, elucidando os riscos da sua ingestão e informações sobre a legislação brasileira. O efeito alucinógeno ocorre a partir da interação dos receptores serotoninérgicos com DMT, esse estruturalmente semelhante a serotonina, o que interfere nas funções psíquicas, proporcionando modificações de dimensões, ilusões acústicas e ópticas, alterações no humor, distorção na percepção do tempo e espaço, despersonalização, midríase e hipertermia. Atualmente existe um acesso a essas substâncias e a difusão do seu uso está em expansão no Brasil, devido a relação com aspectos religiosos e culturais. Dessa forma, é importante conhecer os fatores que englobam o uso dessas substâncias, pois diversas alterações e complicações podem surgir a partir do uso, já que os efeitos alucinógenos provêm de interferências em funções fisiológicas.

Referências

Albuquerque, U.P. 2002. As muitas faces da Jurema: de espécie botânica a divindade afro-indígena. Bagaço: Recife, 192 p.
Antunes, H.F. 2015. Religiões e controvérsias públicas, praticas sociais e discurso.1ed. Ed Unicamp: São Paulo, 19 p.
Bakker, I.A. 2005. Potencial de Acumulação de fitomassa e composição bromatológica da M. tenuiflora (Willd.) Poiret. na região semi-árida da Paraíba. Tese de doutorado, Universidade Federal da Paraíba, Areia, Paraiba. 92f.
Barbosa-Filho, J.M.; Alencar, A.A.; Nunes, X.P.; Tomaz, A.C.A.; Sena-Filho, J.G.; Athayde-Filho, P.F.; Silva, M.S.; Souza M.F.V.; da-Cunha E.V.L. 2008. Sources of alpha-, beta-, gamma-, delta- and epsilon-carotenes: A twentieth century review. Revista Brasileira de Farmacognosia, 18(1):135-154.
Batista, A.S. 2012. Papel dos receptores do tipo 5-HT3 na área septal media sobre o controle da pressão sanguínea, do apetite por sódio e da ingestão hídrica. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia. 62f.
Bertram, G.; Katzung, M.D. 2014. Histamina, Serotonina e alcalóides do esporão do centeio (ergot). In. Bertram et al. (12 ed). Farmacologia Básica e clinica. AMGH, Porto Alegre, p. 271-293.
Bezerra, D.; Rodrigues, F.; Costa, J.; Pereira, A.; Sousa, E.; Rodrigues, O. 2011. Abordagem fitoquimica, composição bromatologica e atividade antibacteriana da M. tenuiflora (Wild) Poir e Piptadenia stipulacea (Benth) Ducke. Acta Sientiarium. Biological sciences, 33(1): 99-106.
Bezerra, D.A.C. 2008. Estudos fitoquímicos, bromatologicos e microbiológicos de M. tenuiflora (Wild) Poir e P. stipulacea (Benth) Ducke. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Campina Grande, Patos, Paraíba. 49f.
Callaway, J.C.; McKenna, C.S.; Grob, G.S. 1999. Pharmacokinetics of Hoasca alkaloids in healthy humans. Journal of Ethopharmacology, 65(3): 243-256.
Camargo, M. Contribuição ao estudo etnofarmacobotânico da bebida ritual de religiões afro brasileiras denominada “vinho da Jurema” e seus aditivos psicoativos. 2014. Revista do Núcleo de Estudos de Religião e Sociedade (NURES), 26: 1-20
Carneiro, H. 2004. As plantas sagradas na história da América. Varia Historia, 32: 102-119.
Cazenave, S.O.S. 1996. Alucinógenos. In: Olga, S. Fundamentos de Toxicologia, Atheneu, São Paulo, p. 329-43.
Cazenave, S.O.S. 2000. B. caapi: ação alucinógena e uso ritual. Revista de Psiquiatria Clínica, 27(1): 1-6.
Correa, J.; Amorim, V.; Nogueira, D.; Soares, E.; Guerra, F.; Fernandes, J.; Junior, W.; Esteves, A. 2014. Quantificação neuronal no córtex cerebral de camundongos sob o uso do chá de Ayahuasca. Revista Neurociências, 22(3): 388-391.
Costa, M.; Figueiredo, M.; Cazenave, S. 2005. Ayahuasca: uma abordagem toxicológica do uso ritualístico. Revista Psiquiatria Clinica, 32(6): 1-12.
Feijó, F.; Bertoluci, M.; Reis, C. 2011. A serotonina e controle hipotalâmico da fome: uma revisão. Revista de Associação Médica Brasileira, 57(1): 74-77.
Garrido, R.G.; Sabino, B. D. 2009. Ayahuasca: entre o legal e o cultural. Revista Saúde, Ética e Justiça, 14(2): 44-53.
Gaujac, A. 2013. Estudos sobre o psicoativo DMT em M. tenuiflora (Willd.) Poiret e em bebidas consumidas em contexto religioso. Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia. 183f. Revista eletrônica de Analises Clínicas, 6:1-15.
Gil, G.; Gimenez. J.; Sauez, C. 2014. Drogas alucinógenas e sua detecção laboratorial. Revista eletrônica de Analises Clínicas, 6:1-15.
Gios, S.T.; Pinheiro, M.C.P.; Calfat, E.L.B. 2016. Sintomatologia psicótica e ayahuasca: relato de caso. Revista Debates em Psiquiatria, 6(2): 38-41.
Gomes, M. 2008. Dietilamida do ácido lisérgico (LSD) e DMT como substrato de perioxidases: uma possível rota de metabolização. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo.102f.
Halberstadt, A.L.; Nichols, D.E.; Geyer, M.A. 2012. Behavioral effects of α,α,β,β-tetradeutero-5-MeO-DMT in rats: comparison with 5-MeO-DMT administered in combination with a monoamine oxidase inhibitor. Psychopharmacology (Berl), 221(4): 709-718.
Jacob, M.; Presti, D. 2005. Endogenous psychoactive tryptamines reconsidered: na anxiolytic role for dimethyltryptamine. Medical Hypotheses, 64(5): 930-937.
Maia, G.N. 2004. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. 1ed. D&Z Computação, São Paulo, 413 p.
Martinez, T.; Almeida, M.; Pinto, A. 2009. Alucinógenos naturais: um vôo da Europa medieval ao Brasil. Química Nova, 32(9): 2501-2507.
McKenna, D.J.; Callaway, J.C.; Grob, C.S. 1998. The scientific investigation of Ayahuasca: a review of past and current research. The Heffer Review of Psychedelic Reseach, 1: 65-76.
McKenna, D.J. 2004.Clinical investigations of the therapeutic potential of Ayahuasca: rationale and regulatory challenger. Pharmacology and Therapeutics, 102(2): 111-129.
Mikosz, J.E. 2009. A arte visionaria e a Ayahuasca: representações visuais de espirais e vórtices inspiradas nos estados não ordinários de consciência. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopólis, Santa Catarina. 297f.
Nadal-Vicens, M.; Chyung, J.H.; Turner, T.J. 2009. Farmacologia da neurotransmissão serotoninérgica e adrenérgica central. In: Golan, D.E. et al. Princípios de Farmacologia: a base fisiopatológica da farmacoterapia. 2ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. p. 186-202.
Oliveira, I.L. 2010. Breve histórico da ressignificação da ayahuasca na religião santo daime. Revista Internacional Interdisciplinar Interthesis,7(2): 316-342.
Pires, A.; Oliveira, C.; Yonamine, M. 2010. Ayahuasca: uma revisão dos aspectos farmacológicos e toxicológicos. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada,31(1): 15-23.
Riba, J.; Valle, M.; Urbano, G.; Yritia, M.; Morte, A.; Barbanoj, M.J.; 2003. Human pharmacology of ayahuasca: subjective and cardiovascular effects, monoamine metabolite excretion, and pharmacokinetics. Journal Pharmacology Experimental Therapeutics, 306(1): 73-83.
Rodrigues.R.; Amador.M. 2014. Estudo das utilizações da M. tenuiflora no espaço agrário de São João- PE na perspectiva sistêmica. Revista diálogos, 11: 127-144.
Santiago, I.M.F.L. 2008. A jurema sagrada da Paraíba. Revista eletrônica Qualitas 7(1):1-14.
Santos, A.F.A. 2016. Avaliação toxicológica da ayahuasca em ratos wistar: comportamento e toxicidade reprodutiva em machos. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasilia, Brasilia, Distrito Federal. 96f.
Shanon, B. 2003. Os conteúdos das visões da ayahuasca. Mana 6(2): 109-152.
Souza, P.A. 2011. Alcalóides e o chá da ayahuasca: uma correlação dos “estados alterados da consciência” induzidos por alucinógenos. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 13(3): 349-358.
Sternbach, H. The Serotonin Syndrome. American Journal of Psychiatry, 148: 705, 1991.
Teixeira, D.E. 2007. O direito ao uso de enteógenos. Dissertação de Mestrado, Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul. 25f.
Tupper, K.W. 2002. Entheogens and existential intelligence: the use of plant teachers as cognitive tools. Canadian Journal of Education, 27(4): 499-516.
Publicado
2018-01-20
Como Citar
ALMEIDA, Darliane Freire; ASSIS, Thais Josy Castro Freire; SILVA, Ana Ligia Pereira. Dimetiltriptamina: alcalóide alucinógeno e seus efeitos no Sistema Nervoso Central. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 28-33, jan. 2018. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/43>. Acesso em: 25 abr. 2018. doi: https://doi.org/10.22571/2526-433843.
Seção
Revisão

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##