Avaliação fitoquímica e toxicológica dos extratos do fruto de Buchenavia sp.

  • Marcos Daniel de Sousa Ferreira Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal – UFPI, Teresina, Piauí
  • Emanuelle Karine Frota Batista Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal – UFPI, Teresina, Piauí
  • Ingrid dos Santos Farias Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Piauí Teresina, Piauí
  • Lildes Ferreira Santos Centro de Ciências e da Natureza, Teresina, Piauí
  • Jamylla Mirck Guerra de Oliveira Universidade Federal do Piauí, Teresina, Piauí
  • Silvana Maria Medeiros de Sousa Silva Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal – UFPI, Teresina, Piauí

Resumo

O gênero Buchenavia, conhecido popularmente como “mirindiba” ou “birindiba”, é endêmico e nativo do Brasil, encontrado nos cerrados e mata latifoliada, citada nos estados do Piauí e Tocantins como tóxica para animais de produção. Este trabalho teve como objetivo analisar a composição fitoquímica do extrato etanólico e frações dos frutos de Buchenavia sp., a toxicidade aguda em ratos e a atividade do extrato etanólico frente à Artemia salina. Foram realizadas analises fitoquímicas do extrato etanólico de Buchenavia sp e suas frações acetato de etila e aquosa. Também se verificou o potencial toxico desta planta frente a A. salina, nas concentrações de 1, 10, 100 e 1000 μg/mL e controle (solução salina), e toxicidade aguda onde três grupos de seis ratos foram tratados com frações acetato de etila, aquosa e controle, na dosagem de 5000 mg/Kg.  O extrato etanólico dos frutos de Buchenavia sp. apresenta fenóis simples, leucoantocianidinas, flavanonas e triterpenos pentacíclicos. Foi verificada a ação toxica do extrato etanólico do fruto de Buchenavia sp. na concentração 1000 μg/mL. As frações acetato de etila e aquosa não apresenta manifestações clínicas de toxicidade aguda.

Referências

Amaral, E.A.; Silva, R.M.G. 2008. Avaliação da toxicidade aguda de angico (Anadenanthera falcata), pau santo (Kilmeyera coreacea), aroeira (Myracrodruon urundeuva) e cipó de são João (Pyrostegia venusta), por meio do bioensaio com Artemia salina. Revista Eletrônica da Pesquisa, 5(5): 1-16.
Bacha, W. J.; Wood, L. M. Colors atlas of veterinary histology. Philadelphia: Lea and Febiger, Philadelphia. 1990. 269p.
Bighetti, A.E.; Antônio, M.A.; Possenti, A. Foglio, M.A.; Siqueira, M.G.; Carvalho, J.E. 2004. Efeitos da administração aguda e subcrônica da Luehea divaricata Martus et Zuccarini. Lecta, 22(1/2): 53-58.
Batawila, K.; Kokou, K.; Koumaglo, K. Gbéassor, M.; Foucault, B.; Bouchet, P.; Akpagana, K. 2005. Antifungal activities of five Combretaceae used in Togolese traditional medicine. Fitoterapia, 76(2), 264-268.
Bianchi, M.L.P.; Antunes, L.M.G. 1999. Radicais livres e os principais antioxidantes da dieta. Revista de Nutrição, 12(2): 123-130.
CFMV. Conselho Federal de Medicina Veterinária. Resolução nº 1000 de 11/05/2012.
Chhabra, S.C.; Mahunnah, B.L.A.; Mshiu, E.N. 1987. Plants used in traditional medicine in eastern Tanzania. I. Pteridophytes and angiosperms (Acanthaceae to Canellaceae). Journal of Ethnopharmacology, 21(3): 253-277.
Costa, A.C.R.; Silva, A.L.R.; Sousa, C.R. 2011. Abordagem fitoquímica, ação inibitória de acetilcolinesterase e atividade nematicida de Astronium fraxinifolium Schott. Quimica no Brasil, 5: 27-34.
Costa, A.M.D. 2009. Plantas toxicas de interesse agropecuário nas microrregiões de Araguaina e Bico do Papagaio, Norte do Tocantins. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 104f.
Falodun, A.; Usifoh, C.O.; Nworgu, Z.A. 2005. Phytochemical and active column fractions of Pyrenacantha staudtii leaf extracts on isolated rat uterus. Pakistan journal of pharmaceutical sciences, 18(4): 31-35.
Ferreira, M.D.S.; Batista, M.C.S.; Silva, S.M.M.S. 2016. Estudo de toxicidade de planta de interesse pecuário. Estudo de toxicidade sistêmica e reprodutiva do extrato etanólico da casca de Buchenavia sp. em ratos. Editora Novas Edições Acadêmicas. 60p.
Garcez, F.R.; Garcez, W.S.; Yoshida, N.C.; Figueiredo, P.O.A. 2016. A Diversidade dos Constituintes Químicos da Flora de Mato Grosso do Sul e sua Relevância como Fonte de Substâncias Bioativas. Revista Virtual de Química, n.8(1): 97-129.
Gartner, L.P.; Hiatt, J.L. 2010. Sistema reprodutor feminino e sistema reprodutor masculino. In: Atlas colorido de histologia. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 357-378.
Grinevicius, V.M.A.S. 2006. Avaliação da remediação de percolados de uma indústria têxtil utilizando bioindicadores e biomarcadores. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 179 f.
Hernes, P.J.; Hedges, J.I. 2004. Tannin signatures of barks, needles, leaves, cones, and wood at the molecular level. Geochimica et Cosmochimica Acta, 68(6): 1293-1307.
Hodgson, E.; Levi, P. 2004. Susceptibility of the renal system. In: Hodgson, E. A textbook of modern toxicology. 3 ed. New York: John Wiley & Sons, p. 273-78.
Houghton, P.J.J. 2002. Chromatography of the chromone and flavonoid alkaloids. Journals Chromatogr, 967(1): 75–84.
Jesus, N.A.; Suchara, E.A. 2013. Cultivo de plantas tóxicas e a ocorrência de intoxicações em domicílios no município de Barra do Graças. Revista Eletrônica da UNIVAR, 2(10): 89-95.
Khanam, U.K.S.; Oba, S.; Yanase, E.; Murakami, Y. 2012. Phenolic acids, flavonoids and total antioxidant capacity of selected leafy vegetables. Journal Functional Foods, 4(4): 979-987.
Lima, N.M.F.; Santos, A.F.; Porfírio, Z.; Goularta, M.O.F.; Sant'Anaa, A.E.G. 2002. Toxicity of lapachol and their potassium solts against Biomphalaria glabrata, Schitosoma mansoni cercariae, Artemia salina and Tilapia nilotica. Acta Tropica, 83(1): 43-47.
Lorenzi, H. 2002. Árvores Brasileiras – Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. V.2. 2ªed. Editora Plantarum. Nova Odessa – SP. 368 p.
Malone, M.H. 1977. Pharmacological approaches to natural product, screening and evaluation. In: Wagner, H. & Wolf, P. (Eds), Natural Products and Plant Drugs with Pharmacological, Biological or Therapeutical Activity., Springer-Verlag, Berlin, p.23-53.
Malone, M.H.; Robichaud. R.C. 1962. A hippocratic screening for pure or drug materials. Lloydia, 25(4): 23-53.
Martinez, M.T.S., Dieguez, T.S.; Cansino, N.S.C.; Gracia, E.A.; Sampedro, J.G. 2010. Innovacion de productos de alto valor agregado a partir de latuna mexicana. Revista Mexicana de Agronegocios, 14(27): 435-441.
Matos, F.J.A. 2009. Introdução à Fitoquímica Experimental. 3ª ed. Fortaleza: UFC, 150p.
Mello, G.W.S.; Oliveira, D.M.; Carvalho, C J.S.; Pires, L.V.; Costa, F.A.L.; Riet-Correa, F.; Silva, S.M.M. 2010. Plantas tóxicas para ruminantes e equídeos no Norte Piauiense. Pesquisa Veterinária Brasileira, 30(1): 1-9.
Meyer, B.N.; Ferrigni, N.R.; Putnam, J.E.; Jacobsen, L.B.; Nichols, D.E.; McLaughlin, J.L. 1982. Brine shrimp: a convenient general bioassay for active plant constituents. Planta Medica, 45(5): 31-34.
Middendorf, P.J.; Williams, P.L. 2000. Nefrotoxicity: Toxic Responses of the Kidney. In: Williams, P.L., James, R.C., Roberts, S.M. Principles of toxicology: environmental and industrial applications. A Wiley-intercience publication, Second Edition. New York, cap 5. p. 120-125.
Nguta, J.M.; Mbariaa, J.M.; Gakuyab, D.W.; Gathumbic, P.K.; Kabasad, J.D.; Kiamae, S.G. 2011. Biological screening of Kenya medicinal plants using Artemia salina L. (Artemiidae). Pharmacology online, 2: 458-278.
OECD (Organisation for Economic Co-operation and Development). 2008. Guidelines for the testing of chemicals: Acute Oral Toxicity – Up-and-Down- Procedure (UDP), Item 425.
Parra, A.L.; Yhebra, R. S.; Sardiñas, G.I.; Buela, I.L. 2001. Comparative study of the assay of Artemia salina L. and the estimate of the medium lethal dose (LD50 value) in mice, to determine oral acute toxicity of plant extracts. Phytomedicine, 8(5): 395-400.
Pereira, P.S.; Barros, M.L.; Brito, A.M.; Duarte, A.E.; Maia, A.J. 2014. Uso da Myracroduon urundeuva Allemão (aroeira do sertão) pelos agricultores no tratamento de doenças. Revista Cubana de Plantas Medicinales, 19(1): 51-60.
Pires Junior, H.B., Borges, L.M.F.; Sousa, L.A.D.; Cunha, L.C.; Lino Júnior, R.S.; Melo, D.F.A.; Pereira, M.E. 2012. Avaliação da toxicidade aguda do extrato hexânico de frutos de Melia azedarach (MELIACEAE) em camundongos. Ciência Animal Brasileira, 13(4): 512-519.
Rogers, C. B.; Coombes, P. H. 1999. Acidic triterpene glycosides in trachoma secretions differentiate subspecies of Combretum collinum in South Africa. Biochemical Systematics and Ecology, 27(3): 321-323.
Silva, C.A.M. 2007. Contribuição ao estudo químico e biológico de Pouteria gardnerii (Mart. & Miq.) Baehni (Sapotaceae). Dissertação de Mestrado, Faculdade de ciências da saúde. Universidade de Brasília, Brasília. 197p.
Silva, T.M.S.; Batista, M.M.; Camara, C.A. Agra, M.F. 2005. Molluscicidal activity of some Brazilian Solanum spp. (Solanaceae) against Biomphalaria glabrata. Annals of Tropical Medicine & Parasitology. 99(4), 419–425.
Simões, C.M.O.; Schenkel, E.P.; Gosmann, G. 2010. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 6º ed. Porto Alegre: UFSC.
Tokarnia, C.H.; Brito, M.F.; Barbosa, J.D. 2012. Plantas tóxicas do Brasil para animais de produção. 2.ed. Rio de Janeiro: Helianthus, 566p.
Túrmina, J.A. 2012. Avaliação da toxicidade subcrônica in vivo do exopolissacarídeo produzido pelo fungo Lasiodiplodia theobromae MMPI. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual do Centro-oeste. 50f.
Valadares, M. C. 2006. Avaliação de toxicidade aguda: estratégias após a “era do teste DL50”. Revista Eletrônica de Farmácia, 3(2): 93-98.
Vasconcelos, J.; Vieira, J.G.P.; Vieira, E.P.P. 2009. Plantas Tóxicas: Conhecer para Prevenir. Revista Científica da UFPA, 7(1): 1-10.
Venancio, A.M. 2006. Toxicidade aguda e atividade antinociceptiva do óleo essencial do Ocimum basilicum L. (manjericão), em Mus músculos (camundongos). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Sergipe, Aracaju. 110f
Violante, I.M.P.; Sousa, I.M.; Venturini, C.I.; Ramalho, A.F.S.; Santos, R.A.N.; Ferrari, M. 2009. Avaliação in vitro da atividade fotoprotetora de extrato vegetais do cerrado de Mato Grosso. Revista Brasileira de Farmacognosia, 19(2):452-457.
Zatta, D.T.; Pimenta, F.C.P.; Tresvenzol, L.M.F.; Fiuza, T.S.; Bara, M.T.F.; Cunha, L.C.; Pucci, L.L.; Garrote, C.F.D.; Oliveira, F.N.M.; Paula, J.R. 2009. Estudo da atividade antibacteriana contra cepas de Pseudomonas aeruginosa e da Toxicidade aguda das folhas da Jacaranda decurrens. Latin American Journal of Pharmacy, 28(4):485-489.
Publicado
2017-05-23
Como Citar
FERREIRA, Marcos Daniel de Sousa et al. Avaliação fitoquímica e toxicológica dos extratos do fruto de Buchenavia sp.. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 17-22, maio 2017. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/32>. Acesso em: 21 nov. 2017. doi: https://doi.org/10.22571/Actabra12201732.
Seção
Farmácia

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##