Diagnóstico ambiental dos fragmentos florestais pertencentes ao corredor ecológico Santa Genebrinha, Campinas, São Paulo

Resumo

As áreas verdes, localizadas em ambientes urbanos ou rurais, desempenham papel fundamental para a manutenção dos sistemas ecológicos que fornecem serviços ambientais vitais à manutenção da qualidade de vida das populações. Nesse sentido, o presente estudo teve por objetivo levantar os danos ambientais ocorrentes nos remanescentes florestais que compõem o corredor ecológico Santa Genebrinha no município de Campinas/SP a fim de identificar as limitações na implantação e manutenção deste corredor. Inicialmente realizou-se um diagnóstico dos geoindicadores e da distribuição dos remanescentes florestais na Bacia do Ribeirão Anhumas, onde o corredor está inserido. Posteriormente aplicou-se uma matriz de avalição de impactos adaptada de forma a quantificar os principais danos ambientais que acometem os remanescentes florestais que compõem esse corredor. As ações mais impactantes observadas sobre o corredor foram: a agricultura/monocultura, o desmatamento, as queimadas, a urbanização e o uso e ocupação do solo, com médias para quantificação (Q) de -7,6; -8,3; -7,3; -8,1 e -7,3, respectivamente, acarretando em percentual para danos elevados de 66,7% para cada ação e diagnóstico de abrangência pontual, incidência direta e temporalidade atual, reforçando a necessidade de consideração destes fatores na implantação e gestão do corredor ecológico em estudo.

##plugins.generic.usageStats.downloads##

Não há dados estatísticos.

Referências

Amato-Lourenço, L. F.; Moreira, T. C. L.; Arantes, B. L.; Silva Filho, D. F., & Mauad, T. (2016). Metrópoles, cobertura vegetal, áreas verdes e saúde. Estudos Avançados, 30(86), 113-130. doi:10.1590/S0103-40142016.00100008.

Carpi Júnior, S.; Scaleante, O.A.F.; Abraão, C.E.C.; Tognoli, M.B.; Dagnino, R.S., & Briguenti, E.C. (2006). Levantamento de riscos na bacia do Ribeirão das Anhumas. In: Projeto Anhumas. Campinas: IAC, 2006. p.262-302.

Carvalho, J. R. M.; Curi, W. F.; Carvalho, E. K. M. A.., & Curi, R. C. (2011). Proposta e validação de indicadores hidroambientais para bacias hidrográficas: estudo de caso na sub-bacia do alto curso do Rio Paraíba, PB. Sociedade & Natureza, 23(2), 295-310. doi:10.1590/s1982-45132011000200012

Chaves, H. M. L., & Santos, L. B. (2009). Ocupação do solo, fragmentação da paisagem e qualidade da água em uma pequena bacia hidrográfica. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 13 (supl0), 922-930. doi:10.1590/S1415-43662009000700015

Costa, O. B.; Matricardi, E. A. T., & Pires, J. S. R. (2015). Análise do processo de fragmentação da floresta nos municípios de Corumbiara e Buritis - RO. Floresta e Ambiente, 22(3), 334-344. doi:10.1590/2179-8087.044113

Coutinho, L. M. (2006). O conceito de bioma. Acta Botanica Brasilica, 20(1), 13-23. Recovered from http://www.scielo.br/pdf/abb/v20n1/02.pdf

Damame, D. B., Oliveira, E. D., & Longo. R. M. (2019). Impactos ambientais pelo uso e ocupação do solo em sub-bacias hidrográficas de Campinas, São Paulo, Brasil. Acta Brasiliensis, 3(1), 1-7. doi:10.22571/2526-4338108

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (2008). Mapa Pedológico Semidetalhado do Município de Campinas. São Paulo: Embrapa.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2013). Nota Técnica nº 1 de dezembro de 2013. Considerações Fitogeográficas e históricas sobre o bioma cerrado no Estado de São Paulo. São Paulo: Embrapa.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2019). Argissolos Vermelho-Amarelos. São Paulo: Embrapa.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2019). Latossolos Vermelho-Amarelos. São Paulo: Embrapa.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2019). Latossolos Vermelhos. São Paulo: Embrapa.

Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano S/A. (2010). Produtos Cartográficos: Ortofotos Digitais. São Paulo: Emplasa.

Futada, S. M. (2007). Fragmentos remanescentes da bacia do Ribeirão das Anhumas (Campinas-SP): evolução e contexto (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Gomes, R. C. (2017). Influência do uso e ocupação do solo na qualidade das águas do Ribeirão das Pedras – Campinas/SP (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2017.

Greccio, T. C.; Pissara, T. C. T., & Rodrigues, F.M. (2009). Avaliação dos fragmentos florestais do município de Jaboticabal-SP. Revista Árvore, Viçosa, 33(11), 117-124. doi:10.1590/S0100-67622009000100012

Hessel, F. O.; Carvalho Junior, O. A.; Gomes, R. A. T.; Martins, E. S., & Guimarães, R. F. (2012). Dinâmica e sucessão dos padrões da paisagem agrícola no município de Côcos (Bahia). RA’E GA, 26, 128-156.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2018). Mapa de biomas do Estado de São Paulo. São Paulo: Ministério do Meio Ambiente.

Jatobá, S. U. S. (2011). Urbanização, meio ambiente e vulnerabilidade social. Boletim Regional, Urbano e Ambiental, 5, 141-148.

Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000 (2000). Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Casa Civil. Brasília, DF. Recovered from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm

Leopold, L. B. et al. (1971). A procedure for evaluating environmental impact. Geological Survey. Circular 645.
Loboda, C. R. & Angelis, B. L. D. (2005). Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência, 1(1), 125-139.

Maynard, I. F. N.; Cruz, M. A. S., & Gomes, L. J. (2017). Applying a sustainability index to the Japaratuba river wathershed in Sergipe state. Ambiente & Sociedade, 20(2), 201-220. doi:10.1590/1809-4422asoc0057r1v2022017

Ministério do Meio Ambiente (2003). Indicadores Ambientais. DF: Ministério do Meio Ambiente.

Ministério do Meio Ambiente. (2010). Mata Atlântica: Manual de Adequação Ambiental. Brasília: MMA, 2010.

Moro, R. S. & Milan, E. (2016). Natural Forest Fragmentation Evaluation in the Campos Gerais Region, Southern Brazil. Environment and Ecology Research, 4(2), 74-78. doi:10.13189/eer.2016.040204

Oliveira, L. S. C. et al. (2015). Efeito de borda em remanescentes de floresta atlântica na bacia do rio Tapacurá, Pernambuco. Cerne, 21(2), 169-174. doi:10.1590/01047760201521021185

Patra, S.; Sahoo, S.; Mishra, P., & Mahapatra, S. C. (2018). Impacts of urbanization on land use/cover changes and its probable implications on local climate and groundwater level. Journal of Urban Management, 7(2), 70-84. doi:10.1016/j.jum.2018.04.006

Pereira, G.; Chávez, E. S., & Silva, M. E. S. (2012). O estudo das unidades de paisagem do bioma Pantanal. Revista Ambiente & Água, 7(1), 89-103. doi:10.4136/ambi-agua.826

Peres, R. B. & Chiquito, E. A. (2012). Ordenamento territorial, meio ambiente e desenvolvimento regional: novas questões, possíveis articulações. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 14(2), 71-86. doi:10.22296/2317-1529.2012v14n2p71

Resolução n. 13, de 08 de julho de 2016. Estabelece o corredor ecológico “Mata Santa Genebrinha - APP Ribeirão Anhumas” em acordo com decreto 19.167, de 06 de junho de 2016 que institui o Plano Municipal do Verde. Diário Oficial, p. 18-19. Campinas, São Paulo: Prefeitura Municipal de Campinas.

Rosa, J. C. S. (2014). Avaliação de impactos ambientais de um projeto de mineração: um teste metodológico baseado em serviços ecossistêmicos (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo. Recovered from https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3134/tde-18032015-151528/publico/disser_josiannerosa.pdf

Ross, J. L. S; Moroz, I. C. (1997). Mapa geomorfológico do estado de São Paulo. In: FFLCH-USP/FAPESP/IPT.

Sampaio, R. C. N. (2011). Efeito de borda em um fragmento de floresta estacional semidecidual no interior do Estado de São Paulo (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agronômicas.

Santos, T. O.; Andrade Filho, V. S.; Rocha, V. M., & Menezes, J. S. (2017). Os impactos do desmatamento e queimadas de origem antrópica sobre o clima da Amazônia brasileira: um estudo de revisão. Revista Geográfica Acadêmica, 11(2), 157-181.

Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo. (2015). Ficha Técnica: Unidades Básicas de Compartimentação do Meio Físico (UCB). São Paulo: Prefeitura de São Paulo.

Secretaria do Estado de São Paulo (2013). Uso e Cobertura da Terra da UGRHI 05 (PCJ) – 2013. São Paulo: SMA/CPLA/DIA/CIGI.

Schaadt, S. S. & Vibrans, A. C. (2015). O uso da terra no entorno de fragmentos florestais influencia a sua composição e estrutura. Floresta e Ambiente, 22(4), 437-445. doi:10.1590/2179-8087.062813

Seoane, C. E. S.; Diaz, V. S.; Santos, T. L., & Froufe, L. C. M. (2010). Corredores ecológicos como ferramenta para a desfragmentação de florestas tropicais. Pesquisa Florestal Brasileira, 30(63), 207-216.
doi:10.4336/2010.pfb.30.63.207

Silva, A. L. & Longo, R. M. (2017). Influence of urbanization on the original vegetation cover in urban river basin: casy study in Campinas/SP. Brazil. Geophysical Research Abstracts, 19.

Silva, D. D. E.; Felizmino, F. T. A., & Oliveira, M. G. (2015). Avaliação da degradação ambiental a partir da prática da cultura do feijão no município de Tavares-PB. Holos, 8, 148-165. doi:10.15628/holos.2015.2063

Sobral, I. S. (2007). Avaliação dos impactos ambientais no Parque Nacional Serra de Itabaiana – SE. Caminhos da Geografia, 8(24), 102-110.

Torres, R. B.; Adami, S. F., & Coelho, R. M. (2014). Atlas socioambiental da bacia do Ribeirão das Anhumas. Campinas: Pontes Editores.
Publicado
2019-09-30
Como Citar
MACHADO GARCIA, Joice et al. Diagnóstico ambiental dos fragmentos florestais pertencentes ao corredor ecológico Santa Genebrinha, Campinas, São Paulo. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 3, n. 3, p. 97-105, set. 2019. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/262>. Acesso em: 19 nov. 2019. doi: https://doi.org/10.22571/2526-4338262.
Seção
Ecologia