Caracterização química da espécie Raphanus sativus L. submetida à diferentes condições de adubação e estresse hídrico

Resumo

Este estudo quantificou o teor de compostos fenólicos e flavonóides, avaliou a atividade antioxidante pelo método DPPH (2,2-difenil-1-picrilhidrazil) e identificou alguns metabólitos secundários do R. sativus submetido a adubação orgânica e estresse hídrico. Foi realizado experimento em casa de vegetação e preparo dos extratos vegetal (folha e raiz), quantificação de compostos fenólicos e flavonóides, atividade antioxidante e a triagem fitoquímica. Foram identificadas  diferentes classes de metabólitos secundários (catequinas, esteróides, saponinas entre outras). Pelo método DPPH foi demonstrado que o extrato das folhas possuem maior eficiência quanto a captura do radical DPPH. O extrato das folhas apresentaram alto teor de compostos fenólicos, especialmente nos tratamentos sem estresse hídrico, seja com adubação orgânica (1925,59 mg EAG/g de extrato) ou com adubação mineral (2058,47 mg EAG/g de extrato). Para a raiz, a R. sativus desenvolvida sob estresse hídrico e adubação orgânica apresentou maior teor de fenóis (1383,24 mg EAG/g de extrato). Para o teor de flavonóides o extrato da raiz que apresentou maior concentração foi o estresse hídrico sem adubação (82,1 mg EQ/g de extrato). Portanto, foi possível observar que o rabanete é  rico em compostos bioativos e com potencial antioxidante, tantos suas folhas como em sua raiz.


 

##plugins.generic.usageStats.downloads##

Não há dados estatísticos.

Referências

Arbos, K. A., Freitas, R. J. S., Stertz, S. C., & Dornas, M. F. (2010). Atividade antioxidante e teor de fenólicos totais em hortaliças orgânicas e convencionais. Revista Ciência e Tecnologia de Alimentos, 30(2), 501-506. doi:10.1590/S0101-20612010000200031
Barros, R. P., Reis, L. S., Costa, J. G., Cunha, A. L., Magalhaes, I. C. S., Silva, C. G., Santos, A. F., Neves, J. D. S., Duarte, A. G., Mello, G. S. V., Freitas, J. D., Sousa, J. S., & Franco, S. P. B. (2018). Bioactivity and phenolic composition of extracts of noni (Morinda citrifolia L., Rubiaceae) in tomato moth (Tuta absoluta Meyrick, 1917) (Lepidoptera: Gelechiidae). African Journal of Agricultural Research, 13(39), 2063-2069. doi:10.5897/AJAR2018.13447
Bomfim, M. P., Lima, G. P. P., Vianelo, F., & São José, A. R. (2017). Characterization of bioactive compounds in fruits ande vegetables purchased in the Padova – Itália. Revista Iberoamericana de Tecnología Postocosecha, 18(2), 1-17.
Coutinho Neto, A. M., Orioli Junior, V., Cardoso, S. S., & Coutinho, E. Z. M. (2010). Produção de matéria seca e estado nutricional do rabanete em função da adubação nitrogenada e potássica. Revista Nucleus, 7(2): 105- 114. http://dx.doi.org/10.3738/nucleus.v7i2.349
Dutra, M., Deboni, T. C., Volpi, P. S. B., Matias, J. F. G., & Nesi, B. Z. (2014). Avaliação produtiva de rabanete Raphanus sativus L. submetido a preparados homeopáticos de tiririca Cyperus rotundus L. Revista Brasileira de Agroecologia, 9(2), 151-159.
Ferreira, D. F. (2014). Sisvar: a Guide for its Bootstrap procedures in multiple comparisons. Ciência e Agrotecnologia., 38(2), 109-112. doi:10.1590/S1413-70542014000200001
Melo, C. M. T., & Faria, J. V. (2014). Composição centesimal, compostos fenólicos e atividade antioxidante em partes comestíveis não convencionais de seis olerícolas. Bioscience Journal., 30(1), 93-100.
Rigueira, G. D. J., Bandeira, A. V. M., Chagas, C. G. O., & Milagres, R. C. R. M. (2016). Atividade antioxidante e teor de fenólicos em couve-manteiga (brassica oleracea l. var. acephala) submetida a diferentes sistemas de cultivo e método de preparo. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, 37(2), 3-12. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2016v37n2p3
Rodrigues, R. R., Pizetta, S. C., Teixeira, A. G., Reis, E. F., & Hott, M. O. (2013). Produção de rabanete em diferentes disponibilidades de água no colo. Enciclopédia Biosfera, 9(17), 2121-2130.
Santos, A. F. , Cunha, A. L. , Melo, I. S. V. de , Pavão, J. M. S. J. , Costa, J. G., & Franco, S. P. B. (2019). Análise do potencial antioxidante de três espécies vegetais da família Fabacea. In: Alan Mario Zuffo. (Org.), As Regiões Semiáridas e suas Especificidades. (1ed., Cap. 8, pp.70 – 84). Ponta Grossa: Atena. doi:10.22533/at.ed.923191503
Schlickmann, F. (2015). Estudo químico e avaliação do potencial gastroprotetor, antinociceptivo e antiploriferativo de Mimusops balata (Abricó-da-praia) (Dissertação de mestrado). Universidade do Vale do Itajaí. Itajaí, Santa Catarina.
Serquiz, R. P., Morais, A. M. A., Sátiro, D. S. P., & Serquiz, A. C. (2017). Avaliação do potencial biológico e farmacológico (determinação das atividades hemaglutinante e inibidora de proteases) de sementes de mostarda. Revista da Saúde & Biotecnologia, 1(1), 31-47.
Silva, A. F. (2014). Estudo farmacognóstico e avaliação das atividades biológicas de Raphanus sativus var. oleiferus Metzg (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, Minas Gerais.
Singh, P.& Singh, J. (2013). Medicinal and therapeutic utilities of Raphanus sativus. International Journal of Plant, Animal and Environmental Sciences, 3(2), 103-105.
Soethe, C., Steffens, C. A., Amarante, C. V. T., Martin, M. S., & Bortolini, A. J. (2016). Qualidade, compostos fenólicos e atividade antioxidante de amoras pretas 'Tupy' e 'Guarani' armazenadas a diferentes temperaturas. Revista Pesquisa Agropecuária Brasileira, 51(8), 950-957. doi:10.1590/S0100-204X2016000800007
Sousa, R. F.& Sousa, J. A. (2017). Metabólitos secundários associados a estresse hídrico e suas funções nos tecidos vegetais. Revista Brasileira de Gestão Ambiental, 11(1), 1-8.
Sociedade brasileira de ciência do solo (2004). Manual de adubação e de calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina ( 10 ed.). Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo.
Tiveron, A. P. (2010). Atividade antioxidante e composição fenólica de legumes e verduras consumidos no Brasil (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo – Escola Superior de Agricultura “Luiz Queiroz”, Piracicaba, São Paulo. doi:10.11606/D.11.2010.tde-20102010-101541
Valério, S. H. (2017). Glicosinolatos: Estrutura Química, Mecanismo de Ativação Enzimática e Atividade Biológica (Monografia). Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, Minas Gerais.
Publicado
2020-01-20
Como Citar
CUNHA, Amanda Lima et al. Caracterização química da espécie Raphanus sativus L. submetida à diferentes condições de adubação e estresse hídrico. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 4, n. 1, p. 53-59, jan. 2020. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/245>. Acesso em: 08 abr. 2020. doi: https://doi.org/10.22571/2526-4338245.
Seção
Química de Alimentos