Licófitas e Samambaias no Cerrado do Leste do Maranhão, Brasil

  • Guilherme Sousa Silva Núcleo de Pesquisa dos Recursos Biológicos dos Cerrados Maranhenses, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias, Maranhão http://orcid.org/0000-0002-4250-0017
  • Domingos Lucas Santos Silva Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade, Ambiente e Saúde, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias, Maranhão http://orcid.org/0000-0001-6700-6659
  • Regigláucia Rodrigues Oliveira Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade, Ambiente e Saúde, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias, Maranhão http://orcid.org/0000-0003-3916-3686
  • Maria Lindalva Alves Silva Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade, Ambiente e Saúde, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias, Maranhão
  • Gonçalo Mendes Conceição Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade, Ambiente e Saúde, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias, Maranhão http://orcid.org/0000-0001-9056-9070

Resumo

O Cerrado é um bioma estratégico para o Brasil, em virtude de sua diversidade e fonte para a economia brasileira. As (Lycophyta) Licófitas e (Monilophyta) Samambaias do Cerrado apresentam uma biodiversidade significativa de espécies, apesar dos poucos estudos para este domínio fitogeográfico. Essa pesquisa objetivou realizar um levantamento e caracterizar morfologicamente as espécies de Licófitas e Samambaias ocorrentes em fragmentos vegetacionais do Cerrado no município de São João do Sóter, Maranhão. Realizaram-se quatro excursões à área de estudo entre o período de outubro de 2015 à janeiro de 2016. O material botânico foi coletado, herborizado e identificado. Foram registrados 58 espécimes, distribuídos em 19 espécies, 14 gêneros e 11 famílias, sendo registrada uma nova ocorrência para o estado, a Cyclodium meniscioides (Willd.) C. Presl. O número de espécies de Licófitas e Samambaias registradas na área de estudo, até o momento, é o maior para o Maranhão.

Referências

Arantes, A.A.; Ranal, M.A.; Prado, J. 2007.Thelypteris subg. Goniopteris e Meniscium (Thelypteridaceae) da Estação Ecológica do Panga, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Hoehnea. 34: 121-129.
ATHAYDE-FILHO, F.P.; FELIZARDO, M.P.P. 2007. Florística e aspectos ecológicos da pteridoflora em três segmentos florestais ao longo do Rio Pindaíba, Mato Grosso. Pesquisas Botânica, São Leopoldo, 58: 227-244.
Bastos, C.C.C.; Cutrim, M.V.J. 1999. Pteridoflora da Reserva florestal do Sacavém, São Luís – Maranhão. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, série Botânica. 15(1): 3-37.
Conceição, G.M.; Rodrigues, M. S. 2010. Pteridófitas do Parque Estadual do Mirador, Maranhão, Brasil. Caderno de Geociências, 7: 47-53.
Conceição, G.M.; Ruggieri, A.C. 2010. Pteridófitas do Município de Tufilândia, Estado do Maranhão, Brasil.
Costa, F.R.C. 2004. Structure and composition of the ground-herb community in a terra-firme Central Amazonian forest. Acta Amazonica. 34(1): 53-59.
Fernandes, R.S.; Conceição, G.M.; Brito, E.S.; Paula-Zárate, E.L. 2007. Diversidade florística de pteridófitas da Área de preservação Ambiental do Inhamum, Caxias, Maranhão, Brasil. Revista Brasileira de Biociências. 5: 411-413.
Fernandes, R.S.; Conceição, G.M.; Costa, J.M.; Zárate, E.L.P. 2010. Samambaias e licófitas do município de Caxias, Maranhão, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, 5(3): 345-356.
Fidalgo, O.; Bononi, V.L.R. 1989. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico. Instituto de Botânica de São Paulo. p. 62.
Flora do Brasil 2020. 2017. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: < http://floradobrasil.jbrj.gov.br>. Acesso em: 20 Mai. 2016.
Forsthofer, M.; Athayde Filho, F.P. 2012. Florística e aspectos ecológicos de samambaias e licófitas ao longo do córrego Cachoeirinha, Nova Xavantina-MT. Pesquisas Botânica. 63: 149-164.
Goetz, M.N.B.; Fraga, L.L.; Schmitt, J.L. 2012. Florística e aspectos ecológicos de samambaias e licófitas em um parque urbano do Rio Grande do Sul, Brasil.
Gonzatti, F.; Valduga, E.; Wasum, R.; Scur, L. 2014. Florística e aspectos ecológicos de samambaias e licófitas em remanescentes de matas estacionais deciduais da serra gaúcha, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Biociências 12(2): 90-97.
IBGE. Satélite Maps: Município de São João do Sóter. 2012. Disponível em: < http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=211107>. Acesso em: 20 Mai. 2016.
Klink, C.A.; Machado, R.B. 2005. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade. Belo Horizonte. 1(1): 148-155.
Kramer, K. U.; Green, P. S. 1990. Pteridophytes and Gymnosperms. In: Kubitzki, K. The families and Genera of Vascular Plants. Berlin, Springer-Verlag, p. 404.
Lehn, C.R.; Assis, E.L.M. 2013. Riqueza de samambaias e licófitas de uma mata de galeria na região central de Mato Grosso do Sul. Biotemas, 26(1): 7-15.
Mendonça, R.C.; Felfili, J.M.; Walter, B.M.T.; Silva Junior, M.C.; Rezende, A.V.; Filgueiras, T.S.; Nogueira, P.E.; Fagg, C.W. 2008. Flora vascular do Bioma Cerrado. Checklist com 12.356 espécies. In: Sano, S.M.; Almeida, S.P.; Ribeiro, J.F. Cerrado – ecologia e flora. Brasília, Embrapa Cerrados p. 423-1279.
Moran, R.C. 2008. Diversity, Biogeography, and Floristics. In: Ranker, T.A.; Haufler, C.H. Biology and evolution of ferns and lycophytes. Cambridge University Press, Cambridge. p. 367-394.
Pirrie, L. 2014. Doodia rasp ferns become Blechnum hard ferns. Museum of New Zeland. p. 7.
Prado, J. 1998. Reino Vegetal: Pteridophyta. In: FAPESP. Série Biodiversidade, São Paulo, cap. 5, p. 49-61.
Prado, J. 2005. Pteridaceae. In: Cavalcanti, T.B.; Ramos, A.E. Flora do Distrito Federal. Embrapa, Brasília. p. 185-215.
Prado, J.; Sylvestre, L.S. 2010. Introdução: as samambaias e licófitas do Brasil. In: Forzza, R. C. et al. Catálogo de plantas e fungos do Brasil [online]. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio De Janeiro. Rio de Janeiro. 1: 69-74.
Prado, J.; Sylvestre, L.S.; Labiak, P.H.; Windisch, P.G.; Salino, A.; Barros, I.C.L.; Hirai, R.Y.; Almeida, T.E.; Santiago, A.C.P.; Kieling-Rubio, M.A.; Pereira, A.F.N.; Øllgaard, B.; Ramos, C.G.V.; Mickel, J.T.; Dittrich, V.A.O.; Mynssen, C.M.; Schwartsburd, P.B.; Condack, J.P.S.; Pereira, J.B.S.; Matos, F.B. 2015. Diversity of ferns and lycophytes in Brazil. Rodriguésia. 66(4): 1073-1083.
Pryer, K.M.; Schuettpelz, E.; Wolf, P.G.; Schneider, H.; Smith, A.R.; Cranfill, R. 2004. Phylogeny and evolution of ferns (Monilophytes) with a focus on the early leptosporangiate divergences. American Journal of Botany. 91. 10: 1582-1598.
Smith, A. R.; Pryer, K.M.; Schuettpelz, E.; Korall, P.; Schneider, H.; Wolf, P.G. 2006. A classification for extant ferns. Taxon. Utrecht, 55(3): 705-31.
Smith, A.R.; Pryer, K.M.; Schuettpelz, E.; Korall, P.; Schneider, H.; Wolf, P.G. 2008. Fern classification. In: Ranker, T.A.; Haulfer, C.H. Biology and Evolution of Ferns and Lycophytes. Cambridge University Press. Cambridge. p. 417-461.
Windisch, P.G. 1992. Pteridófitas da Região Norte-Ocidental do Estado de São Paulo: guia para excursões. 2. ed. São José do Rio Preto: UNESP, p. 110.
Zambiase, R.M.; Resende, I.L.M.; Kreutz, C. Athayde Filho, F.P. 2016. Análise Ecoflorística de Samambaias e Licófitas em Mata de Galeria Inundável e Vereda, Quirinópolis, Goiás, Brasil. Pesquisas. Botânica. São Leopoldo: Instituto Anchietano de Pesquisas (69): 169-181.
Zuquim, G.; Costa, F.R.C.; Prado, J.; Tuomisto, H. 2008. Guia de samambaias e licófitas da REBIO Uatumã, Amazônia Central. Design Ed., Manaus. p.316.
Publicado
2017-05-24
Como Citar
SILVA, Guilherme Sousa et al. Licófitas e Samambaias no Cerrado do Leste do Maranhão, Brasil. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 13-16, maio 2017. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/24>. Acesso em: 24 set. 2017. doi: https://doi.org/10.22571/Actabra12201724.
Seção
Botânica

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##