Avaliação de escoamento pluvial em módulos de telhados verdes com diferentes substratos

Resumo

A substituição de coberturas impermeáveis por coberturas verdes têm apresentado-se como uma alternativa ambientalmente adequada para a redução do escoamento superficial das águas da chuva. Nesse sentido, essa pesquisa avaliou a eficiência da composição do substrato de telhados verdes na redução do escoamento pluvial. Para tanto, foi realizado o monitoramento de eventos de chuva e vazão, considerando 40 sistemas experimentais (10 tratamentos, com 4 repetições em cada) de telhados verdes modulares, compostos por solo puro, substrato comercial puro e pela combinação de diferentes substratos: casca de arroz carbonizada, casca de arroz in natura e solo. Não houve diferença estatisticamente significativa na taxa de retenção média entre os tratamentos avaliados. Apesar disso, verificou-se que todos os tratamentos testados apresentaram taxa média de retenção do escoamento pluvial igual a 74%, o que demonstra o potencial de utilização de resíduos como a casca de arroz na composição de substratos para telhados verdes, visto seu custo ser mais baixo que o custo de substratos comerciais, devido às suas propriedades como leveza, porosidade e boa drenagem, além de constituir-se em uma alternativa ambientalmente adequada para a destinação desse passivo ambiental.

##plugins.generic.usageStats.downloads##

Não há dados estatísticos.

Referências

Ampim, P. A. Y.; Sloan, J. J.; Cabrera, R. I.; Harp, D. A. H. Jabers, F. H. (2010). Green Roof Growing Substrates: Types, Ingredients, Composition And Properties. Journal Of Environmental Horticulture, 28(4), 244-252. doi: 10.24266/0738-2898-28.4.244

Baldessar, S. M. N. (2012). Telhado verde e sua contribuição na redução da vazão da água pluvial escoada (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná.

Carrijo, O. A; Liz, R. S.; Makishima, N. (2002). Fibra da casca do coco verde como substrato agrícola. Horticultura Brasileira, 20(4), 533-535. doi: 10.1590/S0102-05362002000400003.

FLL - Forschungsgesellschaft Landschaftsentwicklung Landschaftsbau. (2008). Guidelines for the Planning, Construction and Maintenance of Green
Roofing, English ed.

Jobim, L. A. (2013). Diferentes tipos de telhados verdes no controle quantitativo da água pluvial, Santa Maria (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul.

Klinkenborg, V. (2009). Green Roofs. Revista National Geographic.

Löbler, C. A.; Sccoti, A. A. V.; Werlang, M. K. (2015). Contribuição à delimitação dos biomas Pampa e Mata Atlântica no município de Santa Maria, RS. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 19(2), 1250-1257. doi: 105902/2236117016038

Lorenzini Neto, F. (2014). Modelagem de telhado verde: uma análise da eficiência no
controle do escoamento pluvial em diferentes escalas (Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul.

Mickovski, S. B.; Buss, K.; Mckenzie, B. M.; Sökmener, B. (2013). Laboratory study on the potential use of recycled inert construction waste material in the substrate mix for extensive green roofs. Ecological Engineering, 61(Part C), 706-714. doi: 10.1016/j.ecoleng.2013.02.015

Noya, M. G.; Cuquel, F. L.; Schafer, G.; Armindo, R. A. (2017). Substrates for cultivating herbaceous perennial plants in extensive green roofs. Ecological Engineering, 102, 662-669. doi: 10.1016/j.ecoleng.2017.02.042

Oliveira, C. C. (2012). Substratos para uso em telhados verdes: Avaliação da retenção hídrica e qualidade da água de escoamento (Dissertação de Mestrado). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Peck, S.; Callaghan, C.; Kuhn, M.; Bass, B. (1999). Greenbacks from green roofs: forging a new industry in Canada. Canada Mortgage and Housing Corporation.

R Core Team. (2017). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. URL .

Santos, P. L. F. & Castilho, R. M. M. (2018). Floriferous herbaceous and substrates for use on extensive green roofs. Ornamental Horticulture, 24(3), 261-268. doi: 10.14295/oh.v24i3.1251

Savi, A. C. & Tavares, S. F. (2018). Telhados verdes: uma análise da influência das espécies vegetais na retenção de água de chuva. Revista de Arquitetura IMED, 7(1), 50-67. doi: 10.18256/2318-1109.2018.v7i1.2647

Silva, F. B. (2010). Telhado verde alveolar. Téchne Revista do Engenheiro Civil, Ed. 162. Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

Silva, T. F., Paiva, A., Santos, S. (2015). Capacidade de retenção de água em um telhado verde: Estudo de caso em Caruaru. XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos.

Tonial, M. et al (2017). Telhados verdes: uma perspectiva contemporânea. Revista CIATEC, 9(1), 46-57. doi: 10.5335/ciatec.v9i1.6281

Tassi, R.; Tassinari, L. C. da S.; Piccilli, D. G. A. Persch, C. G. (2014). Telhado verde: uma alternativa sustentável para gestão das águas pluviais. Ambiente Construído, 14(1), 139-154. doi: 10.1590/S1678-86212014000100012.
Publicado
2019-05-27
Como Citar
FRANCO, Brenda Mello et al. Avaliação de escoamento pluvial em módulos de telhados verdes com diferentes substratos. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 3, n. 2, p. 69-73, maio 2019. ISSN 2526-4338. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/184>. Acesso em: 17 jul. 2019. doi: https://doi.org/10.22571/2526-4338184.
Seção
Ecologia