Curve of permanence of flows of the river Timbó, State of Santa Catarina, Brazil

  • Álvaro José Back Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina, Estação Experimental de Urussanga, Brasil http://orcid.org/0000-0002-0057-2186
  • Gustavo José Deibler Zambrano Departamento de Engenharia de Agrimensura, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, Santa Catarina, Brasil http://orcid.org/0000-0003-1458-2454
  • Cláudia Weber Corseuil Programa de Pós-Graduação em Energia e Sustentabilidade, Centro de Ciências, Tecnologia e Saúde, Departamento de Energia e Sustentabilidade, Universidade Federal de Santa Catarina, Araranguá, Santa Caarina, Brasil http://orcid.org/0000-0001-8201-207X

Abstract

A curva de permanência é utilizada como informação de disponibilidade hídrica, sendo adotadas como referência nos processos de gestão de recursos hídricos. No presente estudo foi avaliada e modelada a curva de permanência de vazões do rio Timbó, localizado no Planalto Norte de Santa Catarina. Foram utilizados os dados diários de vazão da estação fluviométrica Santa Cruz do Timbó (Código 65295000) referente ao período de 1975 a 2005. Desta forma, pode-se estabelecer as curvas de permanência para vazões mensais e vazões diárias. Os valores foram adimensionalizados pela vazão média de longo termo e ajustados ao modelo Racional. Também foram determinadas as curvas de permanência de vazões diárias para cada mês, e ajustados os modelos para estas vazões adimensionalizadas pelas vazões médias mensais. Os resultados obtidos mostram que a utilização da curva de permanência mensal superestima os valores de vazão com frequências superiores a 20%. Os modelos ajustados permitem estimar a vazão com pequeno erro padrão de estimativa, sendo os valores do coeficiente de determinação superior a 0,99.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Gustavo José Deibler Zambrano, Departamento de Engenharia de Agrimensura, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, Santa Catarina, Brasil

Engenheiro Ambiental, Mestre em  Ciência e Tecnologia Ambiental, Professor da Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc)

Cláudia Weber Corseuil, Programa de Pós-Graduação em Energia e Sustentabilidade, Centro de Ciências, Tecnologia e Saúde, Departamento de Energia e Sustentabilidade, Universidade Federal de Santa Catarina, Araranguá, Santa Caarina, Brasil

Engenharia Florestal , MSc.  em Engenharia Agrícola, Dr. em Agronomia

 

 

References

Arias, S.G. & Serna, L.F.C. (2017). Regionalización de curvas de duración de caudales em el departamento de Atioquia-Colombia. Revista EIA, 14(27), 21-30. doi.org/10.24050/reia.v14i27.1158

Bof, L.H.N.; Pruski, F.F.; Silva, L.M.C. & Justino, F. (2013). Analysis of Appropriate Timescales for Water Diversion Permits in Brazil. Environmental Management, 51(2), 492-500. doi:10.1007/s00267-012-9982-7

Calmon, P.A.S.; Souza, J.C.; Reis, J.A.T. & Mendonça, A.S.F. (2016). Uso combinado de curvas de permanência de qualidade e modelagem da autodepuração como ferramenta para suporte ao processo de enquadramento de cursos d’água superficiais. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 21(1), 118-133. doi: 10.21168/rbrh.v21n1.p108-133

Cruz, J.C. & Tucci, C.E.M. (2008). Estimativa da disponibilidade hídrica através da curva de permanência. Revista Brasileira de recursos hídricos, 13(1), 111-124. doi:10.21168/rbrh.v13n1.p111-124

Cunha, D.G.F.; Calijuri, M.C. & Mendiondo, E.M. (2012). Integração ente curvas de permanência de quantidade e qualidade a água como uma ferramenta para gestão eficiente dos recursos hídricos. Engenharia Sanitária e Ambiental, 17(4), 369-376. doi.org/10.1590/S1413-41522012000400003

Eletrobras. (2000). Diretrizes para estudos e projetos de Pequenas Centrais Hidrelétricas. Centrais Hidrelétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás.

Eslamian, S. & Biabanaki, M. (2008). Low flow regionalization modeling. International Journal of Ecological Economics & Statistics, 12(8), 82-97.

Ferreira, D.M.; Fernandes, V.S. & Kaviski, E. (2016). Curvas de permanência de qualidade da água como subsídio para o enquadramento de corpos d’água a partir de modelagem matemática em regime não permanente. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 21(3), 479-492. doi.org/10.1590/2318-0331.011615143

Fioreze, A.P & Oliveira, L.F.C. (2010). Usos dos recursos hídricos da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Santa Bárbara, Goiás, Brasil. Pesquisa Agropecuária Tropical, 40(1), 28-35. doi: 10.5216/pat.v40i1.3869
Gasques, A.C.F.; Neves, G.L.; Santos, J.D.; Mauad, F.F. & Okawa, C.M.P. (2018). Regionalização de vazões mínimas: Breve revisão Teórica. Revista Eletrônica de Engenharia Civil, 14(2), 60-70. doi: https://doi.org/10.5216/reec.v14i2.47105

Mello, C.R.; Viola, M.R. & Beskow, S. (2011). Vazões máximas e mínimas para bacias hidrográficas da região Alto Rio Grande, MG. Ciência e Agrotecnologia, 34(2), 4940502. doi.org/10.1590/S1413-70542010000200031

Oliveira L.F.C. & Fioreze A.P. (2011). Estimativas de vazões mínimas mediante dados pluviométricos na Bacia Hidrográfica do Ribeirão Santa Bárbara. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 15(1), 9-15. doi.org/10.1590/S1415-43662011000100002

Pandey, G.R. & Nguyen, V.T.V. (1999). A comparative study of regression based methods in regional frequency analysis. Journal of Hydrology, 225(1), 92-101. doi.org/10.1016/S0022-1694(99)00135-3

Pessoa, R.C.L.; Blanco, C.J.C. & Martins, J.R. (2011). Regionalização de curvas de permanência de vazões da região da Calha Norte no Estado do Pará. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 16(2), 65-74. doi: 10.21168/rbrh.v16n2.p65-74

Pereira, G.S. & Caldeira, F.V. (2018). Avaliação da distribuição de Gumbel na determinação de vazões mínimas das sub-bacia do Rio Negro. Revista Águas Subterrâneas, 32(1), 11-26. doi: dx.doi.org/10.14295/ras.v32i1.28926

Pruski, F.F., Bof, L.H.N, Silva, L.M.C., Silva, J.M.A, Rego, F.S. & Justino, F.B. (2004). Impact of the substitution of reference annual streamflow by monthly streamflow on the potential use of water resource. Engenharia Agrícola, 34(3), 496-509. doi.org/10.1590/S0100-69162014000300013

Silva, B.M.B., Silva, D.D. & Moreira, M.C. (2015). Influência da sazonalidade das vazões nos critérios de outorga de uso da água: estudo de caso da bacia do rio Paraopeba. Revista Ambiente e Agua, 10(3), 623–634, doi.org/10.4136/ambi-agua.1587

Santa Catarina / SDS (Estado). Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável (SDS). (2007). Panorama dos Recursos Hídricos de Santa Catarina. Florianópolis, SC, março de 2007.

Santa Catarina. Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável (SDS). 2018. Recursos Hídricos de Santa Catarina. 2018. 31p. http://www.aguas.sc.gov.br/jsmallfib_top/DHRI/bacias_hidrograficas/bacias_hidrograficas_sc.pdf

Tucci, C.E.M. 2013. Hidrologia: ciência e aplicação. 4. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS/ABRH.

Tucci, C.E.M. (2002). Regionalização de Vazões. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Vestena, L.R.; Oliveira, E.D.; Cunha, M.C. &Thomaz, E.L. (2012). Vazão ecológica e disponibilidade hídrica na bacia das Pedras, Guarapuava-PR. Ambi-Agua, 7(3), 212-227. doi:10.4136/1980-993X

Vasco, A. N.; Netto, A. O. A.; Pruski, F.F. (2017). Impactos das barragens na disponibilidade hídrica do Nordeste do Brasil. Revista Recursos Hídricos, 38(2), 39-49
doi 10.5894/rh38n2-cti1
Published
2019-05-27
How to Cite
BACK, Álvaro José; ZAMBRANO, Gustavo José Deibler; CORSEUIL, Cláudia Weber. Curve of permanence of flows of the river Timbó, State of Santa Catarina, Brazil. Acta Brasiliensis, [S.l.], v. 3, n. 2, p. 56-62, may 2019. ISSN 2526-4338. Available at: <http://revistas.ufcg.edu.br/ActaBra/index.php/actabra/article/view/182>. Date accessed: 03 dec. 2021. doi: https://doi.org/10.22571/2526-4338182.